28 de jun de 2009

Lunar Rainbow - Calvin Bradshaw


Como ganhei um presente muito bonito e interessante hj resolvi dividir.
Vc já ouviu falar de moonbow?
Arco que aqui chamam de arco íris ou arco da chuva ou arco da aliança e etc ; é conhecido como causado pelo sol, mas este é pela ação da lua.

"Calvin Bradshaw"

Gratidão!
Acho que é a palavra que pode expressar melhor o sentimento que tenho qdo um irmão como o Diego do "Era Wilson" me avisa de um material legal postado (como se o resto não fosse,rs) e uma amiga como a Lucy (lsd) me traz uma beleza como essa pra confortar minha alma.
Grato Lucy, grato........

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!

Prêmio Lemniscata


Que prêmio é este?

“O selo deste prêmio foi criado pensando nos blogs que demonstram talento, seja nas artes, nas letras, nas ciências, na poesia ou em qualquer outra área e que, com isso, enriquecem a blogosfera e a vida dos seus leitores.»

Sobre o significado de LEMNISCATA:
«curva geométrica com a forma semelhante à de um 8;
lugar geométrico dos pontos tais que o produto das distâncias a dois pontos fixos é constante».

Lemniscato: ornado de fitas.
Do grego Lemniskos, do latim, Lemniscu: fita que pendia das coroas de louro destinadas aos vencedores. (In Dicionário da Língua Portuguesa, Porto Editora)

O símbolo do infinito é um 8 deitado, em tudo semelhante a esta fita, que não tem interior nem exterior, tal como no anel de Möbius, que se percorre infinitamente.”(fonte: blog Navegador Solitário)

A Milu do blog Cultura Livre na Web que eu continuo chamando carinhosamente de Blog da Milu me deu este prêmio que, mais do que um reconhecimento pela qualidade do blog, é uma prova de amizade, que agradeço do fundo do coração.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

26 de jun de 2009

RockFly - Programa Especial para o Domingo!!!!

"Big Boy" Jackson 5 - We Are The World - Michael Jackson and Friends



Só por curiosidade postei aqui o primeiro som dos Jacksons,ou seja, aquilo que podemos dizer: "o início de tudo."

Aqui nasceu o Jackson 5, e claro com ele, os irmãos e irmãs, e a estrela de Michael.
Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!



De minha parte me lembro de ter crescido sempre ouvindo os melhores e entre eles o menino negro de cabelo black power se destacava sempre.
Como nessa união fantástica das melhores vozes do mundo, o destaque era ele....e sempre será prq poucos fizeram ou farão pela música o que ele fez.
Quem sabe agora ele tenha encontrado a paz com seu espírito tão atribulado em meio ao caos dos seres humanos, que mais fazem criticar, agredir, questionar como se não houvessem espelhos espalhados pelo mundo todo para que cada um dê uma paradinha pra se analisar antes de apontar o dedo para os outros.

Em tempo: Eu sabia que iria surgir uma oportunidade e foi justo nessa ocasião em que posso explicar a importância de Quincy Jones, afinal foi ele um dos responsáveis pelos maiores sucessos da estrela Michael Jackson e produtor deste que é considerado um hino da música mundial, gostem ou não.

Rest in Peace Michael............

24 de jun de 2009

Back Against The Wall - A Tribute To Pink Floyd - 2005


Acho que tô ficando preguiçoso!!!!!!
Mas é que achei a colocação do Lucon tão adequada que não faria melhor, então tá aí a resenha do Camara de Eco para mais um tributo.
Mais um porque vou postar qtos achar interessantes, apesar que alguns não gostem e já conheçam este, mas o Som Mutante não tinha, então tá ai.
Sei que meu amigo Carlos já deve ter e tal, mas por ter me ajudado e ser gentil me municiando de muita coisa boa, essa postagem com seu ídolo Keith Emerson, que segue na íntegra tb vai pra ele ok?
Pink Floyd , everybody!!!!!

"Peço que não ignorem essa postagem por se tratar de mais um tributo.
Sei perfeitamente que as regravações geralmente não superam as originais, mas vamos observar da seguinte forma:

The Wall (1979) não é a obra máxima do Pink Floyd, pelo menos em minha opinião, pois sou louco por Animals (1977), mas acho fascinante ouvir músicos das novas gerações se unirem aqueles da "velha guarda" para homenagearem determinada banda.

Quero deixar bem claro aqui que músico para mim, é como vinho.

Pra ser bem sincero, acredito que as pessoas quanto mais "velhas", mais interessantes são - não é à toa que minha "turma" é basicamente composta por pessoas além de minha idade.
Gente como David Gilmour no alto de seus sessenta e tralalá anos me fascina tanto quanto o Gilmour do vídeo de Pompeii.
Espero que um dia tenha a sorte e privilégio de ver meu corpo envelhecer.

Back Against The Wall é um barato!
Os músicos aqui reunidos fizeram a lição de casa e a execução é primorosa.
É claro que a tecnologia atual substitui os arranjos originais de orquestra e tal, mas ainda assim é emocionante poder ouvir The Wall sob a perspectiva daqueles que tanto amamos: "Chris Squire e Alan White em Comfortably Numb", "Glenn Hughes em Young Lust", "Rick Wakeman em Nobody Home e Steve Howe em Vera" simplesmente emocionam!
Olhe só: existe sim respeito e admiração por parte de nossos heróis, apesar da provável grana boa que receberam para tal.

