Mostrando postagens com marcador Leonard Cohen. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Leonard Cohen. Mostrar todas as postagens

26 de jun de 2012

Leonard Cohen "live in London" concert at the O² Arena, july 17th, 2008

Não precisaria falar o que vou falar mas vou e pronto!

Leiam o que a Lucy escreveu sobre Mr L.C. pra entender um pouco da história desse cara que compôs simplesmente uma das músicas mais gravadas de toda a história e o porquê disso.

Segundo ele próprio a versão do Jeff Buckley que muitos criticaram qdo postei é a mais perfeita interpretação de sua obra, e além do que não fosse sua seria pra ele o mais lindo hino cantado por um apenas garoto de 20 e poucos anos.

Leonard Cohen, esse nome é mítico na indústria fonográfica, é mítico no cenário internacional e desconhecido a granel por aqui em terras brazucas; claro que não generalizo e muitos odeiam seu estilo ou tão se lixando pra suas músicas, mas pra quem tem um pouco de sensibilidade um grau acima de um lobo por exemplo vai sacar o que digo.

Este show foi meu reencontro com ele e com sua divina música que considero sim muito acima de qqr dessas porcarias que dizem fazer por deus pra caça niqueis, acho que Deus se agrada mais de pecadores sinceros do que castos falsos e ladrões.

Não sou santo, e nem ele é, mas aqui ele atinge um ápice que poucos, raríssimos músicos chegarão e nesse momento que ouço Mark Knopfler live vejo que são raríssimos mesmo e precisam ser preservados (já disse que tenho mania de escrever em silêncio ou ouvindo outra coisa do que posto, mania de lobo).

Bom, é isso.No dia 14 de abril de 2009, fiz uma postagem, no meu então ativo blog: Leonard Cohen, Live at the Beacon Theater.

O show era de apenas dois meses antes, a primeira vez que o Cohen se apresentava em 15 anos diante de uma plateia americana, foi seu retorno triunfal aos palcos do país que ele adotou como segunda casa.

Quem baixou, parabéns; quem não baixou, não baixa mais, porque o hospedeiro comeu.

Se alguma boa alma tiver, favor nos informar -- eu agradeço.

Em todo caso, trago o Live in London.

Aos fãs do bardo canadense, aproveito pra dizer que, em outubro do ano passado, foi lançada toda a discografia dele, live e de estúdio, num box set com 17 CDs.

Pra vender, não tem mais -- não na Amazon americana, na canadense nem olhei.

Mas deve ter tudo por aí pra baixar.

De minha parte, continuo decepcionada por ele estar em turnê mundial desde 2008 e não ter vindo ao Brasil.

Já começo a ficar sentida.Mas o que vale dizer sobre o Cohen, e talvez o que mais me cativa, é que ele é um escritor antes de ser músico.

O material dele sempre foi as palavras, antes mesmo dos acordes.

Ele começou a carreira na música já depois dos 30, cantando em festivais folk nos EUA, desapontado que não dava pra viver de escrever livros no Canadá daqueles anos 60.
O resto é história.

No meio do caminho de uma bem sucedida carreira, Cohen perdeu tudo.Em 1994, quando foi morar num monastério budista, e lá ficou por cinco anos, quem deveria ter cuidado dos seus interesses supostamente lhe roubou.

Como 5 milhões de dólares não evaporam, o caso foi parar na Justiça.

Ele processou a então empresária em 2005, logo depois de tê-la demitido.

Ela foi considerada culpada e condenada a pagar 9,5 milhões de dólares pra ele.

Mas a moça, que fora empresária dele por 17 anos, e com quem ele admitiu ter tido nada além de um breve relacionamento íntimo, sumiu no mundo.

Cohen jamais viu a cor do dinheiro.

Foi por isso que voltou a fazer turnê em 2008, pra recuperar o que havia guardado durante toda uma carreira, se refazer do zero, basicamente, com mais de 70 anos.

Depois da condenação, começou uma campanha de ódio.A ex-empresária, embora sumida, começou a ameaçá-lo em dezenas de mensagens de voz e emails intermináveis -- o que se chama de "harassment" por lá.

