30 de mai de 2014

Jeff Beck, Tim Bogert & Carmine Appice - The Working Version

Mais um rascunho tirado do baú do Dead________________________________
22/11/2008B.B.and A. - "Working Version"

Este é aquele tipo de postagem feito à várias mãos......
Como já contei em posts anteriores, quando a internet engatinhava (hum , essa doeu!!!), e o vinil dava seus últimos suspiros e começavam à chegar ao mercado a mídias digitais, muita coisa boa e ruim circulava pelo mundo afora em bolsas e sacolas e dentro de casacos; porque a preocupação da época era com os impostos e não com terrorismo......bons tempos aqueles!!!
Bem...., antes e depois dessa época eu tive a felicidade de ter acesso à muita coisa original e outras nem tanto, alguns em vinil ainda e outros já digitalizados, mas as vezes de qualidade precária, mas que valiam pelo registro histórico.
Procurando em meu porão e também fuçando no sótão, encontrei de canto um cd sem nome, sem data "sem eira nem beira" como diriam os lusitanos e aí fui fuçar porque "a curiosidade matou o gato"(se alguém souber porquê por favor me ajude ok?) e qual não foi minha surpresa ao encontrar vários discos gravados nele e um especificamente me chamou a atenção.
Digo aqui que não sou dos mais fanáticos fãs de Jeff Beck, mas não sou louco em não reconhecer seu talento e sua história e ao ver o símbolo "BBA" escrito à mão ainda pensei:
- Deve ser uma josta!!!
E ao abri-lo encontrei o nome "workin version" e fui atrás de informações. Aí comecei a ver que seria mais difícil que imaginava pois não achava nada à respeito, mas o trabalho estava em minhas mãos....será que estava errada a marcação?
Será não tinha nada à ver com os caras?
Bem, e fuça daqui e fuça dali, convoquei à alta-cúpula do conselho aqui no "Hospício Geral" e claro, não encontrei quase ninguém(vc já viu doido de pedra reunido pra alguma coisa?) mas o maninho Michel (de novo em meu socorro!!) disse conhecer este trabalho e que inclusive ele o possuía com 14 faixas (Opa!!!!); o meu só tinha 09 faixas.
Bem enquanto discutíamos o dilema ele me passou as artes do álbum, inclusive autografadas pelos caras e me contou que esse foi aquele trabalho que não foi....
O quê?????
-É Dead, me dizia do auto de sua sabedoria ao reles mentecapto aqui, este disco era pra ser o segundão, mas eles se separaram antes e não foi
....pausa para uma reflexão.....

"Ainda em 1973 o trio lançaria um disco ao vivo gravado no Japão, outro clássico irretocável, e começava os preparativos para a gravação do segundo trabalho, mas os planos foram abortados com a decisão de Jeff Beck de iniciar a sua carreira solo"Obs: Comentário da época escrito não sei aonde por não sei quem, me perdoem....!!!


Nisso, a minha internet ainda à lenha precisou da colaboração de minha querida Luciana Aun, agora interna aqui na ala feminina junto à Lais; que baixava o que o mano Michel postava e me repassava em partes (ô saudade que deu da internet discada, tava melhor que a minha!!!!) e ainda tentei convencer o maninho à postar o trabalho dele que seria mais completo, mas que nada, ele não arredou pé e determinou que eu fizesse o post do "original não original" e o dele com algumas versões "ao vivo" viria em outra época.
Ufa!!!!!
Se você chegou até aqui na leitura, você merece possuir este belíssimo trabalho e raro até na arte autografada e tudo; mas repito que isso não iria ser possível sem a total colaboração do Michel, da Lú, do Dione e do "maluco beleza" RaKan e da Véia Doida que detonou tudo à nossa volta experimentando sua nova aquisição: Uma Bazuca!!!! mas que nos protegeu até o fim, pra que o trabalho chegasse até vc.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Download


ÀS 2:18 PM
_________________________________________

26 de mai de 2014

Rick Wakeman & Jon Lord... Face to Face


Para complementar o post anterior, mais dois magos dos teclados tocando juntos... Este encontro realmente aconteceu, em 2011. 