Quem sabe, um dia, nosso querido Gilmour não embarque numa dessas, não é mesmo?

Só para constar: Billy Sherwood, ex-Yes ou ex-colaborador do Yes, foi quem arquitetou a coisa toda e contou também com a colaboração de Steve Porcaro, Tony Levin, Adrian Belew, Keith Emerson, entre outros.

Vale a pena conferir."

Part 01:

IN THE FLESH
Adrian Belew - Lead Vocal
Alan White - Drums
Keith Emerson - Organ
Gary Green - Guitars
John Giblin - Bass
Billy Sherwood - Keyboards, Vocals
Michael Sherwood - Vocals

THE THIN ICE
Ian Anderson - Vocals, Flute
Tony Levin - Bass
Gary Green - Guitars
Jay Schellen - Drums
Billy Sherwood - Keyboards, Backing Vocals

ANOTHER BRICK IN THE WALL PART 1
Steve Morse - Lead Guitar
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards, Electric Guitars, Bass

THE HAPPIEST DAYS OF OUR LIVES
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards, Guitars, Bass
Vinnie Colaiuta - Drums

ANOTHER BRICK IN THE WALL PART 2
Fee Waybill - Lead Vocals
Ronnie Montrose - Lead Guitar
Mike Porcaro - Bass
Alex Ligertwood & David Glenn Isley - Backing Vocals
Greg Bissonette - Drums
Billy Sherwood - Keyboards
The Millikan Musical Theater Children's Choir Conducted by Leo Krubsack

MOTHER
John Wetton - Vocals, Bass
Adrian Belew - Lead Guitar
Alan White - Drums
Billy Sherwood - Acoustic & Electric Guitars

GOODBYE BLUE SKY
Steve Howe - Acoustic Guitars
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards
Del Palmer - Bass

EMPTY SPACES
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards, Bass
Robby Krieger - Guitars

YOUNG LUST
Glenn Hughes - Vocals
Elliot Easton - Lead Guitar
Tony Franklin - Bass
Aynstey Dunbar - Drums
Bob Kulick - Electric Guitar
Billy Sherwood - Keyboards

ONE OF MY TURNS
Tommy Shaw - Lead Vocal, Guitars
Larry Fast - Keyboards
Jay Schellen - Drums
John Giblin - Bass

DON'T LEAVE ME NOW
Tommy Shaw - Lead Vocal
Robby Krieger - Guitars
Jay Schellen - Drums
Billy Sherwood - Bass
Geoff Downes - Keyboards

ANOTHER BRICK IN THE WALL PART 3
Steve Lukather - Lead Vocal
Tony Levin - Bass
Jay Schellen - Drums
Steve Porcaro - Keyboards

GOODBYE CRUEL WORLD
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards
Tony Levin - Bass

HEY YOU
John Wetton - Lead Vocal, Bass
Steve Lukather - Lead Guitar
Tommy Shaw - Acoustic Guitar
Alan White - Drums
Gary Green - Electric Guitars
Geoff Downes - Keyboards
Billy Sherwood - Vocals


Part 02:

IS THERE ANYBODY OUT THERE?
Adrian Belew - Acoustic Guitars
Billy Sherwood - Lead Vocal, Keyboards, Bass
Ian Anderson - Flute
Michael Sherwood - Backing Vocals

NOBODY HOME
Rick Wakeman - Piano
Billy Sherwood - Lead Vocal, Orchestral Keyboards

VERA
Tommy Shaw - Lead Vocal
Steve Howe - Acoustic Guitars
Billy Sherwood - Keyboards, Bass

BRING THE BOYS BACK HOME
Billy Sherwood - Lead Vocal, Orchestral Keyboards
Jay Schellen - Snare Drum, Percussion, Backing Vocals
Michael Sherwood - Backing Vocals

COMFORTABLY NUMB
Chris Squire - Lead Vocal, Bass
Alan White - Drums
Billy Sherwood - Lead Vocal, Guitars, Keyboards
Jordan Berliant - Additional Acoustic Guitars

THE SHOW MUST GO ON
Adrian Belew - Lead Vocal
Vinnie Colaiuta - Drums
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards, Guitars, Bass
Michael Sherwood - Backing Vocals

IN THE FLESH
Billy Sherwood - Lead Vocal
Keith Emerson - Keyboards
Vinnie Colaiuta - Drums
Gary Green - Guitars
John Giblin - Bass
Michael Sherwood - Backing Vocals

RUN LIKE HELL
Jason Chefe - Vocals, Bass
Dweezil Zappa - Lead Guitar
Tony Kaye - Keyboard Solo
Aynsley Dunbar - Drums
Bob Kulick - Electric Guitars
Billy Sherwood - Keyboards

WAITING FOR THE WORMS
Billy Sherwood - Lead Vocal, Guitars, Keyboards
Tony Levin - Bass, Stick
Vinnie Colaiuta - Drums
Gary Green - Guitars
Keith Emerson - Organ Solo
Jim Ladd - Ranting & Raving
Michael Sherwood - Backing Vocals

STOP
Billy Sherwood - Lead Vocal, Piano

THE TRIAL
Malcolm McDowell - Lead Vocal
Billy Sherwood - Orchestral Keyboards, Vocals

OUTSIDE THE WALL
Billy Sherwood - Vocals, Keyboards
Jim Ladd - Narration
Michael Sherwood - Vocals
Jay Schellen - Vocals