Novo processo e, em abril último, ele ganhou.

Desta vez, ela foi condenada a 18 meses de prisão e mais cinco sob condicional.

Tá em cana na Califórnia.

Vai ter que fazer terapia, ter aulas de "anger management" e foi destituída de seu direito constitucional de portar armas de fogo.

Lá, a coisa funciona, cadeia não é escola de bandido.

Cohen também foi processado por ex-sócios, mas todos os processos foram "dismissed", não vingaram.

http://www.guardian.co.uk/music/2012/apr/19/leonard-cohen-former-manager-jailed Ele, por outro lado, não precisa mais daquele dinheiro que a Justiça americana considerou justa indenização.

Cohen, diz a Billboard, já ganhou mais de 9 milhões de dólares com a turnê mundial e este "Live in London", que é um registro no palco gravado às vésperas dos seus 75 anos, em plena forma.

O bardo já engatou nova turnê, continua na estrada com o novo álbum Old Ideas.

No fim de toda a estressante batalha judicial, Cohen, como cavalheiro quase irretocável que é, além de monge budista ordenado e judeu praticante, agradeceu a ex-empresária e ex-breve-amante, porque, de outro modo, ele não teria voltado aos palcos e não teria deixado o que ele mesmo chamou de uma vida meio ermitã, embora nunca tenha deixado de escrever ou compor.Digo "quase irretocável" porque ainda falta vir ao Brasil.

E pra não dizer que não falei de flores, a tal fama de mulherengo é pura fama.

Em todas as oportunidades, Cohen sempre a desmentiu e riu dela.

Quem já teve a oportunidade de ler o que ele escreve acredita solenemente no desmentido sobre esse fama de mulherengo.

E não que isso realmente importe...A faixa 5 do segundo CD de Live in London é um pouquinho do Cohen recitando um de seus poemas.

O original é do livro Book of Longing, de 2006, mas ele tem recitado versões levemente modificadas no palco.

Eis aqui o que vão ouvi-lo recitar.

A thousand kisses deep

You came to me this morning
And you handled me like meat.
You'd have to be a man to know
How good that feels, how sweet.
My mirror twin, my next of kin,
I'd know you in my sleep.
And who but you would take me in
A thousand kisses deep?

I loved you when you opened
Like a lily to the heat.
You see, I'm just another snowman
Standing in the rain and sleet,
Who loved you with his frozen love
His second-hand physique
With all he is, and all he was
A thousand kisses deep.

I know you had to lie to me,
I know you had to cheat.
To pose all hot and high
Behind the veils of sheer deceit
Our perfect porn aristocrat
So elegant and cheap.
I'm old, but I'm still into that
A Thousand Kisses Deep.

I'm Good at Love
I'm Good at Hate
It's in between I freeze
Been working out but it's too late
It's been too late for years
But you look good,
You really do,
They love you on the street.
If you were here I'd kneel for you
A Thousand Kisses Deep.

The autumn moved across your skin
Got something in my eye
The light that doesn't need to live
And doesn't need to die
A riddle in the book of love
Obscure and obsolete
Till witnessed here in time and blood
A Thousand Kisses Deep.

And I'm still working with the wine,
Still dancing cheek to cheek.
The band is playing "Auld Lang Syne"
But the heart will not retreat.
I ran with Diz, I sang with Ray,
I never had their sweet
But once or twice they let me play
A Thousand Kisses Deep.

I loved you when you opened
Like a lily to the heat.
You see, I'm just another snowman
Standing in the rain and sleet,
Who loved you with his frozen love
His second-hand physique
With all he is, and all he was
A thousand kisses deep.

But you don't need to hear me now
And every word I speak
It counts against me anyhow
A Thousand Kisses Deep.

Quem quiser saber e ouvir mais, recomendo o documentário Ladies and Gentlemen... Mr. Leonard Cohen. Tem 44 minutos e dá pra assistir online.

http://www.nfb.ca/film/ladies_and_gentlemen_mr_leonard_cohen/ Cohen recebeu dezenas de prêmios e honrarias, da década de 60 até hoje, entre elas o Rock and Roll Hall of Fame, o Lifetime Achievement Award do Grammy e o prêmio Príncipe das Astúrias de literatura.

