28 de fev de 2012

O Terço " Criaturas da Noite e Casa Encantada" ed. italiana by Rock Fly

Repostando a pedidos de 23/11/10 como foi feito no original.


"Bom crianças, e o velho caçador de lobos volta a ação e detona o nosso herói Buddy Guy e ainda com 03 emails seguidos sobre a mesma coisa.

Ainda falava com o morcegão sobre isso, e olha aí, de novo né?

Fazia tempo tá certo que eles não passavam pela alcatéia, e penso que numa dessas roda de uma vez e apesar de ter endereços alternativos, não os coloquei prq nem sei se deletarem se volto ou fico quietinho por um tempo; afinal como todos fazemos, tanto quem posta como quem baixa, fazemos por gostar e não pra lucrar.

O que torna prazeirosa a situação por um lado e amarga por outro, prq nunca se sabe até qdo por exemplo nossa simples toca de lobos estará on line e isso confesso que dá uma certa dor misturada com apreensão; o que não vejo no rosto de muitos bandidos enquadrados na hora do assassinato confessando inocência e ainda por cima saindo livres ou ficando livres mesmo depois de assassinatos comprovados.

Mas aqui?

Aqui a lei parece o filme "A Ilha do Dr Moreau" onde a lei era a lei e infringir era a morte, que coisa não?
Nesta repostagem do Terço aproveito pra atualizar o que rola e desabafar como sempre faço, e o Terço veio a calhar prq os conheci, sei do esforço e talento de cada membro e o qto significou pra mim ouvi-los durante toda minha iniciação; um prog rock rural como gosto de chamar de uma qualidade absurda e de fazer o coração deste velho lobo pulsar mais e mais, ao ponto de doer em saber que não sou um criminoso, mas querem me tratar como tal.

Quem não tem aproveite, são gravações raras como descrito abaixo; não se sabe qto tempo temos.......A internet é uma invenção fabulosa mesmo não?
Qdo o Alberto Jardim da nossa rádio "Rock Fly" me mandou um email perguntando se eu queria estas duas gravações de uma das maiores bandas do mundo, em edição italiana, eu fiquei pensando justamente nisso, no acesso, na facilidade que temos hj em dia.

Ainda jovens qdo um amigo ia viajar cada um fazia sua lista de desejos e depois íamos tirando isso ou aquilo pra que todos pudessem ser atendidos e claro caber na bagagem do viajante o que ele tb quisesse, rs

E aí aguardávamos ansiosos a volta daquele que teria de passar pela alfandega com os objetos de desejo, geralmente nem todos os pedidos eram atendidos, mas as novidade levavam semanas pra serem descobertas.

Hj basta um email, um up e está lá mais um objeto de desejo, que coisa isso! O Terço é pra mim junto ao "Som Nosso" e "Terreno Baldio", o mais completo grupo que surgiu no pais, com uma musicalidade nacional, uma qualidade internacional, talentos a toda prova e pessoas maravilhosas, só quem pôde desfrutar de alguns momentos com eles pra saber ao que me refiro; sem frescuras, sem estrelismos, sem pouco caso com os mais novos e ainda por cima dividindo aquilo que ia se construindo muitas vezes no improviso.

Mas vc pode estar pensando e qual é o lance deste post se já existem tantos por aí e à muito mais tempo?
É que o Alberto conseguiu estas duas versões destes discos fantásticos gravados na Itália.

Mas vc ainda pode dizer, e dai?A qualidade sonora é absurdamente perfeita, tenho várias versões destes trabalhos e esta foi uma das melhores que tive contato e olha que estamos falando de bits, compressão, perda de qualidade e etc; o que aqui não ocorreu mesmo não sendo em flac e a melhor surpresa pra mim foi que o disco "Criaturas da Noite" é todo cantado em inglês. Existem sim referências dessa gravação feita em 76 e não chega a ser uma raridade, mas não me lembro de ter tido muito contato com essa gravação o que a torna especial pra mim.Analisando friamente vc espera a entrada dos vocais e acaba se surpreendendo com o inglês perfeito e as vocalizações sem dever nada ao original, ou seja poderia se considerar uma cópia de si mesmo e outra língua; e aqui entra a maestria dessa banda fantástica por conseguirem tocar até de ponta cabeça com a mesma qualidade e qdo leio resenhas ou ouço comentários dos longos solos do Hinds, qualifico-os como uma colossal asneira, o que não ocorre "lá fora"qdo qqr dos mestres sola horas a fio, mas aqui é assim mesmo né?