Com um time desses e vários de meus ídolos juntos não passo batido mesmo, preciso lembrar de meus temos de dureza (rá,rá,rá) e um grupo como o Floyd, só não sai bem feito se não quiser e particularmente gostei muito, espero que gostem.
Sei que tem blogs por aí que se vangloriam de quantidade e outros de qualidade, e outros que são bons mesmo.
Estou procurando seguir estes últimos, quem sabe consiga, mas vou pensar pra comemorar minha vida na net acima das 200 postagens e agradecer a aqueles que acreditam e respeitam o trabalho aqui feito e aos amigos e amigas que fiz.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

19 de jun de 2009

Roy Rogers - The Best of 2 - Slide Hand/Slide Zone

Em Rio das Ostras no Rio de Janeiro, todos os anos é realizado um "baita" de um festival musical onde se reúnem pessoas do país todo e sempre entre os shows se sobressai algo extraterrestre !!!!

Roy Rogers foi visto pela primeira vez aqui no Brasil lá e nunca imaginei que mesmo cantando; porque para quem não sabe, eu tenho mesmo um pé atrás com brancos que tocam Blues querendo cantar também, porque acho um dom que poucos tem como já disse: um Jonny Lang, Warren Haynes, Johnny Winter, etc.
Mas aqui não cabe nenhum preconceito sobre cor ou o que quer que seja relacionado à discriminação ok?

Mas um branco conseguindo chegar tão próximo da "ALMA" do Blues.....da verdadeira alma que é formada por gerações em negros devido à todo o sofrimento que passaram se estabelecendo em terras estranhas primeiro como escravos e depois em trabalhos sub humanos e ainda mais discriminados, nem podendo usar os mesmos banheiros ou assentos de ônibus que os brancos.Mas este camarada que tem nome parecido com o famoso herói das telas de Far-West, de antiquado não tem nada, de "Soul" tem tudo e eletriza qualquer platéia com seu som tirado de um violão!!!!!! e aí é que vem a beleza de seu trabalho, porque tem músicos que usam tantos apetrechos que as vezes tocar é o que menos fazem. O que não é o caso de Roy e de sua troupe pois todos se envolvem numa energia tão forte que contagia envolvendo os que os acompanham e viajam ao som de um blues-rock-folk-etc, que prefiro dar o nome de "música de qualidade".

Mas ele também toca guitarra e outros intrumentos de corda além de como já disse cantar!!!, e do próprio site dele retirei essa descrição que segue no original abaixo sobre este trabalho e que "deu trabalho" pra achar algo de um camarada tão bom e ao mesmo tempo tão simpático; inclusive acho que nós que militamos em blogs precisamos ampliar mais o leque de opções pra boas sonoridades nos acompanharem nessa jornada, eu vou fazendo minha parte.
"2 for 1 for you".



"Roy Rogers is somewhat of a rarity in contemporary blues; he's not only a monstrous guitar player, but is also possessed of a distinctive singing voice. In addition, he differentiates himself from the Chicago-style hordes by concentrating primarily on Delta-influenced slide guitar. By no means simply a revivalist, however, he's managed to take the best of Son House and create a unique style that is much more than the sum of its influences. Often sounding like the swamp-bred offspring of Ry Cooder and the Allman Brothers, Rogers (along with bassist Steve Evans and drummer Mike Hyman) opens the album with a pair of furiously funky, syncopated stompers.

From there, he explores a myriad of roots styles, moving from moody instrumental jazz to hyper-speed rockabilly to Bela Fleck banjo duets with equal facility. Like Duane Allman, Rogers uses the slide to play real melodies, not tired old Lightnin' Hopkins licks, and his versatility with the technique is nothing short of astonishing.

Overall, though, his greatest strengths lie not in his chops nor in his commitment to authenticity, but in his sincerity; it's obvious in every note that the guy really loves this music, whether it's actually blues or not. Strangely, though (especially since he's a white boy from California), Roy Rogers often sounds more "bluesy" than contemporaries like Keb Mo and Alvin Youngblood Hart."

Personnel:
Roy Rogers (vocals, guitar, guitars, cello, percussion);
Steve Evans (bass guitar);
Mike Hyman (drums, percussion).

Additional personnel:
Bela Fleck (banjo);
Norton Buffalo, Charlie Musselwhite (harmonica);
Allen Toussaint, Phil Aaberg (piano);
Joey Spampinato (bass guitar);
Scott Mathews (drums);
Annie Stocking, The Pork Chops, Jeannie Tracy (background vocals).

Track Listing:

1 Don't Give It Up
2 Bad Situation
3 Don't Say A Word
4 Cure For An Achin' Heart (feat. Allen Toussaint)
5 Slide of Hand
6 Make Your Paradise
7 Rockin' at The Hey Hey
8 Work Hard for the Money
9 Bull Hog Grind (feat. Allen Toussaint)
10 Get Back In Line
11 Spent Money
12 House of Blue Dreams
13 Lover's Moon
14 Livin' on Borrowed Time (feat. Charlie Musslewhite)
15 Ode to The Delta (feat. Bela Fleck)
16 Slide Zone
17 Rough House (feat. Phil Aaberg)
18 Off the Cuff (feat. Bela Fleck)

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

17 de jun de 2009

Rui Barbosa "A Águia de Haia"


Sei que muitos não vão nem ligar ou vão dar de ombros mas sei que poucos podem mudar muitos dependendo da vontade, a minha é inquebrável e inquebrantável.
Primeiro prq sei que existe alguém muito maior e mais forte do que todos nós e nossas atitudes mundanas e em segundo porque só me junto aos bons, não por ser bom, mas por ter escolhido esse caminho.
Rui Barbosa disse tudo!!!!!!!!!!!!!!!

