Mostrando postagens com marcador MPB4. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador MPB4. Mostrar todas as postagens

12 de ago de 2012

MPB-4 perdeu Magro e o mundo ficou mais triste....

Meu pai eterno vc tá fazendo uma faxina é?

Vc começou a limpar e levar os melhores e nós?

Tô brincando não, é sério caraca, a gente vai ficar como?

Pô cara, to ouvindo a versão desse vídeo que postei e choro a cada momento só de lembrar os momentos que ouvi MPB-4 e sei qtas pessoas foram embaladas por seus sons, emoções e músicas.

Os maiores intérpretes da musica brasileira, os únicos que cantavam Chico Buarque melhor que ele (tá ele não sabe cantar mas ng canta suas músicas como ele só o MPB-4) e os caras mais boa praças que já conheci e ouvi cantar e vai cantar assim lá no céu mesmo.

Cara, vc tá ficando egoísta?

Isso é de nós humanos defeituosos mas só tá levando os melhores em tudo, caráter, humildade, amizade e amor, Chefe, amor tá em falta aqui embaixo, faz assim não por favor.

Magro, sei que outros o tinham muito próximo e vão sentir tanto, mas te digo que o MPB-4 não será o mesmo e eu tb não, perdi muitos amigos, tô emotivo e triste e vou sentir tua falta como de um grande amigo que podia esperar mais um pouco, mas vai em paz meu irmão.

Vc fez sua parte pra esse mundão ficar melhor sim senhor!!!!

Desculpa mas vou ouvir de novo e acho que vou chorar, saco....Morreu na manhã desta quarta-feira(15/08002) , aos 68 anos, o cantor e instrumentista Antônio José Waghabi Filho, o Magro do quarteto MPB4.

Ele estava internado desde a semana passada no Hospital Santa Catarina, na Bela Vista, centro de São Paulo, onde recebia o tratamento contra um câncer.

O óbito do cantor foi confirmado às 6h desta quarta.


Em nota de pesar publicada no site oficial do grupo MPB-4, o colega Aquiles Rique Reis lamenta o falecimento.

"Meus amigos, depois de longa luta pela vida, Antonio José Waghabi Filho, o Magro do MPB4, nos deixou.

Com ele vai junto uma parte considerável do vocal brasileiro.

Com ele foi a minha música.

Fraternalmente, Aquiles."Durante seus 47 anos de carreira, o MPB-4 firmou-se como o grupo vocal mais importante do Brasil.

Toda uma geração cresceu ouvindo seu canto, que transformou algumas
interpretações em marcos da música brasileira contemporânea.

E desde os anos 1960, esteve sempre presente em todos os movimentos culturais e políticos,enfrentando com sua voz a censura e a repressão política.

Seus shows, que percorrem o Brasil de ponta a ponta em turnês anuais que se
repetem ininterruptamente há mais de quatro décadas, são sempre um grande
sucesso.

No exterior, o MPB4 já se apresentou em Portugal, Argentina, Uruguai, Cuba, Itália e Estados Unidos, muitas vezes dividindo o palco com o amigo Chico Buarque de
Hollanda – que certa vez declarou sentir-se como o “MPB-quinto”.

E suas apresentações sempre renderam prestígio e reconhecimento, tanto que,
recentemente, os Swingle Singers vieram ao Brasil e convidaram o MPB4 para cantar
com eles nas duas récitas realizadas no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

O futuro promete.

São inúmeros os novos projetos.

Assim, o MPB4 está pronto para continuar bem cumprindo seu papel de interpretar o que de melhor se cria na música popular brasileira.Integrantes:
Dalmo Medeiros (voz e percussão)
Milton Santos Filho (voz e violão)
Aquiles Rique Reis (voz e percussão)
Magro Waghabi (diretor musical, arranjador, voz, teclado e percussão)"Contigo Aprendi" comentado música a música pelo Magro:

O quarteto de violões Maogani me impressionou desde a primeira vez que eu os ouvi tocando uma música dos Beatles. Desde então fiquei apaixonado por eles, amor à primeira escuta. Foi com muita excitação e com muito prazer que eu soube que eles aceitaram o convite para participar de três faixas do nosso disco de boleros. Evidentemente, ficou maravilhoso.

E é o Maogani que toca na faixa que abre o disco, SABE DEUS, de Álvaro Carrilho com versão de Caetano Veloso. O arranjo do Paulo Aragão, escrito sob medida pro meu arranjo vocal, é muito gostoso. Tem a sonoridade que só essa soma de violões que vai do 7 cordas até o violão requinto pode oferecer pros ouvidos da gente. Os solos de Marcos Alves no violão de 6 cordas e de Maurício Marques no violão requinto são muito bonitos e completam a versão belíssima de Caetano Veloso. Guello fez aquilo que todo bom percussionista faz: vestiu e calçou com elegância o arranjo de Paulo Aragão.