Mais fácil criticar; mas o que importa é o qto eles foram, são e serão importantes para a música brasileira e mundial e o qto eles foram e continuam sendo exemplos para novos e antigos músicos.Criaturas da Noite - O Terço

Esse foi o primeiro disco dessa formação com o Flávio Venturini,Sérgio Magrão,Sérgio Hinds e Luis Moreno.
Gravado de novembro de 1974 a maio de 1975 no estúdio Vice-Versa, em S. Paulo (versão nacional, já que esta é de 76 em inglês).
Participações especiais: Cézar de Mercês e Marisa Fossa.
Ficha técnica:
Capa: Antonio e Andre Peticov ( A Compreensão)
Foto central : Leonardo
Foto encarte : Jean Pierre Resmond
Texto : Valdir ZwetschFaixas: 1-Hey Amigo(Mercês)
2-Queimada ( Venturini e Merces)
3- Panos de Fundo(Magrão e Mercês )solo Moreno
4- Ponto Final ( Moreno)
5- Volte na próxima Semana (Hinds)
6- Criaturas da Noite ( Venturini e Sá)
7- Jogo das Pedras ( Venturini e Mercês)
8- 1974 (Venturini)Casa Encantada-O Terço
Segundo LP,com a mesma formação,conta com participações especiais de Zé Eduardo(percussão) e nos arranjos Rogério Duprat.
Ficha técnica:
Capa: Carlos Vergara
Foto : Mário Luiz Thompson
Texto : Luiz Carlos Sá.Musicas:
1-Flor de la Noche(Mercês) Moreno canta
2- Luz de vela ( Mercês) Moreno canta
3-Guitarras (Hinds)
4-Casa Encantada ( Venturini e Sá)
5-Cabala (Venturini, Zé Geraldo e Murilo Antunes)
6-Solaris (Moreno)
7 -Vôo da Fênix
8- Foi quando eu vi aquela lua passar (Venturini e Mercês)
9- Sentinela do Abismo (Venturini e Márcio Borges)
10-Flor de la Noche II ( Mercês )
11-Pássaro( Sá e Guarabyra).Em 2000, Venturini chamou seus amigos para uma grande confraternização, pois completava 50 anos de idade e 25 de música!O encontro seria em São Paulo, durante o show de lançamento de seu CD.Fabiane, empresária do Flávio, foi responsável por esse encontro,chamando para o mesmo palco, Luis Moreno, Magrão, Hinds, Cezar de Mercês, Guarabyra, Jane Duboc e Cláudio Venturini.

Foi uma noite mágica! Todos estavam felizes, recordando o tempo em que viveram em S.P. e trabalhavam no estúdio do Rogério Duprat.E desde essa noite, em que O TERÇO ressurgiu na formação com Venturini, que eles decidiram voltar a tocar juntos.(I.M.R.)

26 de fev de 2012

Lee Oskar " Lee Oskar Album"

Agora é assim, chega um email com a simples pergunta: - Lee Oskar?

Eu fico imaginando o que seria, mas como vem de um doido de pedra que nem eu mesmo, aguardo pra ver no que vai dar e aí chega outro email um pouco depois com mais uma frase: - Esqueci o link!

Exatamente como narrei assim,tomei contato com este trabalho que posto e contrariando meu irmão Pirata, trago da wiki informações mais detalhadas sobre Lee Oskar e tô nem aí se ele acha que isso é copiar e colar, prq o que vale pra mim é o que posto.

Ele prefere não escrever nada e deixar que cada um descubra por si, eu já gosto de conversar sobre música enquanto ouço e até qdo tocava conversava comigo mesmo viajando por entre as notas olhando meus mestres executando suas melodias.

Pra mim é assim e assim é, por isso mais uma grata surpresa vindo do "PRB", espero gostem como eu e até o mano Pirata leve pra sua nau destrambelhada enquanto ainda existimos.Lee Oskar (born March 24, 1948, Copenhagen, Denmark)is a Danish harmonica player,notable for his contributions to the sound of the rock-funk fusion group War, which he formed with Eric Burdon,his solo work, and as a harmonica manufacturer.

He currently plays with Lowriderband , with Harold Brown , Howard Scott and B.B.Dickerson

In 1983 Oskar formed a company to manufacture high-quality harmonicas.

His company, Lee Oskar Harmonica, sells harmonicas suited to many different styles of music, including blues, folk, rock, R&B and country.

The harmonicas themselves are manufactured by Tombo.

Oskar's harmonica company celebrated its 25th anniversary in 2008 at the NAMM Show (Oskar playing one of his harmonicas at the 2008 NAMM Show).

Several modern musicians, such as Mike Tetrault, cited Oskar as an important influence. When Junior Wells died, he was buried with a tray of Lee Oskar harmonicasBorn in Copenhagen, Denmark in 1948, Oskar was six years old when a family friend gave him his first harmonica.

"I came from an area where every kid on the block had a harmonica," he remembers.

He grew up listening to Danish radio, enjoying all types of music and cites Ray Charles as the biggest influence from that period.

When he was 17, Oskar decided that the United States was where a harmonica player should make his career,so he moved to New York at the age of 18 with little more than a harmonica in his pocket.