"Se ainda hoje Rui Barbosa é digno de homenagem, e o será sempre, compreende-se a importância do texto publicado no suplemento Letras e Artes, do jornal "A Manhã(Ano 3º - n º 144 -13.11.1949)", em 13 de Novembro de 1949, no qual nosso querido Professor Goffredo Telles Júnior homenageava o ilustre aniversariante no seu então centenário de nascimento (1949) com uma biografia quase cantada, que foge de qualquer lugar comum."

obs: um adendo sobre a importância de seu texto na vida do país.

De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantar-se os poderes
nas mãos dos maus;
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto."

Rui Barbosa

15 de jun de 2009

Agora na net a sessão "DEDO-DURO"

Começamos bem a semana, o speedy não funcionou no domingo o dia todo, disseram que era manutenção mas o bicho pegou e o problema era maior e aí f.............!
Mas este cartaz que foi produzido pelo maninho Zara, qdo ainda estávamos no Lágrima, era relacionado à perseguições que as gravadoras nos faziam detonando as contas em hosts e retirando os links dos servidores por termos "infringido a lei."

Resolvi reutilizá-lo porque agora surgiu na blogosfera uma "nova corja de filhos de rapariga "(essa até eu não gosto, mas é o que se encaixa melhor do que filhos do capeta ,etc e tal) e estes "desocupados da porra da vida" agora vão até os "Sites de Hospedagem" e delatam os links dos sons que postamos, e aí o "host" simplesmente cancela seu arquivo prq alguém disse que é "ilegal."

Mas o interessante é que os anormais que estão fazendo isso, são blogueiros ou deveriam ser, postam em outros blogs, conhecem como funciona o meio e simplesmente resolveram dar uma de badboy, ou piranha de zona sei lá!!!!

O que sei é que são pessoas que já estiveram juntos comigo e com outros que estão tendo seus links detonados e por puro prazer ou inveja, resolveram ser piores do que já são, prq seus blogs são umas merdas, eles piores ainda e se achando no direito de sacanear alguém fazem as escondidas como na época da inquisição.

Só pra lembrar, naquela época quem não gostava do vizinho, enterrava no quintal do cara o "livro preto"(a atual bíblia) que era proibida nas mãos de quem não fosse da igreja e ia aos sacerdotes e delatava o seu vizinho como "Herege e pecador" e aí os sacerdotes e soldados iam a casa do fulano que não sabia de nada; cavavam onde o "delator, dedo-duro, filhote de cruz-credo" dizia ter visto ser enterrado e encontrando(é lógico), mandavam para as cadeias e depois para a morte o delatado por descumprir ordens da Inquisição.

É sim um desabafo e aí é que alguns como eu, dizem que dá uma puta vontade de parar, e deixar essa porra nas mãos dessa corja, prq não ganho nada pra isso, faço por amor a verdadeira musica que ajudei a construir (isso eu fiz, eles duvido!!!)e amizade aos que aqui frequentam e não são poucos. Essa raça do inferno, deve rir qdo consegue o seu grande objetivo "deletar um link" as escondidas, nas sombras, onde moram criaturas como eles.
Só sei que até na cadeia "dedo-duro morre no pau".

Mas isso não vai mudar o rumo do planeta que infelizmente está povoado de "cabras-safados" como estes que nada acrescentam a não ser fazer peso no planeta e virar esterco qdo morrem.

Que a roda da vida continue, mas que eu ainda cruzo com um desses trouxas que pensam que não os conheço isso pode ter certeza, mas não vou delatar bloguinho vagabundo e muito menos perder tempo com links de coisas que eles chamam de música.......o caminho é outro!!!!

Vamos dar tempo ao tempo!!!!!!!!

Dead or Alive

Enjoy aos amigos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

13 de jun de 2009

Programação Especial "RockFly"

Nektar - Magic is a Child - 1977

Formado por 4 jovens ingleses que residiam temporariamente na Alemanha, teve sua carreira e primeiros discos lançados neste pais; por isso sempre que se fala em rock progressivo alemão um dos primeiros nomes que vem à mente é Nektar !

Tudo começou em Hamburgo por volta de 1965, quando Allan Freeman - teclados e vocal, Ray Albrighton - guitarra e vocal, Derek Moore - baixo, mellotrom e vocal e Ron Howden - bateria tocavam no circuito de clubes.


Em 1971 assinam contrato com a gravadora Bellaphon e lançam seu disco de estréia, o extraordinário Journey to the Centre of the Eye. O segundo disco A Tab in the Ocean saiu um ano depois, tornando-se verdadeiro Cult entre os amantes progressivos fora da Alemanha !

Estes primeiros discos tinham em comum letras com visões surrealistas, argumentos para paz universal e arranjos instrumentais viajantes, típico dos início dos anos 70

Ray Albrighton era a alma do grupo, guitarrista inventivo e versátil que improvisava sem esforço sobre as linhas melódicas do mellotrom de Derek Moore, fortemente marcado pela bateria de Ron Howden.

