Mostrando postagens com marcador Guitar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guitar. Mostrar todas as postagens

28 de jun de 2016

50 Years of RY COODER


Ryland Peter "Ry" Cooder (born March 15, 1947) is an American musician, songwriter, film score composer, and record producer. He is a multi-instrumentalist but is best known for his slide guitar work, his interest in roots music from the United States, and his collaborations with traditional musicians from many countries. Cooder's solo work has been eclectic, encompassing many genres. He has collaborated with many musicians, notably including Captain Beefheart, Ali Farka Touré, Eric Clapton, The Rolling Stones, Van Morrison, Neil Young, Randy Newman, David Lindley, The Chieftains, and The Doobie Brothers, Carla Olson & the Textones (both on record and in film). He briefly formed a band named Little Village. He produced the Buena Vista Social Club album (1997), which became a worldwide hit. Wim Wenders directed the documentary film of the same name (1999), which was nominated for an Academy Award in 2000. Cooder was ranked eighth on Rolling Stone magazine's 2003 list of "The 100 Greatest Guitarists of All Time" (David Fricke's Picks). A 2010 ranking by Gibson placed him at number 32.





50 Years- The Very Best of Ry Cooder (1965-2015)







24 de abr de 2016

Terje Rypdal - Norwegian Jazz


Terje Rypdal (born 23 August 1947) is a Norwegian guitarist and composer. Most of his music has been released on albums of the German record label ECM. Rypdal has collaborated both as a guitarist and as a composer with other ECM artists such as Ketil Bjørnstad and David Darling. Over the years, he has been an important member in the Norwegian jazz community, and has also given show concerts with guitarists Ronni Le Tekrø and Mads Eriksen as "N3". Rypdal was born in Oslo, the son of a composer and orchestra leader. He studied classical piano and trumpet as a child, and then taught himself to play guitar as he entered his teens. Starting out as a Hank Marvin-influenced rock guitarist with The Vanguards, Rypdal turned towards jazz in 1968 and joined Jan Garbarek's group and later George Russell's sextet and orchestra. An important step towards international attention was his participation in the free jazz festival in Baden-Baden, Germany, in 1969, where he was part of a band led by Lester Bowie. During his musical studies at Oslo university and conservatory, he led the orchestra of the Norwegian version of the musical Hair. He has often been recorded on the ECM record label, both jazz-oriented material and classical compositions (some of which do not feature Rypdal's guitar). His compositions "Last Nite" and "Mystery Man" were featured in the Michael Mann film Heat, and included on the soundtrack of the same name...





Personnel:
- Terje Rypdal - guitar, string ensemble, soprano sax
- Tornbjørn Sunde - trombone
- Brynjulf Blix - organ
- Sveinung Hovensjø - 6 & 4-string fender bass
- Svein Christiansen - drums


9 de abr de 2016

Twang! A Tribute to Hank Marvin & The Shadows (1996)


For the first years of the swinging 60s, the unique sound of The Shadows held sway over the airways, a hit factory that was responsible for such inimitable instrumental hits as "FBI", "Kon Tiki", "The Savage", "Wonderful Land", "Dance On", "Foot Tapper", singles which effortlessly recall an era. The Shadows dominated the hit parade, clocking up more weeks on the charts than The Rolling Stones, The Beegees, The Who... The most successful British group of all time apart from The Beatles. As a testament to The Shadows influence, one of the earlier Beatle compositions and the only John Lennon/George Harrison collaboration was an instrumental entitled "Cry For A Shadow". A generation grew up admiring the look and sound of The Shadows - Eric Clapton, Pete Townshend, Queen's Brian May and Roger Taylor and Dire Straits' Mark Knopfler, are only some of the home grown superstars who have testified to The Shadows influence. While in Toronto, a teenage Neil Young was to later admit that hearing Hank Marvin's guitar was his first formative musical experience. A very novel tribute record, Twang spotlights the music of Hank Marvin and the Shadows. Clearly one of the biggest influences on surf as well as British rock & roll, the Shadows' music (aside from their work with Cliff Richard) was always marked by a clean precision that welded R&B, country, rock and other influences perfectly. The re-recordings here bear this out. One of the finest is the collaboration of Randy Bachman and Neil Young on "Spring Is Nearly Here." It's a gorgeous arrangement, augmented by Young's trademark intensity. Several other standouts include testimonials by Peter Frampton, Peter Green, Brian May, and others. A real must for fans of the art of the electric guitar. 