Mesmo durante seus anos turbulentos ou de inatividade, outros artistas nunca deixaram de resgatar a música do bardo canadense, não raro despertando o interesse de novas gerações de fãs, como foi o caso das músicas que apareceram em filmes como Exotica e Natural Born Killers, além do saudoso Jeff Buckley, com Hallelujah.

Faltou dizer sobre o que ele escreve, sobre o que fala nas canções e nos poemas.

De tudo.

Vai da guerra ao sexo, passando pela mortalidade e pela depressão, fala de política, de amor, de música, de suicídio.

Principalmente, Cohen canta e escreve sobre gente, sobre os relacionamentos interpessoais e a condição de ser humano.

Em tudo existe uma fissura.

É assim que a luz entra.I tried to leave you, I won't deny.
I closed the book on us at least a hundred times.
But I wake up, each and every morning, right there, by your side.
The years go by, you lose your pride.
Your little baby is crying, so you do not go outside.
And your work is right here, right before your eyes.
Good night, my darling, I hope you're satisfied.
The bed is kind of narrow, but my arms are open wide.
Yes, and here's a man, he's still working for your smile.


Suffering by nature or chance never seems so painful as suffering inflicted on us by the arbitrary will of another. (Schopenhauer)

Part 01
Part 02
Part 03

Enjoy!!!!!!!!!!!!

26 de out de 2008

Hoje tô com pregui............rs!!!


Isto mesmo hj eu tô afim de não fazer nada; só deixar rolar..... e ai tive a brilhante idéia(rs) de compartilhar com meus parceiros de jornada mais um momento, ou dois (até de conta tô ruim hoje!!). Aqui em cima uma versão fantástica de uma das mais conhecidas músicas da era moderna "Summertime" nas vozes de Jill Scott e George Benson; a composição é do gênio da Broadway George Gershwin.



E aqui mais embaixo outro que pra mim significa muito em talento e criatividade (pra mim e pro resto do mundo,ré,ré,ré) "Leonard Cohen"; e cabe aqui mais uma vez agradecer a lembrança ao parceiro G&B pela lembrança; porque Jeff Buckley fez talvez a melhor versão pra esta canção e como estávamos conversando sobre as postagens e a história deles se cruzarem lembrei que "Cohen" é um nome mítico no cenário artístico, mas muitos até nem se lembram ou ainda não o conheceram. Então segue o original com a original e se me permitirem colocarei uma versão da letra pra quem quiser se ligar na história e no estilo do cara.

Hallelujah

Eu soube que havia um acorde secreto
Que David tocava, e que agradava o Senhor
Mas você não liga para música, não é?
É assim..., a quarta, a quinta,
O menor cai, e o maior sobe,
O rei frustrado compõe Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Sua fé era forte mas você precisava de provas
Você a viu tomando banho do telhado
A beleza dela e o luar arruinaram você
Ela amarrou você à cadeira da cozinha
Ela destruiu seu trono, e cortou seu cabelo
E dos seus lábios ela tirou um Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Talvez eu já estivesse aqui antes
Eu vi este quarto, eu andei neste chão
Eu vivia sozinho antes de conhecer você
E eu vi sua bandeira no arco de mármore
Um amor não é uma marcha da vitória
É um frio e sofrido Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Mas houve um tempo em que você me disse
O que realmente acontecia lá embaixo
Mas agora você nunca me mostra, não é?
Mas você se lembra quando eu entrei em você
E a pomba sagrada também entrou
E todo o suspiro que dávamos era um Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Talvez haja um Deus lá em cima
E tudo que eu já aprendi sobre o amor
Era como atirar em alguém que tirou você
Não é um choro que você pode ouvir de noite
Não é alguém que viu a luz
É um frio e sofrido Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Obs: Espero que desta vez o maninho Delta 9 não pegue no meu pé por causa da tradução; é duro agradar esse povo de Marte e planetas distantes; ô gente exigente sô..........

Até e fiquem na Paz.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!