Texto a seguir retirado de ( http://jonlord.org/2011/07/09/lord-wakeman-world-premiere-at-sunflower-jam/ )

"The Sunflower Jam 2011 will be remembered for one of Jon Lord’s most rewarding appearances of 2011 – musically daring and performed with sharp excellence.
On an evening already rife with musical talent, Jon Lord shared the stage with Rick Wakeman for the pair’s brand new composition It’s Not As Big As It Was (allegedly about the music biz although it was preceeded by jokes about old age and prostate problems). This was without a doubt The Sunflower Jam’s musical crown jewel benefitting the good cause of helping children suffering from cancer. Donations are still welcome." 


This is Rasmus Heide’s report:
Jon Lord appears onstage after almost an hour of excellent music from the likes of Danny Bowes (Thunder), Gary Brooker, Joe Bonamassa and Newton Faulkner. These gentlemen (and woman) have entertained the crowd with blues and rock classics that fare very well, particularly Gary Brooker’s rendition of A Whiter Shade of Pale and Joe Bonamassa’s Thrill is Gone. However, Jon will proceed to seize the show and push up the excitement level several  notches.

“One of the greatest keyboardists in rock’n’roll, Mr. Jon Lord!” Joe Bonamassa introduces the maestro and kicks off a slowly evolving Ballad of John Henry. Bonamassa’s bluesrock signature tune is the perfect choice for the two masters to pool their forces. Building its riff to a roar before dipping to the verse – and then lifting itself up to the menacing chorus, Jon’s swirling Hammond backdrop has touhes of the quietly contemplative work he did for the band Ride some years ago.


Standing at the edge of the stage – having pushed the organ chair to a side – Jon is in great shape and form; focused and well prepared for what will turn into an absolute musical feast celebrating almost every aspect of his musical prowess – and in the stately old Royal Albert Hall where his work first came to prominence in 1969 – and again in 1999.

Bonamassa’s John Henry is taken down to a shimmer and Bonamassa steps up to the theremin to make it squeal eerily to the fascinated crowd – until Jon Lord gently takes over. His solo is stormy and intense, developing to a massive Hammond crescendo full of his trademark wails and runs. Bonamassa moves closer and teases Jon into a guitar-organ chase the likes of which we’ve not heard for nearly 20 years… Majestic and spine-shivering.


Thanking Bonamassa, Jon introduces the next piece as Bourree from his Sarabande album. The contrast is tangible. With the evening’s musical director Paul Wickens on synthesizer, Jon handles piano and then Hammond for the solo. Anna Phoebe adds a particularly mean solo violin to the piece, expanding again the range of musical flavours of an already boundary pushing evening.

“I’ve got a big ask of you. Not a big ass – although it used to be bigger – but a big ask. Into every show a quiet song must fall,” explains Jon Lord before presenting ”the rather wonderful” Steve Balsamo to sing Jon’s most popular solo piece. Balsamo delivers a particularly tender and confident Pictured Within – in his element, gazing out at the crowd, inspiring pin drop silence. Lacking the sweeping string section of its standard orchestral arrangement, in its place Anna Phoebe displays immaculate delicatesse on her fiddle. The piece is a gorgeous contrast to the previous rackets and again, Jon Lord’s musicality proves its extraordinary range.

Palhinha:




E o álbum...





The Sunflower Jam
Royal Albert Hall
London
England
07/08/2011

1 Who Killed John Henry (Joe Bonamassa, Jon Lord, Sunflower Band)
2 Bouree (Jon Lord, Anna Phoebe, Sunflower Band)
3 Pictured Within (Jon Lord, Steve Balsamo, Anna Phoebe, Paul Wickens)
4 Eleanor Rigby (Rick Wakeman)
5 It’s Not As Big As It Was (Jon Lord, Rick Wakeman, Sunflower Band)
6 Life on Mars (Jon Lord, Rick Wakeman, Newton Faulkner, Anna Phoebe, Sunflower Band)

Sunflower Band:
Paul Wickens – keyboards
Murray Gould – guitar
Micky Moody – guitar
Nick Fyffe – bass
Jerry Brown – drums

22 de mai de 2014

Keith Emerson playing...