With no money, Oskar played harmonica in the streets of New York.Eventually arriving in Los Angeles, California, via Toronto and San Francisco, Oskar soon met and joined forces with Eric Burdon who had recently disbanded The Animals and was searching for new collaborators.

Together, the harp-playing Dane (born Oskar Levetin Hansen) and the British blues-rock singer made the rounds of the L.A. clubs, eventually hooking up with the soon-to-be members of War.

Burdon agreed to the novel idea of pairing up Oskar's harmonica with Charles Miller's saxophone to form a horn section.This team-up set War apart from the start, giving Oskar room to display the full spectrum of his improvisational prowess.

Oskar's harmonica magic was always a vital element in War's music and performances. Oskar continued with War for 24 years non-stop.

At the end of 1992 he made the decision to end his association with that group in order to have the time to pursue his solo career.Lee Oskar who has been described as "a virtuoso," "the harmonica whiz" "a war hero," "legendary," "musical wizardry,"and as "generally regarded to be among the best rock-blues-soul harmonica players.

"His role as a founding member and former lead harmonica player of the pioneer funk-jazz group War won him international renown for over two and a half decades (1969–1993).

Oskar's signature solos helped to define the War sound from the band's beginning in 1969, adding dashes of color to its R&B, jazz, rock, and Latin influences.

Oskar's position with War was a prominent one from its early days with singer Eric Burdon onward."My playing has become more aggressive over the years," he says.

"In the beginning, my role was playing horn lines.

Today, it's evolved to the point where I'm playing a lead instrument.

If I'm not doing a solo, I'm playing counterlines—I try to paint within certain spaces in the music to help create the overall picture."The eclectic, multicultural nature of War's music is also evident in Oskar's solo projects.

Three well regarded albums released between 1976 and 1981 (and recently rereleased on CD) brought critical and popular acclaim including being voted No.

1 Instrumental Artist of the Year for 1976 in not one, but three major industry mags: Billboard, Cashbox and Record World.

The albums, like Oskar's live performances, show the diverse influences of his musicality.

A composer, his compositions have been featured on movie sound tracks and television commercials.

He has been the recipient of many Gold and Platinum recordings and honored with special ASCAP Writing Awards.
Live Recording

Engineers: Neil Schwartz, Chris Huston.

Personnel:
Lee Oskar (vocals, harmonica, bass harmonica, sound effects); Wendy Haas (vocals); Steve Busfield (guitar, mandolin); Robert Vega (guitar, bass); Terry Medeiros, Nito Medina (guitar); Herman Eberitzsch (piano); Greg Errico (drums, synthesizer, percussion, bass, piano, guitar, sound effects); Chepito Area (congas); Monty Stark (bells); Julia Tillman, Maxine Willard, Lonnie Groves, Edna Wright, Jerry Fisher, Connie Fisher (background vocals).

Producers: Greg Errico, Jerry Goldstein, Lonnie Jordan, Howard Scott.Tracks

1 I Remember Home (A Peasant's Symphony): The Journey

2 I Remember Home (A Peasant's Symphony): The Immigrant

3 I Remember Home (A Peasant's Symphony): The Promised Land

4 Blisters

5 BLT

6 Sunshine Keri

7 Down The Nile

8 Starkite


Enjoy!!!!!!!!

24 de fev de 2012

Ronnie Wood "Not for Beginners" (2001)

Coloquei dois comentários sobre a mesma pessoa e o mesmo trabalho só pra vc ter uma idéia de como um pensa diferente do outro, quem dirá milhares!

Este trabalho do Ron eu fiz questão de comprá-lo qdo foi lançado, tava curiosíssimo em saber como ele se sairia um pouco mais velho, mais experiente e solo é claro; mas como de bobo ele não tem nada se cercou só de feras e ainda coloca um desafio na capa: "Not for Beginners" ou seja, se vc gostar vc é bom, senão um mero iniciante que não entendeu sua genialidade.

Gosto dele, de sua postura no palco e de suas atitudes, um camarada que ao passar suas férias em Ilhabela-SP onde tem casa trata a todos com carinho e simpatia.
Não me decepcionei!!!!!!!!!!!!!"Ronnie Wood assumiu a segunda guitarra dos Rolling Stones em 1975 e nunca mais largou.

Tomou conta de uma vaga que anteriormente teve os excepcionais Brian Jones e Mick Taylor e se entrosou tanto com a banda que hoje é inviável pensar em Rolling Stones sem ele.

As combinações de sua guitarra com a de Keith Richards contribuíram decisivamente para a imortalização de clássicos como “Start Me Up” e “She’s So Cold”.

Em carreira solo bem mais discreta do que de seus parceiros Keith Richards e Mick Jagger, Wood reafirma sua vocação para criar riffs emblemáticos.

Not For Beginners segue a linha stoniana de fazer rock impregnado pelas raízes do blues – e sua voz rouca contribui muito para essa associação.