Seu terceiro álbum, Remeber the Future, lançado na Alemanha em 1973, era o registro de inovação do grupo. A música que deu nome a este disco tornou-se grande sucesso nas rádios FM da Alemanha ! Este disco foi o primeiro de sua discografia a ser lançado nos Estados Unidos. O sucesso deste LP os levou a tocar em Nova Iorque no dia 28 de setembro de 1974.



Down to Earth foi lançado em 1974 e como novidade tinha a participação de músicos convidados, entre eles a cantora Pat Arnold, mas ao contrário do que se esperava não conseguiu repetir o sucesso de Remeber the Future !
Neste mesmo ano lançam seu primeiro disco ao vivo batizado Live at the Roundhouse, gravado em Londres, e que curiosamente não incluía músicas do disco Remember the Future seu maior sucesso !
O LP Magic in a Child marca o primeiro racha no grupo, Albrighton foi substituido por Dave Nelson na guitarra e Larry Fast, grande virtuoso do sintetizador participa das gravações deste disco e em seguida entra para a banda de Peter Gabriel. Era o principio do fim !

Em 1978 foi lançado um álbum duplo com uma antologia da melhores faixas de todos os trabalhos da banda.

O ano de 1979 é marcado por Roy Albrighton tentar um retorno com uma nova formação do Nektar tocando em clubes de Nova Iorque e lançando o disco Man in the Moon. Infelizmente os tempos são outros e o som da banda não consegue atrair mais os fans como antigamente. Nem a entrada de David Prater na bateria conseguiu manter a unidade do grupo e dar um novo ânimo.

Neste ano é oficializado o término oficial do grupo.

É dado como certa a volta da banda com sua formação original e contando com Larry Fast nos sitetizadores.
É dificil acreditar, afinal Larry Fast após sair do Nektar desenvolveu carreira solo
de sucesso.

Obs: o link é do meu irmãozinho Mactatus que apesar de estar com o Voo 7177 ainda no chão, está com os links vivos.

Enjoy!!!!!!!!!!

12 de jun de 2009

adp consequence - a tribute to peter gabriel - 2005

O que eu sei disso?
Nada ou quase nada eu sabia até que chegasse as músicas até minhas mãos (ou pc como queiram) pelo já amigo e dinâmico Carlos e claro como bom fuçador, lá fui eu em mais uma aventura pela net.
Descobri uma única referência que valesse a pena e me levou diretamente a fonte, que coisa não?

Qdo recebo só as músicas, fica as vezes fácil pelo time que toca e as vezes complica e muito como nesse caso específico.
A qualidade é excelente, as músicas tb não deixam a desejar e ainda vc nota que o Gabriel aparece do nada em várias partes das músicas, rs!!!
Alguns músicos já conhecidos e outros pelo menos para mim totalmente estranhos e olha que já disse ter amigos de onde veio este trabalho e mesmo assim, não tinha conhecimento do que estava tomando proporção e corpo na "velha bota" e isso é muito bom prq lá eles tem uma visão muito diferenciada do que se posta num blog.
É só vc notar que este trabalho foi produzido por eles e ainda tocam, cantam e participam!!!!!!!!!!!!!!

Auto intitulados "Amigos de Peter Gabriel" o blog deles seria numa passada rápida de olhos um blog do Gabriel?????
Não, é muito mais do que isso e clicando em seus links vc vai fazendo uma viagem pelo olhar desses fãs e como se dedicam ao ídolo, ao ponto de produzirem shows próprios, investirem no blog, mantê-lo e ainda produzir o disco!!!!!!!!!!!

Bem, foi o que fizeram e ainda mais além incluindo outros músicos de nível e um roteiro interessante que vale a pena uma visita.
E a Silvia que assina "quem somos"é uma simpatia e demonstra em seu editorial uma força de dar gosto, ainda mais pra quem é fã do Gabriel como este que vos escreve, e hj pouco, diferente de minhas postagens que gosto de escrever um livro, fiquei sem palavras por ver tal dedicação e beleza à alguém.


O que mais gostei foi o sub-título "AmicidiPeter, semplicemente il miglior gruppo di appassionati della musica di PG."
E claro não faltam fotos e datas pra shows e seus amigos como nessa foto, e os músicos acompanhantes de Peter e tb os presentes neste trabalho, como Rachel Z., Tony Levin e Jerry Marotta.
E com seus devidos links pra contato; mas vc vai observar que apesar de um amplo material ainda faltam algumas coisas no blog prq como eles mesmo dizem o blog está sendo feito ainda e está "em obras", mas não diminue em nada a qualidade e o valor do blog e do pessoal de lá!

Bom e além disso tudo eles são também uma banda e oferecem alguns links pra coisas bem raras deles e pra quem gosta de Peter Gabriel, acho que é uma daquelas casualidades da vida, ou acaso ou sorte, ou será algo muito maior, deixar cair justo no meu colo um trabalho tão bonito como fazem " il blog degli amici di peter ".