Keith Emerson indiscutivelmente é um dos melhores tecladistas. Entre os grandes magos, Rick Wakeman, Jon Lord, Chick Corea e George Duke, este ex-integrante do ELP tem seu lugar garantido e com menções honrosas. Seu legado é considerado uma obra prima do Rock Progressivo e todas as parcerias que realizou após o ELP, apenas acrescentaram Master Pieces ao seu acervo.

No post do Greg Lake, há alguns dias atrás, foi mencionado como ficou legal o som do ELP com a guitarra de Gary Moore. CARLOS, um grande contribuidor do DOA - Som Mutante enviou mais duas pérolas, reunindo Keith Emerson com Marc Bonilla e John Entwistle...


Palhinha com Marc Bonilla

Palhinha com John Entwistle:


Seguem os dois álbuns:


This musical release from keyboardist Keith Emerson captures a live performance recorded in Russia at the Moscow Theatre in 2008, while accompanied by the Keith Emerson Band, and joined by renowned guitarist Marc Bonilla.



The Best was a short-lived supergroup featuring Keith Emerson (of Emerson, Lake & Palmer) on keyboards, John Entwistle (of The Who) on bass and vocals, Joe Walsh (Eagles, James Gang, and solo fame) on guitar and vocals, Jeff "Skunk" Baxter (Steely Dan, the Doobie Brothers) on guitar, and Simon Phillips (the Jack Bruce Band, 801, the Jeff Beck Group; later of Toto) on drums. Relative unknown Rick Livingstone sang lead vocals (along with Walsh and Entwistle). Backing vocals were provided by Hamish, Angus and Fergus Richardson of the band Brother.


15 de mai de 2014

Johnny Winter: Blues


John Dawson Winter III, mais conhecido como Johnny Winter (Beaumont, Texas, 23 de fevereiro de 1944) é um guitarrista e cantor de blues norte-americano. É irmão de Edgar Winter. Johnny começou a se apresentar ainda jovem com seu irmão Edgar Winter, que, assim como ele, é albino. Seu primeiro disco (School Day Blues) foi lançado quando Winter tinha 15 anos de idade. Em 1968 ele começou a tocar em um trio com o baixista Tommy Shannon e o baterista Uncle John Turner. Um artigo na revista Rolling Stone ajudou a gerar interesse no grupo. O álbum Johnny Winter foi lançado no final do ano. Em 1969 o trio se apresentou em vários festivais, incluindo Woodstock.


Em 1973, depois de se livrar das drogas, Winter retornou em forma com Still Alive and Well. Em 1977 ele produziu o álbum Hard Again de Muddy Waters. A parceria resultaria em várias indicações ao Grammy, e Johhny gravou o álbum Nothing But Blues com os integrantes da banda de Muddy. Em 1988 ele foi incluído no "Hall da Fama do Blues". Em 2012, foi considerado o 63º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.


Saints & Sinners is the sixth studio album by Johnny Winter, released in 1974.


11 de mai de 2014

Cozy Powell - A Helluva Drummer


Cozy Powell (Cirencenter, Gloucestershire, 29 de Dezembro de 1947 — Bristol, 5 de Abril de 1998) foi um renomado e aclamado baterista britânico. Muito solicitado em gravações de pop e rock, Cozy Powell foi quase uma lenda no estilo pesado de tocar bateria, tocando ao lado de nomes como Rainbow, Whitesnake, Mickie Most, Black Sabbath, Keith Emerson, Greg Lake (Emerson, Lake & Powell), ou mesmo no seu trabalho solo, como o single "Dance with the Devil", que foi seu maior hit no Reino Unido, em 1974.