Longe de ser extraordinário, o disco transpira a competência e precisão que os vários anos de estrada lhe deram........"".....Ronnie nasceu na Inglaterra em 1947 como o mais novo filho em uma família artística e musical.

Ele e seus dois irmãos, Ted e Art, foram influenciados pelo pai, Arthur, que tocava em uma banda de 24 instrumentos enquanto os irmãos mais velhos tocavam com as banda 'The Temperance Seven' e 'Alexis Korner's Blues Incorporated'.

Ronnie fez sua estréia aos nove anos tocando washboard com seus irmãos em sua banda de skiffle e nunca voltou atrás.

Ronnie recebeu treinamento formal de arte na Ealing College of Art antes da música tornar-se sua principal influência.

Ronnie acabou sendo um dos 'The Faces' e posteriormente um 'Rolling Stone' garantindo seu lugar no quem é quem do Rock.

Além de guitarra, Ronnie também toca baixo, bateria, saxofone e pedal steel.

Durante sua longa carreira, Ronnie tem tido a oportunidade de tocar com muitos de seus heróis tais como Jerry Lee Lewis, Ray Charles, Fats Domino, Bo Diddley, Chuck Berry, Bob Dylan e the Corrs.

Ele lançou seis álbuns solo e o mais recente, 'Not For Beginners', foi muito aclamado pela crítica........"
Músicos:

Ron Wood - vocals, guitar, producer
Mark Wells - guitar, bass, drums, vocals, producer
Kelly Jones - vocals
Leah Wood - vocals
Bob Dylan - guitar on "Interfere" & "King of Kings"
Scotty Moore - guitar on "Interfere"
Jesse Wood - guitar
Willie Weeks - bass
D. J. Fontana - drums on "Interfere"
Andy Newmark - drums
Martin Wright - drums, percussion, vocals, producer
Ian McLagan - piano on "Interfere"
Ian Jenning - double bass on "Interfere"Músicas:

"Wayside"
"Rock 'n Roll Star" (Chris Hillman, Roger McGuinn)
"Whadd'ya Think"
"This Little Heart"
"Leaving Here" (Eddie Holland, Lamont Dozier, Brian Holland)
"Hypershine"
"R U Behaving Yourself?"
"Be Beautiful"
"Wake Up You Beauty"
"Interfere"
"Real Hard Rocker"
"Heart, Soul and Body"
"King of Kings" (Bob Dylan)

Obs: tb ressucitado de 2009

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!

22 de fev de 2012

Hootie and the Blowfish - Cracked Rear View - (1994) flac

O Hootie and The Blowfish, de Columbia, Carolina do Sul, EUA, é um dos grupos contemporâneos adultos de maior sucesso comercial a emergir na metade dos anos 90.

Milhões de fãs pelo mundo compraram a estréia da banda em um grande selo, Cracked Rear View, e seu retorno em 1996, Fairweather Johnson.

O Hootie and The Blowfish foi formado na Universidade da Carolina do Sul no início dos anos 80 e lentamente conquistou adeptos no sudeste norte-americano através de numerosas aparições em bares e universidades.

Com um som pop-rock melódico - inspirado principalmente pelo R.E.M. e pela Steve Miller Band - a banda foi contratada pela Atlantic Records em 1993, antes mesmo de ter lançado um álbum de longa duração.

Produzido por Don Gehman (que ainda é o único produtor a ter trabalhado com a banda), a estréia em selo grande em 1994 do Hootie - Cracked Rear View - tocou o mundo da música como uma tempestade, alcançando o número um e vendendo quinze milhões de cópias nos EUA.O álbum gerou os sucessos internacionais "Hold My Hand," "Let Her Cry" e "Only Wanna Be With You".

Após ficarem em extensa turnê, o quarteto retornou ao estúdio e gravou em 1996 Fairweather Johnson, que vendeu relativamente meras duas milhões de cópias.

Na primavera de 1998, a banda lança o álbum Musical Chairs e, em outubro de 2000, o álbum Scattered, Smothered and Covered, somente com covers dos artistas favoritos da bandaEsta é a parte técnica do trabalho dos caras que realmente são muito bons e eu os vi pela primeira vez numa apresentação na 54ªAv, e o clima deles é mágico além da voz do Darius ser o diferencial; aliás reza a lenda que Mark ouviu Darius cantando no banheiro da universidade e achou aquela voz absurdamente diferente e o chamou pra montarem uma banda e aí o resto é história...

O Hootie and The Blowfish é formado por:

Mark Bryan (guitarra)
Dean Felber (baixo)
Darius Rucker (voz e guitarra)
Jim “Soni” Sonefeld (bateria)

Tracklist:

1 Hold My Hand
2 Drowning
3 I'm Goin' Home
4 Goodbye
5 Not Even The Trees
6 Look Away
7 Time
8 Running From An Angel
9 Hannah Jane
10 Let Her Cry
11 Only Wanna Be With You

Enjoy!!!!!!!!!!!