01. Apache - Ritchie Blackmore
02. FBI - Brian May
03. Wonderful Land - Tony Iommi
04. The Savage - Steve Stevens
05. The Rise & Fall of Flingel Bunt - Hank Marvin
06. Midnight - Peter Green & Splinter Group
07. Spring Is Nearly Here - Neil Young & Randy Bachman
08. Atlantis - Mark Knopfler
09. The Frightened City - Peter Frampton
10. Dance On - Keith Urban
11. Stingray - Andy Summers
12. The Stranger - Bela Fleck & The Flecktones

10 de dez de 2014

The Howard Roberts Quartet


Roberts was born in Phoenix, Arizona, and began playing guitar at the age of 8. By the time he was 15 he was playing professionally locally. In 1950 he moved to Los Angeles. There, with the assistance of Jack Marshall, he began playing with musicians including Bobby Troup, Chico Hamilton and Barney Kessel. In about 1956, Bobby Troup signed him to Verve Records as a solo artist. Around that time he decided to concentrate on recording, both as a solo artist and session musician, a direction he would continue until the early 1970s. Roberts played rhythm guitar, lead guitar, bass and mandolin, in the studio and for television and movie projects, including lead guitar on the theme from The Twilight Zone, as well as the classic guitar themes in The Munsters, Bonanza, The Brady Bunch, Green Acres, Get Smart, Batman, Beverly Hillbillies, Andy Griffith, Peter Gunn, Johnny Quest, Gidget, Mannix, Lost in Space, Dragnet, Wild Wild West, Mission Impossible, The Odd Couple, and rhythm guitar on the theme from I Dream of Jeannie.


Artists Roberts backed include Georgie Auld, Peggy Lee (Fever), Eddie Cochran (Sittin' in the Balcony), Bobby Day (Rockin Robin), Jody Reynolds (Endless Sleep), Shelley Fabares (Johnny Angel), Dean Martin (Houston), The Monkees, Roy Clark, Chet Atkins, and The Electric Prunes. In 1961, Roberts designed a signature guitar which was originally produced by Epiphone. The guitar was a modified Gibson ES-175 (Epiphone is owned by Gibson and during this period Epiphone guitars were manufactured in the same factory as Gibson guitars in Kalamazoo, Michigan), with a round sound hole and a single pickup. A redesigned version was later produced by Gibson. The Howard Roberts signature was borne by two other models made by Gibson: the Howard Roberts Custom and the Howard Roberts Fusion III. In 1963, Roberts recorded Color Him Funky and H.R. Is A Dirty Guitar Player, his first two albums after signing with Capitol. Produced by Jack Marshall, they both feature the same quartet with Roberts (guitar), Chuck Berghofer (bass), Earl Palmer (drums) and Paul Bryant alternating with Burkley Kendrix on organ. Both albums were released on a single CD under the title Dirty & Funky on Randy Bachman's label Guitarchives in 1998. In all, he recorded nine albums with Capitol before signing with ABC Records/Impulse! Records.


From the late 1960s, Roberts began to focus on teaching rather than recording. He traveled around the country giving guitar seminars, and wrote several instructional books. For some years he also wrote an acclaimed column called "Jazz Improvisation" for Guitar Player magazine. Roberts developed accelerated learning concepts and techniques, which led to the founding of Playback Music Publishing and the Guitar Institute of Technology. As a co-founder of GIT, now known as the Musicians Institute, Roberts' philosophy remains an integral part of the curriculum. Roberts died of prostate cancer in Seattle, Washington on June 28, 1992. His wife Patty, also active in musical education, continued in this field after his death. Howard inspired the opening of Roberts Music Institute in Seattle, Washington, which is currently owned by his son, Jay Roberts.