Powell começou sua carreira profissional em 1965 com o The Sorcerers, eventualmente tocando com Jeff Beck, depois que este deixou o Yardbirds. Em 1971, formou a Bedlam, chegando a lançar um álbum, mas abandonou este projeto para produzir singles, como o "Dance with the Devil", faixa instrumental que chegou à 3ª posição no Reino Unido em 1974. Mais tarde ele formou o Cozy Powell's Hammer, que rompeu-se em 1975. Em 1975 se juntou ao Rainbow, do guitarrista Ritchie Blackmore, ficando até 1980. Sempre muito requisitado, ele alternava seus trabalhos entre seções de estúdio e concertos ao vivo com uma grande variedade de bandas como o Michael Schenker Group, Whitesnake e Black Sabbath, nunca permanecendo em nenhuma banda por muito tempo. Em 1996, ele trabalhou numa longa turnê com o Fleetwood Mac.

Em abril de 1998, Cozy Powell havia abandonado uma turnê com Yngwie Malmsteen por ter machucado o pé. Pouco tempo depois, em 5 de Abril, Cozy morreu num acidente de automóvel enquanto dirigia seu carro, um Saab 9000, a cerca de 170 km/h sob chuva, na rodovia M4 próximo à cidade de Bristol, na Inglaterra. De acordo com uma reportagem da BBC, no momento do acidente o índice alcoólico de Cozy estava acima do limite permitido. Ele não usava cinto de segurança e conversava com sua atual namorada, Sharon Reeve, no telefone celular.

Drum Solo de Cozy Powell:






7 de mai de 2014

Dánae - Progressivo Argentino


Um grande som progressivo de nossos Hermanos argentinos. Não é de hoje que a Argentina apresenta bandas fantásticas, de cair o queixo com o som, a técnica, a precisão e qualidade instrumental. Segue mais uma, que o Ricardo tem a generosidade de nos presentear.

"...O Dánae está na estrada desde 1979, mas lançaram apenas dois álbuns de estúdio. O primeiro, em 2004 (Dánae) e o segundo em 2013 (Medusa) e que mostra bem a disposição deste grupo.
Não há destaque para nenhum instrumento. Tocam em harmonia e cada um sabe o que tem que fazer para alcançar o resultado. Os melhores trabalhos instrumentais são assim, o resultado de um todo, sem estrelismo e sem exageros. Apenas música pela música, sem fronteiras.
O grande barato de ouvir algo desconhecido é justamente a surpresa pelo que vem depois e minha dica é essa..."

Um resumo do velho e bom ProgArchives http://www.progarchives.com/artist.asp?id=7264 ):
Dánae biography
Formed in 1979 with RUSH, YES, LED ZEPPELIN and DEEP PURPLE plus national hero act CRUCIS, DÁNAE is an Argentinean instrumental quartet with a very long experience in the underground rock scene of Rosario (Santa Fe), and yet, a very minimal discography so far. DÁNAE band kept itself quite busy during the 80s displaying its powerful sound based on the dual guitars' interplaying and the construction of a robust rhythm section: with a reasonable amount of complexity and lots of stamina, DÁNAE built and established a style on the heavy side of progressive rock, without letting go of the melodic and bombastic elements of standard progressive symphonic rock. Eventually, the band's activity diminished in favor of its individual members' other interests and jobs, and so it dissolved in the early 90s. 
But, again, the unpredictable winds of change brought a new era for DÁNAE when it reformed in the year 2000: with the original energy fully reborn, the band managed to record its self-produced namesake debut album in 2004, at "Del Camote Records" Studios. For the time of the album's debut, the foursome presented it at the Funes venue, in the context of the celebration of Rosario's 130th anniversary. As the new millennium goes through its second decade, DÁNAE finds itself busy, on and off, compiling old material that didn't make it in the first album and writing new material in order to complete the repertoire for an eventual sophomore release. And, of course, performing live whenever the occasion rises. 

Palhinha:



Nota: O arquivo está compactado em 192 kbps. Trata-se somente de uma amostra para divulgar o trabalho do artista, sem pretender substituir ou alcançar a qualidade do álbum original.