21 de fev de 2012

Hey Joe "Jimi Hendrix"



Um presente pros ouvidos cansados, pras almas solitárias e pra aqueles que pensam estar na contramão de tudo como eu.....


Enjoy!!!!!!!!!!!!

20 de fev de 2012

Il Rovescio Della Medaglia - La Bibbia (1971)

Mais um disco progressivo do início dos anos 70 em plena censura e ditadura lá e cá; tanto na Itália qto em terras brasilianas e mais uma vez usando de criatividade dessa banda maravilhosa que supera e consegue distribuir outro de seus manifestos em forma de canção.

Sim, todos sabemos que a época era assim e que em vários lugares músicos e musicas eram contra as guerras, a fome, o petróleo e o escambau a quatro; o negócio era protestar pra alguns deles ( a grande maioria), mas na Itália a repressão era tamanha que pensar já era perigoso e eles ao invés de seguirem o caminho mais fácil, com musiquinhas leves e agradáveis optaram pela densidade dos sons e da potência daquele ritmo.Depois de conhecê-los e entender um pouco mais do momento que viviam e da forma que enfrentavam o poder constituído, tenho orgulho de poder postar algo dessa intensidade e vigor e sabendo que eles eram sim boicotados, perseguidos e até fugiam para circuitos alternativos de vez em quando, mas só de vês em quando, porque enfrentavam até nos maiores festivais tudo e todos e ainda levavam prêmios e sempre bem colocados em suas apresentações.

Em vários locais do planeta repito, até hoje é assim, e muitos usaram codinomes pra lançar musicas, jornais publicavam receitas de bolo por serem censurados e terem suas noticias "deletadas", mas enfrentar mesmo e sem terrorismo ou assassinato de inocentes somente artistas e suas flores, que nessa simples metáfora eu comparo à musica.

Mas claro que não sou o primeiro à usar esse termo de comparação, mas espero não ser o último.

"Pra não dizer que não falei das flores...."

A banda:

Enzo Vita: Guitarras
Pino Ballarini: vocais e flauta
Stefano Urso: baixo
Gino Campoli: bateria

Músicas:
1-Il Nulla
2-La Creazione
3-L'Ammonimento
4-Sodoma E Gomorra
5-Il Giudizio
6-Il Diluvio

Obs: Mas aqui eles não deixaram de fazer uma provocação ao regime fascista narrando simplesmente a bíblia cristã da forma deles em apenas 6 musicas, um show de interpretação.

Postado originalmente em 2009

Gustare!!!!!!!!!!!!

17 de fev de 2012

Il Rovescio Della Medaglia - Io Come Io (1972)

Que tal ouvirmos um disquinho à moda antiga?

Sério, são apenas 04 músicas, aliás, são duas, uma de cada lado e o arquivo é pequeno mesmo não se espante.

Mas como já diz o "velho deitado", tamanho não é documento, e aqui se aplica claramente esta máxima.

Il Rovescio Della Medaglia de nada nada 1972 é algo que podemos chamar de pioneiros do progressivo; algo rústico, algo seco e sem ainda aquela sonoridade que nos acostumamos a ouvir mais pra frente um pouco com a entrada de toda aquela parafernália eletrônica.Talvez por isso mesmo eu tenha uma certa predileção por esses sons, é que são mais crus, mais "na mão mesmo", com microfones de qualidade inferior, sem aparatos e overdubs(argh) e na realidade como vi nos anos 70 nascer; o nosso "Som Nosso de Cada Dia".

Seco, na marra, mas muito bom e muito visceral.

São bandas que não fazem parte do panteão musical porque simplesmente não tínhamos contato com a Europa naquela época como já citei em outros posts e claro a maioria sabe; éramos bombardeados por sons (bons e ruins)vindos dos Eua principalmente.

Quem conseguia esse contato e dividia nos maravilhava com o que já acontecia na França, Itália, Espanha mais pra frente e em menor quantidade e nos abria um novo mundo de sons e criatividade.A banda:

Enzo Vita: guitarra
Pino Ballarini: vocais e flauta
Stefano Urso: baixo
Gino Campoli: Bateria
Franco Di Sabbatino: Teclados
Luis Enriquez Bacalov: TecladosFaixas:
1-Io
2-Fenomeno
3-Non Io
4-Io Come IoEspero que gostem do disquinho, porque me lembrei quando ia buscá-los em casas de amigos ou lojas escondidas do grande público e vinha lendo de "cabo a rabo" capa e contra capa, as informações internas, enfim absorvendo antes de ouvir aquela atmosfera até mágica de mais um vinyl pra minha coleção.

Obs: Post original de 29/04/09

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

14 de fev de 2012

Santana "Brothers" By PRB

Hi, Dead!

procurando nos arquivos mutantes por Santana, achei dois posts maravilhosos deste cara inclassificável e dono de um som inconfundível, lembrei de um trabalho pouco conhecido ou comentado na web, trata-se de Brothers.