30 de nov de 2014

Tony McPhee - Groundhogs Guitar Player


Tony McPhee (born Anthony Charles McPhee, 23 March 1944, at Redlands House, near Humberston, Lincolnshire) is an English blues guitarist, and founder of The Groundhogs. The Groundhogs backed Champion Jack Dupree and John Lee Hooker on UK concerts in the mid-1960s, evolving into a blues-rock trio that produced three UK Top 10 hits in the UK Albums Chart in the early 1970s. McPhee has also released many solo acoustic blues records, as well as duets with Jo Ann Kelly. He is often credited as 'Tony (TS) McPhee'. 


He was dubbed TS by the producer Mike Vernon in the mid-1960s. Apart from the Groundhogs, McPhee has played with Herbal Mixture, the John Dummer Band, Hapshash and the Coloured Coat, Tony McPhee's Terraplane, Tony McPhee's Turbo, the Tony McPhee Band and Current 93. In 2009 McPhee suffered a stroke which affected his speech and ability to sing. The definitive biography & discography of Tony McPhee was published in 2012. Eccentric Man: A Biography & Discography of Tony (TS) McPhee by Paul Freestone.




4 de out de 2013

Guitarra Brasilis - Talentos que não podemos deixar de admirar



Caros amigos e visitantes do "Som Mutante",

Este é mais um post feito pelos convidados do querido Dead or Alive, neste caso, é a minha singela contribuição para esta comunidade de admiradores da boa música, seja ela de que cor, credo e sotaque possa ser. O que todos aqui temos em comum, é a paixão, a 'adoração' pelos sons que nos embalam e que de alguma maneira mexem com nossos sentimentos e emoções.

Depois de tantos posts e sons de rara qualidade aqui postados pelos colegas/amigos e agora companheiros de trabalho: Luciana Aun, Véio, Gustavo, V2 e Javanês, fico até melindrado em tentar compartilhar algo que possa ser do mesmo quilate. Não pela qualidade dos três artistas aqui comentados, que é inegável - e vocês irão poder comprovar e concordar (ou não...) comigo; mas sim pela falta de prática em postar aqui  no blog (tive um, mas mandei para Saturno).

Para compensar esta falta de traquejo, vou acabar copiando grande parte do texto deste post de fontes de terceiros (seja de cada um dos artistas retratados, seja do Wikipedia, seja de outras revistas e jornais). Se bem que postar é muito parecido com andar de bicicleta - mas mesmo os ciclistas mais experientes às vezes levam um tombinho... Não é mesmo, Aponcho?

Notem que para o grande Marcio Bach (e eu diria, um de meus guitarristas brasileriros prediletos), quase não consigo nenhuma informação além daquela constante no encarte do CD. Assim, contribuições para enriquecer este post serão muito bem vindas. Aqui não é o texto de um, mas a soma do trabalho de todos.

Espero que gostem e se possível apoiem estes heróis da resistência comprando seus álbuns em seus sites e lojas especializadas. Assim, chega de conversa mole (ou seria teclado mole?), e vamos às biografias de cada um deles.


_________________________
ALEX MARTINHO

Biografia:

Formado pelo GIT (Musicians Institute - USA) em 1992, Alex é colaborador efetivo de conceituadas revistas especializadas em música, como Cover Guitarra (onde tem uma coluna mensal desde 1999), Guitar Player e Música e Tecnologia. Em 1998 e 1999, acompanhou a banda do Celso Blues Boy. Ele é endorser das empresas NIG, N Zaganin, Snake, Sergio Rosar e Powerclick.

Discografia:

Solo
1994 - "Alex Martinho"
2001 - "Evolution"
2011 - "Universo em Mim"

Em parceria com Sydnei Carvalho
(2004) - "Intensity"
(2006) - "Intuition"2
(2009) - "Double Vision" (DVD Duplo)

Com a Banda Homônima
2005 - "RHUNA"

Prêmios e Indicações:

1995 - Prêmio Sharp de Música - CD "Alex Martinho" (indicado)
2005 - Prêmio Claro - Melhor Cd de musica instrumental do ano (CD "Intensity")
2007 - Prêmio Toddy/Revista Dinamite de Música Independente - Melhor CD Instrumental do Ano (CD "Intuition")



Entrevista na Revista GUITAR PLAYER, Fevereiro/2002 
Pág. 31 - "ALEX MARTINHO - Bom Gosto Instrumental ", 
por Vera Kikuti  

O rock instrumental será sempre um estilo fascinante enquanto músicas bonitas e guitarras de bom gosto forem seus principais ingredientes. É o que mostra Alex Martinho em seu mais recente CD, "Evolution", um álbum repleto de belas composições, melodias marcantes, riffs legais e solos arrasadores.