O álbum Medusa foi lançado em 2013 pelo grupo Dánae. É sonzeira de primeira, mesclando um fusion bem temperado com prog com uma dose de heavy. É um trabalho instrumental com um conjunto bem arranjado aonde cada instrumento  fala por si e dispensa refrões. 

O competente conjunto é formado por:
- Marcelo Lopez / guitarra
- Roberto Ferraris / bateria
- Guillermo Torres / baixo
- Pablo Lopez / guitarra


Esta é a página do grupo: http://danaerock.blogspot.com.br/



3 de mai de 2014

Greg Lake & Gary Moore Together


Este é um post bem das antigas do Som Mutante. Ele data de 2008, um dos primeiros post do DOA, e por algum mistério, não chegou a ser publicado. Trata-se de uma união bem única... Um Bluesman com um ícone do Prog... Ao ouvir a guitarra de Gary Moore substituindo os solos de Keith Emerson, confesso que fiquei muito surpreso, pois não achava isso possível. Sempre tive a curiosidade de ver/ouvir ELP com guitarra, e esta união deu uma pequena amostra disso... Segue o post do Dead, na íntegra:
_________________________________________

24/09/2008

Gary Moore feat. Greg Lake

Bem, se vc for fuçador e procurar vai achar algo talvez relativo à isso; esta união fantástica que rendeu alguns shows realmente maravilhosos.
Mas........
Neste caso esse é um daqueles cds que vc acha naquelas bancas no fundo de uma loja que está vendendo qqr porcaria que esteja fazendo sucesso no momento; o que foi meu caso à época, ao notar uma capinha muito xumbrega com a foto dos dois e o título acima.
Bem, conhecendo um pouco da discografia de cada um e olhando os detalhes, dá pra perceber que é aquilo que sobra em gravadoras; que repassam pra outras e mais outras e de repente alguém publica sem nenhum critério de data; de onde saiu tal música; quem tocou nas mesmas, etc e tal. Um encarte bem pobre como tudo que vêm dessas pseudo gravadorazinhas.
Acontece, que sou meio maluco e banquei a aposta (R$10 contos,ré,ré,ré), e qual não foi minha surpresa ao ouvir um Gary Moore em vários estágios de sua carreira, inclusive qdo começou a cantar pois não achava alguém que o agradasse. E como cantava mal....
Mas o melhor estava por vir, as quatro últimas músicas é que são relativas aos dois juntos em um show qqr de uma época qqr em um lugar qqr; e aí é que me vi frente a frente com dois gênios da música mundial num concerto fantástico!!!!!! Very,very,beautiful; inclusive qdo dividem seus sucessos maiores: Lucky Man com solo de guitarra ao invés dos teclados de Keith Emerson (até onde sei, isso não é comum...) e Parisienne Walkways com os vocais de Greg Lake ( e dá pra perceber que Gary arregaça sua guitarra, porque estava com um dos maiores vocalistas do mundo cantando sua música preferida). Chega de papo furado, acredito que vc vá gostar.

obs: A foto acima nada tem a ver com o albúm, a "capinha" vai junto, rs.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Download
____________________________________________


King Biscuit Flower Hour Presents Greg Lake in Concert is a live album recorded by Greg Lake live in concert on November 5, 1981. It was recorded at the Hammersmith Odeon in London, England and aired on the King Biscuit Flower Hour radio broadcast. It was first released on CD in 1995. Recording mastered at PolyGram Studios. The CD was mastered at Dolphin Studios.

Tracks:
1. Fanfare For The Common Man / Karn Evil 9 (6:11)
2. Nuclear Attack (5:45)
3. The Lie (4:33)
4. Retribution Drive (5:41)
5. Lucky Man (4:50)
6. Parisienne Walkways (6:03)
7. You Really Got A Hold On Me (5:25)
8. Love You Too Much (5:03)
9. 21st Century Schizoid Man (9:06)
10. In The Court Of The Crimson King (5:39)

Musicians:
Greg Lake - Lead Vocals, Guitar
Gary Moore - Vocals, Lead Guitar
Tommy Eyre - Vocals, Keyboards
Ted McKenna - Drums
Tristram Margetts - Bass