Onde seu irmão Jorge e seu sobrinho Carlos Hernandes fazem um verdadeiro estrago.

segue aí o link, se interessar faça bom uso dele.

saudações,

do amigo e admirador:

PRBSantana Brothers é um álbum lançado em 27 de setembro de 1994 por Carlos Santana, seu irmão Jorge Santana e seu sobrinho Carlos Hernandez.

O álbum chegou à 191ª posição na parada da The Billboard 200.Luz Amor Y Vida" was nominated for Best Rock Instrumental Performance in the 37th Annual Grammy Awards.

Carlos comes together with his brother Jorge and their nephew Carlos Hernandez to tear it up family-style on their monster guitar opus, BROTHERS.

Released on Carlos's Guts & Grace imprint, BROTHERS is a relentlessly fiery barrage of hard, prog-guitar textures and grooves.

Several of the cuts were co-written by Jorge, who is a prodigious guitarist-composer in his own right.

For a rare and exciting change, the elder Carlos of the ensemble tries his hand on the drums (overdubbed), upping the ante on the thunderous "Transmutation/Industrial," which features all three six-stringers with their amps cranked to 11.

The three again duel it out on the frantic, two-toned "The Trip," which affords a fun look at where their personal styles meet and diverge.

"Thoughts" is a brisk metallic-melodic jaunt a la Steve Vai, penned by and featuring nephew Carlos on guitar with spare backup from the band's rhythm section.

Jorge's gentle and lonely solo treatment of the misty instrumental "Morning in Marin" evokes the spirit of Stevie Ray Vaughan, or perhaps the young Ritchie Valens on "Sleepwalking."Recorded at Plant Studios, Sausalito, California.
Includes liner notes by Hal Miller.

Santana Brothers:
Carlos Santana (guitar, drums, percussion); Jorge Santana, Carlos Hernandez (guitar).

Personnel:
Carlos Santana (guitar, drums, percussion);
Carlos Hernandez, Jorge Santana (guitar);
Karl Perazzo (drums, congas, timbales, percussion);
Walfredo Reyes (drums).

Audio Mixers: Devon Rietveld; Jim Gaines.

Liner Note Author: Hal Miller.

Recording information: Plant Studios, Sausalito, CA.

Additional personnel:
Chester Thompson (keyboards);
Myron Dove (bass);
Walfredo Reyes, Billy Johnson (drums);
Karl Perazzo (drums, congas, timbales, percussion).Entertainment Weekly (10/7/94, p.76) - "...wordless wallpaper: psychedelic blues solos over Caribbean congas, sometimes mellifluous, often mellow..."
- Rating: B-

Q (11/94, p.124) - 3 Stars - Good - "...a rolling groove of languid Latin percussion and chintzy keyboard beds...Wildly indulgent..."

Down Beat (1/95, p.44) - 3 Stars - Good - "...BROTHERS features impressive pop-rock guitar interplay, especially when the two brothers talk to each other with their axes....shows promise for future Santana family projects..."

Jazziz (6/95, pp.98-100) - "...This mostly instrumental album features the elder Santana's distinct tone--a fluid wall comfortable in both jazz and rock--and Jorge's more subtle approach....BROTHERS is as splendid as instrumental jazz-rock gets."Tracks:
1."Transmutation/Industrial" (Santana, Santana)
2."Thoughts" (Hernandez)
3."Luz Amor y Vida" (Santana)
4."En Aranjuez Con Tu Amor" (Rodrigo)
5."Contigo (With You)" (Santana, Santana)
6."Blues Latino" (Hernandez, Santana, Santana)
7."La Danza" (Hernandez, Santana, Santana)
8."Brujo" (Hernandez, Santana)
9."The Trip" (Santana, Santana)
10."Reflections" (Santana)
11."Morning in Marin" (DeAndrade)

Enjoy!!!!!!!!!!!

13 de fev de 2012

Tenham todos uma boa semana......



Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!

10 de fev de 2012

Almendra "Almendra" (1968/69/70 vinyl rip)

Link Atualizado graças ao blog Mis Discos Viejos e como muitos links estão rodando diariamente, trouxe somente pra aqueles que estão procurando no blog e o post está caído.

Fico triste tb, como disse só em um lugar foram 10 gbs de arquivos, em outro quase isso e assim por diante, não dá nem pra saber o que rodou, conforme vou achando dou um jeito.

Nesse caso foi o mais rápido pra satisfazer o gosto de quem não pegou à época em 12/09/09 e depois 25/08/10 ou simplesmente quer conhecer devido a partida recente de Spineta.

Mas vale a pena ter o disco na íntegra como disse o meu ganhei do Omar mas nesse momento não está comigo como muitos outros discos raros que tenho.

Postagem Original
Tá bom já sei, eu sempre repito isso, ok!!!

Mas música pra mim só tem dois tipos: Boa ou Ruim!