Parabéns a eles e ao Carlos que começou minha caça pra um lugar tão distante e tão querido pra mim como a Itália, onde bons amigos curtem boas músicas e sabem como conviver sem simplesmente sairem por aí detonando blogs dos outros (é agora tem isso, os invejosos não contentes aqui no Brasil, saem delatando os links alheios pra eles serem retirados e isso dificultar a vida de quem gosta de música como minha querida Luciana Aun do ProgRockVintage que está sendo duramente perseguida sabe-se lá por qual cão do inferno, que nada mais tem a fazer do que atazanar. Mas, como eu disse, cães como esses vão morrer pelas espadas de Arcanjos do Bem, é só esperar, e quem sabe aprendermos com os outros como viver em sociedade o que acho um pouco difícil pra essa corja que vagueia por aí como alma penada, ré,ré,ré.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

adp consequence

(Atenção, seguindo o maninho Fireball estou experimentando um novo host ok? espero que funcione bem)

7 de jun de 2009

WAR - Deliver the Word - 1973

War, originally called Eric Burdon & War and often typeset as WAR, is an American funk band from California, known for the hit songs "Low Rider", "Spill the Wine", "The Cisco Kid" and "Why Can't We Be Friends?". Formed in 1969, War was a musical crossover band which fused elements of rock, funk, jazz, Latin music, R&B, and reggae. The band also transcended racial and cultural barriers with a multi-ethnic line-up. The band has sold over 50 million records to date. Although War's lyrics are often socio-political in nature, their music usually had a laid-back, California funk vibe. The music has been sampled and recorded by many singers and groups, ranging from R&B/pop singers such as Janet Jackson to nu metal band Korn and hip-hop groups like TLC.
The next album, the slightly less gritty Deliver The Word (1973), contained the hits "Gypsy Man," and a re-recording of "Me And Baby Brother", which peaked at number 8 and number 15, respectively, on the Billboard chart. This album proved a real challenge for the band since the pressure of their previous hits and a lack of focus made concentration difficult. Despite these conditions, the album went on to sell nearly two million copies. It was 1975 when the Why Can't We Be Friends? album was released. It included "Low Rider", the universal lowrider anthem, and the satirical title track, a half-joking but irresistibly soulful tune that both praised and poked fun at overly-positive utopian funk songs.
With the band having become a huge commercial success, messing with formulas was definitely not on the agenda. So pretty much everything here is a retread. Probably the best-known song here is the hit single "Gypsy Man," which starts and ends with excessively long jams, and depends on some earnestly strummed guitars and an attention-grabbing descending hook. It's decent but not a breakthrough.

The real high point is actually the jaunty, Family Stone-like sing-along "Me And Big Brother," which also was a Top 40 hit. "Southern Part Of Texas" serves up the same brand of burbling enthusiasm, but it's aimless, and the blues-based vocal part is kind of dull. The rest is similarly uneven, with a shimmering, atmospheric instrumental ("H2 Overture," complete with strings), a fun but lightweight funk number ("In Your Eyes"), and a creaking, plodding harmonica/sax blues instrumental ("Blisters"). Meanwhile, Jordan testifies mightily on the slick, melodramatic, eight-minute title track.
But like the record in general, it just doesn't add up to much. (JA)
Integrantes:
Sandro Alberto - Guitar, vocals (1996-1998)
James "Zota" Baker - Guitar, vocals (1998-2002)
Kerry Campbell- Saxophone (1993-1996)
JB Eckl - Guitar, vocals (1994-1996)
Charles Green - Flute, saxophone (1993-1995)
Ricky Green - Bass, vocals (1984-1989)
Ronnie Hammon - Drums, percussion (1979-1996)
Fernando Harkles - Saxophone (1996-Present)
Kenny Hudson - Percussion (1997-1998)
Mitch Kashmar - Vocals, harmonica (2006-Present)
Richard Marcos - Drums, percussion (1996-1997)
Tetsuya "Tex" Nakamura - Harmonica, vocals (1993-2006)
Luther Rabb - Bass, vocals (1979-1984)
Marcos Reyes - Percussion (1998-Present)
Pat Rizzo - Flute, Saxophone, vocals (1979-1983)
Sal Rodriguez - Drums, Percussion, vocals (1990-1991, 1992-1996, 1997-Present)
Alice "Tweed" Smith - vocals(1979-1981)
Francisco "Pancho" Tomaselli - Bass, vocals(2003-Present)
Rae Valentine - Percussion, Keyboards, vocals(1993-2001)
Stewart Ziff - Guitar, vocals (2002-Present)

Eric Burdon & WAR:
1970: Eric Burdon Declares "War"
1970: The Black-Man's Burdon
1976: Love Is All Around

WAR
1971: War
1971: All Day Music
1972: The World Is a Ghetto
1973: Deliver the Word
1974: WAR (Live)
1975: Why Can't We Be Friends
1976: Greatest Hits
1977: Platinum Jazz
1977: Galaxy
1978: Youngblood
1979: The Music Band
1979: The Music Band 2
1982: Outlaw
1983: Life (Is So Strange)
1987: The Best of WAR... And More
1991: Rap Declares WAR
1994: Peace Sign
1996: The Best of Eric Burdon & War
2001: Grooves and Messages
2008: Greatest Hits Live

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

WAR

6 de jun de 2009

Programação de fim de semana RockFly


Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

2 de jun de 2009

Clapton and Winwood - Live from Madison Square Garden - 2008

Em 1969, Eric Clapton e Ginger Baker (bateria), membros do recém-extinto Cream, se juntaram a Steve Winwood (vocal, guitarra, teclados) e Ric Grech e formaram o Blind Faith.
Como todos os membros já gozavam de grande prestígio, o Blind Faith é considerado um dos primeiros chamados "supergrupos" da história do rock.
Infelizmente, lançaram apenas um único álbum e se separaram em seguida.