O nome do novo CD de Alex reflete o momento atual do guitarrista. "Meu primeiro trabalho foi feito em uma época em que eu queria tocar com muita técnica e velocidade. Já o segundo álbum está mais maduro em relação à execução no instrumento e à composição", revela o guitarrista. "Entre o primeiro e o segundo CD, voltei um pouco para as origens. Ouvi muito Jimi Hendrix, Eric Clapton, Jimmy Page, Rush e Yes. Procurei fazer uma abordagem de banda neste disco. O meu primeiro trabalho foi mais de guitarrista."

Todas as músicas do Evolution são composições próprias. "Procuro sempre estar com o meu gravador. Registro todos os riffs e melodias que vão surgindo, faço uma coletânea do material e depois vou juntando temas e polindo idéias", explica. "Se estou sem um instrumento por perto, gravo a idéia cantando e depois tiro a melodia na guitarra."

A história de Alex com as seis cordas começou depois que ele assistiu ao Rock in Rio 1, em 1985. "Fiquei fascinado por bandas com grandes guitarristas, como Iron Maiden, Queen e Whitesnake", diz ele. Aos 13 anos, iniciou seus estudos no instrumento. "Meu irmão ganhou uma guitarra de presente de Natal, tentou aprender a tocar, mas depois desistiu. Comecei então a ter aulas e a tirar músicas de rock nacional." O próximo passo do guitarrista foi montar uma banda e, para acompanhá-lo, incentivou seu irmão, Rodrigo Martinho, a tocar bateria. Convidou também um amigo da escola, Fabio Lessa, para cantar no grupo, e, como não acharam um baixista, Alex o motivou a tocar baixo. O jovem trio começou a fazer shows em bares do Rio de Janeiro, tocando covers de bandas como Van Halen, Bon Jovi e Faith No More. A química deu certo. Rodrigo Martinho e Fabio Lessa gravaram os dois trabalhos solos de Alex Martinho e até hoje o acompanham em shows. "Hoje nós três somos músicos profissionais. Crescemos tocando juntos", conta o guitarrista.

Alguns anos após seu primeiro contato com o instrumento, Alex Martinho conheceu um outro jovem estudante de guitarra, Marcelo Gomes, que lhe mostrou músicas de Joe Satriani, Steve Vai e Yngwie Malmsteen. "O Marcelo foi estudar nos Estados Unidos e depois de seis meses convenceu meus pais a apostarem em mim e fiz um ano de curso no GIT", lembra Alex. "Lá, aprendi a me organizar e a dividir meu tempo de estudo, pois eu tinha uma quantidade enorme de material para estudar", relembra Alex. O guitarrista também reservava parte de seu tempo para tirar músicas e compor, colocando em prática o que aprendia. Depois de terminar o curso, Alex voltou para o Brasil com músicas prontas e gravou seu primeiro CD. Em seguida, tocou na banda de Celso Blues Boy por quase dois anos. "Viajávamos e fazíamos muitos shows. Abrimos para o Robert Cray e tocamos no ATL Hall, no Rio de Janeiro, e no DirecTV, em São Paulo", conta. "Foi um ótimo período de aprendizado e adquiri bastante experiência de palco."

Em "Evolution", Alex assumiu o controle total da gravação. "Em vez de gravar em um grande estúdio, com orçamento e tempo limitado, preferi as vantagens de registrar o álbum em meu próprio estúdio", diz ele. O CD foi gravado em hard-disk com sistema Yamaha DSP Factory. O velho amigo de Alex, Marcelo Gomes, que hoje mora nos Estados Unidos e é engenheiro de som de Steve Vai, co-produziu o trabalho. "O Marcelo veio para o Brasil e me deu muitas dicas sobre microfonação. Ele não pôde participar de todo o processo, mas eu ligava com frequência para lhe fazer perguntas e enviava gravações para ele escutar. Alguns meses depois, ele voltou para realizar a mixagem e me ajudou a lapidar os sons de guitarra", relata Alex.