Graças ao post do Órion's Bethoven,a curiosidade e a vontade de vários amigos em comentar sobre a sonoridade e o estilo do som latino despertou por aqui e é realmente muito bom.

Aqui está uma colaboração do Omar que já é um belo fruto, com um disco de "só" 40 anos atrás, e claro que alguns poderiam dizer "que velharia" mas os mesmos não dizem do Zep, dos Stones, do Purple, do Who.

Mas qdo são outros que não os "carimbados" que sempre saem aos montes em tudo que é tipo de blog, aí os caras se acham prq sobram comentários do tipo "que aquela enésima versão daquela mesma centenária música é o "máximo" e etc e etc; e estamos todos baixando ó iluminado postador!!!!

Eu continuo sem luz mesmo e indo na contra mão prq sou do contra e gosto de conhecer, ouvir, e saber de onde veio tal coisa e de onde saiu outra, enfim, quero aprender e tirar minhas próprias conclusões e não receber pronto dos outros que vieram antes de mim e que até menos sabem.

Ainda outro dia uma amiga me disse: "Nossa essa música de tal banda é até legal né? e eu falei : essa música não é deles, eles regravaram um sucesso de tal dos anos 50; ela me olha espantada e me diz: e vc lá conhece ".........." pra falar uma besteira dessa?"

Bom me restou o silêncio e seguir em frente, ou melhor, em frente pra mim e na mão contrária pra outros, rs

Obs:Este post havia sido feito em 12/09/09, mas depois que estreitamos nossos laços, o Omar me presenteou com uma jóia original compilando os 03 anos citados da banda com as 20 músicas abaixo.

Por isso mereceu a repostagem prq é um trabalho realmente muito bom e como já disse, nem imaginava que tão perto tinha tanta coisa boa como venho acompanhando, sei que na adolescência se entrasse mais informação o cérebro fritaria, só que valeria a pena,rs
.Los cuatro integrantes de la banda eran compañeros del Instituto San Román. De la unión de las bandas Los Sbirros y Los Larkings (formadas por compañeros de distintas divisiones) nació Almendra allá por 1967. Este grupo es considerado miembro de una trilogía inicial del rock argentino, junto a Los Gatos y a Manal.
El primer simple, "Tema de Pototo" / "El mundo entre las manos", fue lanzado en septiembre de 1968 y la repercusión inmediata provino del estilo refinado, los arreglos vocales poco comunes y la poesía lírica de las letras, que contrastaban con los estribillos del beat de moda.
Los primeros shows fueron en Rosario y Córdoba, acompañando a Johnny Tedesco. «Nos mandaban a tocar a clubes donde la gente quería ver a Los Iracundos o a Jolly Land y nosotros ibamos vestidos con camisetas, cuando los otros tipos iban con trajecitos de lamé y corbatita. (...) Para nosotros era como una cruzada abriendo orejas», relata Del Guercio (E.Abalos, pag 100).En 1969 llegó la consagración, con innumerables presentaciones en vivo, entre las cuales sobresalen la temporada veraniega en Mar del Plata, el Festival de la Canción de Lima, Perú, y el Festival Pinap, organizado por la revista homónima.

Todo este éxito los catapultó a grabar el primer LP ("Almendra", 1969) y, casi inmediatamente, el segundo disco, de doble duración, en 1970.
Esta repercusión repentina los condujo a interminables giras y shows, que desgastaron la relación entre los músicos.

A fines de 1970, Almendra se disolvía.
Una de sus últimas presentaciones fue en el B.A.Rock de ese año, ante 10.000 personas. «La vida de Almendra fue corta pero muy intensa -comenta Del Guercio-.
Igual fue un corte medio abrupto para la gente, porque cuando nos separamos se estaba generando cada vez más adhesión hacia nosotros» (E.Abalos, pág 102).En diciembre de 1979 se produjo el reencuentro. A instancias del productor Alberto Ohanián se organizaron dos presentaciones en el estadio de Obras (en los cuales se regitró un disco en vivo y se filmó para una película que nunca llegó a compaginarse) y una gira nacional que abarcó las grandes ciudades del interior. La prensa especializada calificó despectivamente al regreso de Almendra como "comercial".

Almendra tuvo un segundo regreso hacia fines de 1980, cuando grabaron "El valle interior" y lo presentaron en Obras los días 7 y 8 de diciembre como prólogo a una gira nacional. La última presentación fue en el Festival de La Falda, el 15 de febrero de 1981.
Credits

Bass, Flute, Vocals - Emilio*
Drums, Piano, Vocals - Rodolfo*
Guitar, Arranged By - Rodolfo Alchourron (tracks: 9)
Guitar, Organ, Vocals - Edelmiro*
Organ - Santiago Giacobbe (tracks: 4)
Vocals, Guitar, Harmonica - Luis Alberto*

Notes
Includes 6 first singles, plus "Almendra" original album, plus 5 bonus tracks.
Originally released between 1968 & 1970.
CD Sized Album Replica.