Em 2008, quase 40 anos depois, Clapton e Winwood se reuniram para reviver clássicos do Blind Faith e de suas carreiras solo.
O álbum que segue para download é fruto de 3 apresentações de Eric Clapton e Steve Winwood no Madison Square Garden em 25, 26 e 27 de Fevereiro de 2008.
Eles são acompanhados por Willie Weeks (baixo), Chris Stainton (teclados) e Ian Thomas (bateria).

Disco 01:
01 Had To Cry Today
02 Low Down
03 Them Change
04 Forever Man
05 Sleeping In The Ground
06 Presence Of The Lord
07 Glad
08 Well All Right
09 Double Trouble
10 Pearly Queen
11 Tell The Truth
12 No Face No Name No Number

Disco 02:
01 After Midnight
02 Split Decision
03 Rambling On My Mind
04 Georgia On My Mind
05 Little Wing
06 Voodoo Chile
07 Can't Find My Way Home
08 Dear Mr Fantasy
09 Cocaine

Fui na casa de meu irmãozinho Fireball e dou de cara com mais essa do Clapton, e ainda com o Winwood.
Já disse que nunca fui muito fã dele mas depois de acompanhar com atenção sua carreira e ouvi-lo participando do "GO" com o Stomu Yamashta ele teria sim dons que deveriam ser notados por este mortal tendencioso e ignorante, rs.
Bem, o Clapton dispensa comentários, mas gosto sempre de lembrar um fato de sua vida...."que a morte caminha sempre ao lado dele e que nunca conseguiu destruí-lo", acho isso um dom divino, mesmo que pareça até melancólico ficar sofrendo por aqui enquanto amigos e até o filho perdeu, ele não perdeu o dom de nos proporcionar alegria.

Que coisa impressionante não????


Se eu pudesse fazer um desejo não á algum gênio de lâmpada mas a alguém com o poder sobre o Bem e o mal, o meu pedido seria que as pessoas conseguissem seguir exemplos como esse do Clapton e por isso sempre o posto por aqui.
Existem guitarristas mil, mas caráter é uma coisa complicada e todos, mas todos sem excessão querem tocar com ele, estar com ele e se sentem bem com ele.
Porra, ele deve ter algo que emana do Bem e isso poderia contagiar muita gente e não essa bobageira de cuspir em cruz e atear fogo em seres humanos por causa da cor, ou discriminar uma mulher porque usa um lenço na cabeça e etc, etc e etc. Se esses que por ai estão com seus blogs soubessem o qto de Bem poderiam trazer retratando fatos como esses, a net não estaria entulhada de bobageiras e idiotices de verdadeiros retardados que só querem o mal e acham que o Bem é careta.

Eric Clapton é Careta!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Será que só um dos maiores guitarristas da história, vivo e careta não mostra qual o rumo a seguir?
Não né?
Querem seguir rumos de bandinhas idiotas que nem se sabe o nome prq é má...ré,ré,ré; me rio deles prq lembrei ouvindo aqui mais um que voltou desse universo mau que tanto pregam por aí, Glenn Hughes!!!!!!!!
É careta e do Bem, ah chega, já divaguei demais, vamos ouvir o som dos caras do Bem e ao Fireball muito obrigado por sua amizade irmão, fica na Paz e não leve a mal ter colocado até seus links, mas o trabalho foi seu.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Link alternativo 01

Link alternativo 02

1 de jun de 2009

To Cry You A Song - A Tribute To Jethro Tull (1996)


"Sincronicidade: (do grego syn, junto, e chronos, tempo) é a designação de Jung para um princípio que deveria explicar a relação significativa mais causal de acontecimentos, a “coincidência significativa” de dois ou mais fatos. Se aceita a hipótese, a adoção de uma função psi - que tornaria possível uma explicação causal torna-se supérflua. A hipótese foi desenvolvida por Jung num trabalho conjunto com o físico Woltgang Pauli (1900-1958).

O que teria a ver Jung com Jethro Tull?

O Carlos, um já assíduo colaborador deste escriba, devido a postagem e ao comentário sobre o trabalho "3" onde Robert Berry substituiu à Greg Lake no ELP, me enviou uma infinidade de obras onde Berry participaria mostrando que ele não seria um ilustre desconhecido e sim um árduo operário da música dita progressiva.
Nestas idas e vindas, ele também mostrou sua paixão por Keith Emerson, nos municiando com muitas informações e trabalhos do mesmo e também do Berry (os quais nem metade ainda postei, prq gosto de escrever algo a respeito do que divido, e nem sempre tenho o tempo necessário, ou a vida nem sempre está como queríamos, enfim...); na última conversa ele me chamou a atenção para uma participação de Keith com o Tempest, mas que ainda lhe faltavam detalhes.

Indo atrás, prq adoro fuçar, encontrei esta verdadeira obra de arte, à qual não tenho vergonha de dizer que desconhecia totalmente e chamo a atenção para os participantes desta coletãnea em homenagem ao Tull, e as versões de seus clássicos.
Quer saber?

Não é qqr um que tem peito de meter a mão numa obra de sucesso mundial e refazê-la e por isso costumo ir atrás de coletãneas sim; as vezes são verdadeiros lixos e caça níqueis de músicos decadentes, mas também aparecem maravilhas como esta.
Segue um texto no original e tb uma resenha dos músicos e músicas.
Analise e tire suas conclusões, eu?
Amo o Tull e adorei esta obra.