Para as gravações, Martinho usou sua guitarra Condor FC45OFM, equipada com captadores EMG (um humbucker 81, na ponte, um 85, no braço, e single-coil SA, no meio) e encordoada com cordas NIG .009. Ele também empregou sua fiel Ibanez RG570 - que o acompanha desde seus estudos no GIT -, equipada com humbuckers DiMarzio Fred, na ponte, e Seymour Duncan Full Shred, no braço.

Alex pluga as guitarras direto em um Line 6 AX2-212, um combo com simulação de amplificadores e efeitos embutidos. "Tive cabeçotes, caixas e racks efeitos, mas, para os shows, eu precisava de ajudantes para carregá-los", conta. "Quando conheci o Line 6, gostei dos timbres e da praticidade de plugar a guitarra e ter o som pronto."

O disco de Alex Martinho foi lançado de forma independente e pode ser adquirido através do site www.martinho.com 

"O importante é sempre seguir em frente e não se importar com as dificuldades. A pior coisa que alguém pode fazer é cruzar os braços ou desistir", afirma Alex.

"Faço a música que gosto e é gratificante ver meu trabalho crescendo. Vou conseguir meu espaço, assim como qualquer pessoa que tenha força de vontade, talento e determinação."


Baixe o DVD do show de 20 anos (disponibilizado de graça pelo próprio Alex) aqui: http://www.martinho.com/dvd20anos/Alex_Martinho_20_anos_(720p).mp4


__________________________
TIAGO DE MOURA

Nascido na cidade de Passo Fundo em 1974, Tiago de Moura teve seu primeiro contato com a música ainda no berço já que é filho de músico. Aos 7 anos já havia ganhado um violão de seu pai. No entanto, gostava mesmo era de percussão, pois tinha o costume de “bater lata” o dia inteiro. Mais tarde, aos 16 anos, começou a se interessar pela guitarra. No início, sua influência era o trash metal e foi nesse estilo que montou sua primeira banda chamada Vogelgesang, precursora do estilo na região. Nesse mesmo período, Tiago começou a conhecer músicos da noite e compositores, que lhe trouxeram outras influências, como a MPB e o rock nacional dos anos 80. Foi a partir daí que elaborou um repertório com alguns desses músicos e passou a tocar nas casas noturnas, mais especificamente em barzinhos, tocando justamente esses estilos, mas mantendo, até então, apenas a intuição e a pegada que o metal lhe dera.

Mas foi aos 20 anos que Tiago conheceu um guitarrista local chamado João Neto, que acabou dando uma guinada na forma como encarava a música e a guitarra. Passou a estudar seriamente as técnicas do instrumento e os elementos teóricos da música, o que o levou a entrar no curso de Música da Universidade de Passo Fundo e a participar de diversos cursos com músicos de renome como Pollaco (Guitarra, harmonia e improvisação), Alexandre Carvalho (Improvisação para todos os instrumentos), Julio Herrlein (Harmonia e improvisação), além de Edílson Ávila, Frank Solari, Sólon Fishbone, Mozart Mello e Joe Mograbi.

Assistiu também a workshops de inúmeros instrumentistas, como, Edu Ardanuy, Juninho Afram, Kiko Loureiro, Sydnei Carvalho, André Martins, Dudu Trentin, Kreg Owens, Paul Gilbert, Rafael Bitencourt, Arismar do Espírito Santo, Tiago do Espírito Santo, Marcinho Eiras, Artur Maia, Michel Leme, entre outros.

Tocou em bandas de baile e bandas covers durante vários anos.

Desde 1997 Tiago vem publicando periodicamente suas gravações. A primeira foi uma fita demo, lançada neste mesmo ano, contendo algumas composições próprias. Em seguida lançou mais dois CDs demo, que tiveram participações de importantes músicos como Guinha Ramires (violonista do Grupo Instrumental Dr. Cipó) e Alessandro Kramer (acordeonista do grupo Dr. Cipó e sideman de Yamandú Costa, Alegre Corrêa e outros instrumentistas brasileiros).

Depois de receber destaques em revistas especializadas como Cover Guitarra e Guitar Player, Tiago de Moura lançou em 2004 seu primeiro CD oficial, que lhe rendeu significativos comentários e resenhas meritórias por parte da crítica especializada. A partir daí, passou a receber convites para vários workshops.