Tracklist
1 Tema De Pototo Written-By - Luis Alberto Spinetta
2 El Mundo Entre Las Manos Written-By - Luis Alberto Spinetta , Rodolfo Garcia
3 Hoy Todo El Hielo En La Ciudad Written-By - Luis Alberto Spinetta
4 Campos Verdes Written-By - Carlos Emilio Del Guercio* , Luis Alberto Spinetta
5 Gabinetes Espaciales Written-By - Luis Alberto Spinetta
6 Final Written-By - Luis Alberto Spinetta
7 Muchacha (Ojos De Papel) Written-By - Luis Alberto Spinetta
8 Color Humano Written-By - Edelmiro Molinari
9 Figuración Written-By - Luis Alberto Spinetta
10 Ana No Duerme Written-By - Luis Alberto Spinetta
11 Fermin Written-By - Luis Alberto Spinetta
12 Plegaria Para Un Niño Dormido Written-By - Luis Alberto Spinetta
13 A Estos Hombres Tristes Written-By - Luis Alberto Spinetta
14 Que El Viento Borro Tus Manos Written-By - Carlos Emilio Del Guercio*
15 Laura Va Written-By - Luis Alberto Spinetta
16 Hermano Perro Written-By - Luis Alberto Spinetta
17 Mestizo Written-By - Edelmiro Molinari
18 Toma El Tren Hacia El Sur Written-By - Luis Alberto Spinetta
19 Jingle Written-By - Luis Alberto Spinetta
20 Rutas Argentinas Written-By - Luis Alberto Spinetta

Enjoy!!!!!!!!!!!!!

9 de fev de 2012

Luis Alberto Spinetta "Almendra" by Omar

Para Luis Alberto

Hoje estou de duelo,um caro amigo foi embora,por ele eu fui hippie,por ele fiquei cantando hasta o sol raiar em praças solitárias,por ele procurei sem descanso a minha" muchacha con ojos de papel",graças a ele acreditei e defendi a nossa música,quantas coisas eu fiz por vc,querido Flaco.

Hoje junto con vc meu amigo morre um pedaço da minha juventude e por esso eu choro.

Provavelmente agora será valorado em toda a tua magnitude,mais já e tarde,em estas horas estarás brincando em tu mundo mágico cheio de luzes,cores e poesia.

Segundo os jornais tinhas câncer de pulmão,eu sei que esto é mentira,na verdade estavam crescendo a tuas assas.

Omar

(Se quiser jogar no blog pode,e apenas uma singela homenagem)

Estou muito triste
BjsNo final da noite desta quarta-feira (8), a notícia enfim foi divulgada na imprensa hermana: morreu um dos pioneiros do rock da Argentina, LUIS ALBERTO SPINETTA.

O vocalista, guitarrista e compositor de duas das bandas mais importantes do país – Almendra e Pescado Rabioso – lutava contra um câncer de pulmão. Ele chegou, inclusive, a ter alta médica antes do Réveillon de 2012, mas foi acometido pela doença de vez e não resistiu.Sobre el Flaco

Luis Albertos Spinetta es considerado uno de los más importantes músicos del rock Argentino. Desarrolló obras de gran complejidad tanto instrumental, lírico y poético, por lo que es también conocido en Latinoamérica y en el mundo. Entre sus éxitos pueden encontrarse Muchacha (ojos de papel), Rutas Argentinas, Me gusta ese tajo, A estos hombres tristes, Plegaria para un niño dormido, Durazno Sangrando, Ana no duerme, entre otros temas.
En sus letras hay influencia de escritores, poetas, artistas y pensadores como Rimbaud, Vincent Van Gogh, Carl Gustav Jung, Sigmund Freud, Friedrich Nietzsche, Foucault, Deleuze, Carlos Castañeda y Artaud, el cual incluso lleva un disco con su nombre.
El 21 de julio de 2009, fue galardonado con el Gardel de Oro por CAPIF (la cámara de productores fonográficos) a partir de su disco Un mañana, que también se llevó los galardones a Mejor Álbum Artista de Rock; Mejor Diseño de Portada; Mejor Video Clip; Canción del Año y Álbum del Año.El 4 de diciembre de 2009, festejó sus 40 años de trayectoria con un mega recital de cinco horas y media en el que reunió a todas las bandas de su carrera.


Obs:
Caraca, parece que todo mundo bom tá indo embora, que saco, assim nem com servidores funcionando a mil saco; divido sua dor Omar, prq aprendi a conhecer o Almendra por suas mãos e outros tantos, mas ele é impagável e simplesmente genial.

Dói sim, sei lá pra quem não entende de sentimentos pode achar frescura, mas a alma de quem ama o som e a música sente a partida de um amigo, companheiro de tantas horas; sempre em busca da essência meu irmão, sempre.

Enjoy!!!!!!!!!