Mostrando postagens com marcador Van der Graff Generator. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Van der Graff Generator. Mostrar todas as postagens

27 de ago de 2010

Van der Graff Generator - GodBluff (vinyl rip 1975)

Peter Hammil pra mim é um daqueles "bardos" que a história conta e até nos famosos quadrinhos de Asterix tem um.
Os bardos pelo pouco que sei, cantavam as histórias numa época em que elas eram cantadas e contadas; época chamada de idade das trevas, de povos bárbaros, idade medieval.

Como então cantavam eles com tamanha emoção e perfeição?

Como seu estilo prevaleceu na europa e principalmente na inglaterra por tanto tempo que fixou-se como um estilo na voz e na musicalidade de várias bandas?

Mas poucas como o VdGG conseguiram extrair a essência verdadeira e sua quimica a tal ponto que perduram até hoje, e discos como este de só quatro músicas são adorados pelos fãs e ouvidos a exaustão por quem tem contato pela primeira vez.

Este disco é daqueles da seção "deletado n vezes",rs; mas já fazia um tempo que passava por ele e deixava pra um outro dia, bem o outro dia chegou e pra mim, mais uma vez; o VdGG é sem sombra de dúvidas um dos ícones do chamado rock progressivo e vale ser divulgado por sua história e que ainda não foi vá ao site oficial prq sempre falaram que o Hammil era um chato, pernóstico e etc, mas lá vc tem até mp3 pra downs gratuítos como cortesia pela visita.

VdGG and Peter HammilAfter a four year absence (in which Peter Hammill released a number of solo albums), Van der Graaf Generator reformed in 1975 to record this masterpiece.

Consisting of four approximately equal-length songs, there is a uniformity in mood that provides the semblance of a central concept, even if there isn't one that I can see.

Three of the four songs are heavy in fantasy imagery, although in at least one case ("Scorched Earth") an argument could be made that said imagery is metaphorical. Indeed, parts of each song read like a manifesto, as Hammill breaks from the scenario in question to sneak in a pointed message.

Musically, the album is led by Banton's organ and Jackson's sax, providing contrasting colors to the sound. Banton tends to lend the air of brooding and tension, while Jackson erupts into aggressive outbursts of angst. Jackson also provides a bit of flute playing to "The Undercover Man" and "The Sleepwalkers" when a softer approach is needed.

Evans refuses to stay in the background, punctuating each Jackson sax burst with machine-gun staccato. The last three songs all feature killer extended instrumentals, my favorite of which would have to be the 5/4 explosion at the end of "Scorched Earth", or maybe the alternating 8 and 10 of "The Sleepwalkers" which crescendos into the nastiest prog rawk you've ever seen. Hard to say.

Godbluff captures the band at their peak, with a mature lyrical contribution from Hammill combined with the musical pyrotechnics of which the band was capable. The combined inspiration of the four musicians creates a synergy that elevates this head and shoulders above any other VdGG release, even Pawn Hearts.
Essential.
review by Sean McFee — undated
Personnel:
Peter Hammill, vocals, piano, guitar
Hugh Banton, organs, bass
David Jackson, saxophone, flute
Guy Evans, drums, percussion

Tracklist:
1. The Undercover Man — 7:25
2. Scorched Earth — 9:48
3. Arrow — 9:45
4. The Sleepwalkers — 10:31

total time 37:29

Obs: Prometo postar a versão remasterizada com 06 músicas e com todas as capas em breve.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!

10 de fev de 2009

Van der Graff Generator - Pawn Hearts (1971)

Gosto muito de navegar ler, ouvir e ver coisas interessantes, e isso acaba me levando a lugares distantes e diferentes na net e sempre um amigo ou amiga dá um toque sobre um som e ainda bem que tenho um acervo razoável e principalmente de coisa boa (rs!!!!) e isso me deixa feliz em poder compartilhar.
Mas tenho notado que gosto também de ler e trazer opiniões de pessoas que nem conheço sobre esse ou aquele trabalho; ao invés de fazer o que muitos safados fazem na internet, que roubam seu post na cara dura, não dão crédito e só trocam o seu arquivo pelo deles (com seu acervo é claro!!!) eu acho a opinião legal, copio e registro de onde retirei.
Bem, sobre o VdGG só tenho uma coisa a dizer e me perdoem os fãs do Crimson; Peter Hammil foi o Fripp que deu certo!!!!!!!
A opinião abaixo eu peguei do Thiago Valiati no http://themusical-box.blogspot.com/ ; aliás nem conheço, rs!!!

"Pawn Hearts é a obra prima da banda de rock progressivo inglesa, Van der Graaf Generator. Um dos melhores albúns da década, Pawn Hearts revolucionou o rock progressivo com o lirismo exarcebado de Peter Hammill, que para mim é indiscutivelmente o melhor vocalista que eu já ouvi cantar, ele é capaz de alcançar três oitavas e sua voz é, ao mesmo tempo, suave e alucinada, romântica e irônica, limpa e suja, quando lança seus excelentes poemas aos ouvidos dos que têm o gosto para o belo, o inovador... Não só se destacando como vocalista, Hammill coloca seus sentimentos e emociona qualquer um com suas músicas, seja pela voz, ou por suas letras fantásticas e lindas, sendo considerado um dos melhores letristas de sempre.
O Van der Graaf é uma banda diferente, contando com dois tecladistas, bateristas e um saxofonista, resultando num som mais diferente e progressivo. Na música Man-Erg há a participação especial de Robert Fripp, do Crimson, na guitarra. Palavras de Fripp sobre Hammill: "Peter Hammill fez para o "rock and roll" no vocal o que Jimi Hendrix fez na guitarra." Apenas isso já diz muita coisa...
Destaque para a suíte A Plague Of Lighthouse Keepers, fantasticamente bela em toda sua extensão.

Peter Hammill é o cara".


Mas que o Pete é o cara isso é e o VdGG, uma puta de uma banda de progressivo e com uma qualidade ímpar e sem as oscilações do Crimson, à quem gosto muito e tenho um vasto material também; respeito muito mas o que seria do verde se todos gostassem do ...........ah , escolha sua cor.

Pawn Hearts

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!