"To Cry You A Song Jethro Tull has been releasing high quality music for almost thirty years. In fact, Tull has been influential for so long that it is easy to forget what made them such a compelling act during the early stages of their career. The band had a profound effect on rock during the late 1960's and '70's due to their use of the flute as a lead instrument and the wild persona Ian Anderson portrayed on stage. During those years Tull was known as a hard rock band ("Aqualung" and "Locomotive Breath"). In the early 1970's they were thought of as a progressive rock band ( "Thick As A Brick" and "A Passion Play"). At the end of that decade "Songs From The Wood" and "Heavy Horses" were more folk-oriented. The 1980's saw Tull become more keyboard-oriented and hi-tech in its approach.
More recently, "Crest Of A Knave" surprised everybody (especially Metallica) by winning a Grammy for best Hard Rock/Heavy Metal Act. And in 1994 Ian Anderson showed incredible musical maturity with his classically-inspired, new age-influenced "Divinities". Tull also contributed a great deal to making the modern concert business what it is today. They were the first group to carry it's own PA system from city to city and make those costs part of the production expenses. They were the first group to carry multi-level staging on the road with them making them memorable for putting on an extravagant live show. Ian Anderson has a style and a vision which he has been able to parlay into a huge army of dedicated fans that has remained loyal for decades.
But with all the image, marketing and promotional aspects of the Tull story, one factor should not be dismissed: the songs were great. "To Cry You A Song ...A Collection Of Tull Tales" is made up of some of Jethro Tull's best and most loved songs. The performers that have been gathered together for this album have all been a part of the Tull story as participants or avid fans.




Who Are the Performers?

A Tull Tale
Performed By Magellan
Stan Johnson Flute
Trent Gardner Keyboards
Roger Patterson Percussion
--------------------------------------------------------------------------------
Aqualung
Performed By Magellan
Trent Gardner Vocals and Keyboards
Wayne Gardner Guitars and Bass
Roger Patterson Drums
--------------------------------------------------------------------------------
Up The 'Pool
Roy Harper Vocals and Guitar
Colm O'Sullivan Keyboard and Effects

--------------------------------------------------------------------------------
Nothing Is Easy
John Wetton Vocals
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Glenn Cornick Bass
Ian McDonald Flute
Phil Manzanera Guitars
Robert Berry Keyboards
--------------------------------------------------------------------------------
Mother Goose
Lief Sorbye Vocals, Mandolin, Flutes and Octave Mandola
Mike Varney Lead Guitar
Robert Berry Keyboards, Guitar, Bass and Drums
--------------------------------------------------------------------------------
Minstrel In The Gallery
Robert Berry Instrumentation and Vocals
Lief Sorbye Bodhran
--------------------------------------------------------------------------------
One Brown Mouse Performed By Echolyn
Brett Kull Acoustic and Electric Guitars, Whistling and Backing Vocals
Ray Weston Bass, Jaymar Piano, Lead and Backing Vocals
Paul Ramsey Drums
--------------------------------------------------------------------------------
Cat's Squirrel
Charlie Musselwhite Harmonica
Derek Trucks Slide Guitar
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Mike Summerland Bass
Robert Berry Keyboards
--------------------------------------------------------------------------------
To Cry You A Song
Glenn Hughes Lead Vocals
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Glenn Cornick Bass
Derek Sherinian Keyboards
Robert Berry Keyboards
--------------------------------------------------------------------------------
New Day Yesterday
Robby Steinhardt Vocals and Violin
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Glenn Cornick Bass
Ian McDonald Flute
Phil Manzanera Guitars
Robert Berry Guitar
Mike Wible Keyboards --------------------------------------------------------------------------------
Teacher
Performed By Wolfstone
Ivan Drever Acoustic Guitar
Stuart Eaglesham Vocals
Duncan Chisholm Fiddle
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Glenn Cornick Bass
Derek Sherinian Keyboards
--------------------------------------------------------------------------------
Living In The Past
Keith Emerson Keyboards
Mick Abrahams Guitar
Clive Bunker Drums
Glenn Cornick Bass
--------------------------------------------------------------------------------
Locomotive Breath
Performed By Tempest with Special Guest Robert Berry
Lief Sorbye Vocals and Flute
Rob Wullenjohn Guitar
Adolfo Lazo Drums
Jay Nania Bass
Michael Mullen Violin
Robert Berry Keyboards
--------------------------------------------------------------------------------
Life's A Long Song
Dave Pegg Vocals, Guitars and Mandolin
Matt Pegg Bass
Rob Armstrong Picassophone, Drum Machine and Wooden Drum
--------------------------------------------------------------------------------
Claro que já deu pra notar que a sincronicidade, coincidência ou o que quer que seja, está que por causa do Carlos chegamos ao Berry, chegamos ao Keith, que nos trouxe aqui ao Berry de novo e não bastasse isso, à um time de primeira linha dos quais sou fã incondicional; dois dos melhores vocais de todos os tempos :Wetton e Hughes; Phil Manzaneira e Derek Trucks nas guitarras; nada menos que Mr Charlie Musselwhite and everybody........!!!!!!!!!!!!!!!!
E a participação do Keith com o Tempest ainda ficou pra uma segunda fuçada, rs.

Chega de lero diria o maninho BigZé e vamos ouvir os caras.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


To Cry You a Song