Em 2007 Tiago de Moura lançou no mercado, pelo selo Café com Leite, o CD “Menino”, que considera o melhor disco de sua carreira. O disco contém composições próprias e também de grandes compositores, como Raul Boeira, Sandro Cartier, Tyaraju Moura e Welington Bonfim. Graças a esse disco, Tiago de Moura foi indicado como Melhor Instrumentista no prêmio Açorianos de Música que é a premiação mais importante do cenário musical do Rio Grande do Sul.

Em 2009 lançou o CD "Rain", que mostra seu amadurecimento artístico, promovendo a fusão de ritmos e fraseados brasileiros com as várias vertentes do rock instrumental, com temas melhor estruturados e com a participação de músicos e técnicos de renome.


O ano de 2010 veio recompensar Tiago de Moura pela sua dedicação. Participou do “Guitar Experience”, encontro que reuniou em Buenos Aires grandes guitarristas da América do Sul. Também foi destaque na edição de outubro da Revista Guitar Player Brasil”, na Seção Artistas/Pegada. E foi um dos vencedores do Projeto Rumos do Itaú Cultural, ao qual concoreram milhares de músicos de todo o país. Como prêmio, integrará uma banda formada por outros vencedores, que se reunirá em São Paulo com vistas a produzir um repertório que resultará em show no Itaú Cultural e gravação em áudio e vídeo do mesmo, além da criação de um programa de TV de 30 minutos, contendo os ensaios, entrevistas e partes do show.

Tiago de Moura vem intensificando suas apresentações, além de promover inúmeros workshops coletivos com importantes guitarristas tupiniquins. Seu nome já desponta como uma das grandes revelações da música instrumental do Brasil.


Entrevista para a "Guitar Player", 
em 2010

Tiago de Moura é um guitarrista gaúcho que vem se destacando no Sul do Brasil por sua criatividade e técnica afiada. No final de 2009, ele lançou seu mais recente CD instrumental, intitulado Rain, que traz dez faixas que vão do rock pesado ao fusion. Tiago contou com a participação de grandes músicos, como Edu Ardanuy. Em entrevista, Tiago fala sobre a criação e a gravação do novo disco.

Como foi o processo de composição das músicas de Rain?

Em meu primeiro e segundo CDs – Tiago de Moura e Menino –, o norte das composições foi unicamente a inspiração. Já em Rain, tive maior preocupação com a estrutura das músicas, definindo sempre a quantidade de compassos de cada parte. Isso facilitou a construção das melodias e solos de cada faixa.  É claro que a inspiração também esteve presente, já que sem ela é impossível fazer algo interessante.

Como foram feitas gravação, mixagem e masterização?

Faz tempo que montei meu home studio, mas eu o utilizava apenas para aulas e registro de ideias que surgiam. Então, decidi gravar de verdade e adquiri os equipamentos que faltavam. A partir daí, comecei o processo de gravação das guias e gravei todas as bases e solos – alguns ficaram no registro final, outros foram refeitos. Em seguida, enviei os arquivos para o Studio JNT, onde foram adicionados baixo, bateria e alguns teclados. Foram realizadas gravações adicionais de teclados no Studio Lazzarotto e no home studio de Michel Dorfman. A mixagem foi feita por Átila Ardanuy, no Bavini Studio, o que fez toda a diferença no resultado final. A masterização foi realizada no Studio Lazzarotto.


_____________________
MARCIO BACH
Aguardando contribuições sobre a biografia deste grande guitarrista.


Márcio Bach - segurando a guitarra branca



Baixe os 3 CDs aqui:

Alex Martinho - "EVOLUTION"
Enjoy at: http://www.sendspace.com/file/rq0o7d

Marcio Bach - "MARCIO BACH"
Enjoy at: http://www.sendspace.com/file/t07mzt

Tiago de Moura - "RAIN"
Enjoy at: http://www.sendspace.com/file/g9kp3m


*****
Caso algum dos músicos aqui "retratados" não queira que seu trabalho seja compartilhado no blog, basta me mandar um email ( zm.jazzrock at gmail.com ) e o link será imediatamente removido. 
*****


Não percam o próximo post do SM.
Stay tuned!