A sonoridade de ondas do mar criada por Guello, serve de base para a introdução feita pelo Duofel para "La Barca", de Roberto Cantoral, que, na versão de Carlos Rennó, se chamou A BARCA. O Duofel tocou em 3 faixas desse disco. Foi nosso primeiro convidado para esse projeto, e com eles trabalhamos de forma diferente dos outros que tocaram no CD. Os arranjos instrumentais foram feitos primeiro por Fernando e Luiz e, sobre eles, eu criei os arranjos vocais. Eu chamo a atenção para os solos deles no intermezzo da música.

Vitor Ramil se decidiu por um belo bolero de César Portilho de La Luz, CONTIGO NA DISTÂNCIA, para fazer sua versão. O Trio Madeira Brasil aparece, em sua primeira participação no disco, com um bonito arranjo de José Paulo Becker, onde podemos ouvir o solo lindíssimo do Ronaldo no bandolim.

Miltinho escolheu, para fazer a versão e o arranjo, o belíssimo bolero de Armando Manzanero, CONTIGO APRENDI. O arranjo de base ficou a cargo do inimitável Toninho Horta – uma base criada com dois violões, ele com ele mesmo, é claro. A bonita harmonia do Miltinho, uma introdução bolerística muito bonita também e um intermezzo muito bem criado, somados à sensível percussão de Guello, contribuem para enriquecer o bolero de Manzanero, título ao disco.

QUIÇÁ, QUIÇÁ, QUIÇÁ, eis aí um “sacudido” chá-chá-chá! A versão da música do cubano Oswaldo Ferrez foi feita pelo querido poeta Hermínio Belo de Carvalho. A cozinha criada por Guelo é simplesmente irresistível: tem que dançar! O arranjo foi o último a ser gravado para o disco. A base do Trio Madeira Brasil, num arranjo instrumental do José Paulo Becker, também participa do balanço. Prestem atenção nas intervenções, principalmente de Ronaldo no bandolim, na dobra do andamento, criada pelo tremendo percussionista Guelo e no final também inusitado.

Agustin Lara escreveu “Solamente uma vez”, que na versão de Fernando Brant recebeu o título EU AMEI UMA VEZ. Um bolero com uma bela versão e uma curiosidade: é só ouvir o arranjo vocal que você vai perceber que ele não é meu nem é do Miltinho... E de quem é, então? É de um ídolo nosso, Carlos Vianna. Ele foi arranjador de um grupo vocal dos anos 1960, que nós do MPB4 admirávamos muito, O Quarteto. Quis o acaso e a sorte que eu reencontrasse esse amigo aqui em São Paulo e, mais ainda, que ele aceitasse o convite para fazer dois arranjos para esse disco de boleros. Um belo arranjo. Note-se a harmonia diferenciada de Carlos Vianna, a leveza da percussão de Guelo e, como não podia deixar de ser, Toninho Horta brilhando mais uma vez com seus dois violões.

O arranjo do gaúcho Maurício Marques, um dos Maogani, para TU ME ACOSTUMASTE (Frank Domingues), numa versão de Abel Silva, ficou bem interessante. Ele explorou as nuances de um conjunto de choro com o Maogani, usando desde o violão requinto, a guisa de bandolim, até o violão de 7 cordas de Paulo Aragão. Mais um arranjo feito sobre um arranjo vocal meu, com a percussão de apoio do Guelo. Eu chamo a atenção, neste bolero, para dois detalhes: uma modulação inesperada no intermezzo e um final, também inesperado, com baixa de meio tom no último acorde.

SABOR EM MIM, um bolero de Álvaro Carrilho, com versão do poeta José Carlos Costa Neto, foi o primeiro dos boleros gravados para o disco. O primeiro arranjo feito pelo Duofel serviu de base para o meu arranjo vocal, no qual usei a introdução criada por eles, e repetida no intermezzo, para que as vozes dobrassem os violões.

O clássico bolero de Maria Tereza Lara, NOITES DE RONDA, recebeu uma bonita versão de Paulo César Pinheiro e Paulo Frederico. O tratamento instrumental dado pelo arranjo de Paulo Chaves para o meu arranjo vocal foi sob medida, ou seja, ele pegou a idéia de uma introdução de tango e aí, note-se, criou um belo crescendo, num cânone preparatório para início do bolero, feito em conjunto pelo MPB4 e pelo Quarteto Maogani. Ressalte-se também, na volta do intermezzo, o belo acompanhamento das cordas em surdina.

Carlos Vianna, novamente criando mais um belo arranjo, desta vez para MULHER (“Perfídia”, de Alberto Dominguez), com versão para o português feita por Carlos Colla. Além do belo arranjo de Carlos Vianna, prestem atenção no intermezzo, e... viaje até a Espanha, com o auxílio das castanholas e do cajon de Guello e do clima criado, mais uma vez, pelo grande Toninho Horta.

A moringa usada pelo percussionista Guello para RELÓGIO, de Roberto Cantoral, numa belíssima versão de Celso Viáfora é quase um contrabaixo dando a base para o arranjo, também do Duofel. A destacar o belo solo e as harmonias inusitadas que Fernando e Luiz criaram para este bolero. Eu chamo a atenção para a volta ao tema, cantado à capella.


Magro Waghabi, maio de 2012

Enjoy!!!!!!!