Mostrando postagens com marcador Bernd Steidl. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bernd Steidl. Mostrar todas as postagens

23 de set de 2010

Bernd Steidl - Paganiniana

Como havia dito anteriormente, aqui está mais um deste músico alemão que veio da turma do Mike Varney e como ninguém tem obrigação de acompanhar o blog como um livro, também alguns podem nem imaginar quem seja e só pra resumir o conheci com o "L.A.Blues Authority vol.02" qdo volta de vez pra luz o talento de Glenn Hughes num disco totalmente feito em Blues.

Apaixonado que sou resolvi à época entender quem era este cara ( o Mike) e aí conheci seu trabalho com o selo Shrapnel Label Group e seus subprodutos do "Blues Bureau".
Em qualquer uma das áreas ele só trouxe músicos indiscutívelmente perfeitos e de estilos dos mais variados como é o caso deste alemão que tem lá seu jeitão mas me lembra muito Al Di Meola, não sei prq, talvez pelo flamenco, talvez pela intensidade ou pelo talento sei láFica claro que a área dele como no primeiro trabalho já postado aqui, é sempre derivando para o clássico e usando uma palavra meio manjada, fazendo uma releitura à sua maneira do mestre italiano Paganini, o que Bernd classifica de "muito difícil sequer tentar fazer" pela perfeição de seu criador.

Mas o que me encanta nisso tudo são os artistas que fizeram a base da gravadora, seus trabalhos em conjunto e seus álbuns solo, além das homenagens onde praticamente todos que estavam na época participavam como nos "L.A.Blues vols 03 em homenagem à Albert King, o vol 04 à S.R.V e o vol 05 que saiu como Cream of the Crop numa geral ao bom e amado Blues.

Todos sem excessão e sem estrelismo participavam como no caso do Hughes que antes de ter seu disco participou do vol 01 cantando em só uma música onde tocava com ele Stu Hamm, e o único que participou de todas as músicas foi o "fominha"do Kevin Russel que depois ainda lançou mais 03 trabalhos chamados San Francisco Summit que subo qqr hora dessas, mas se quiserem baixar por aí são álbuns tb muito bons.

Com o Mike voltaram a ativa Greg Howe, Ritchie Kotzen, Tony Macalpine e até Leslie West que estava bem sumido na época e acho isso um dom, eles ganharam, o selo ganhou mas todos nós fomos presenteados e aqui está mais uma prova disso, espero gostem como eu.

Obs: Um disco tão curto (de 2001) que nem se nota qdo acaba, faz falta o som,rs.Bernd Steidl's highly anticipated second album, "Paganiniana" is an acoustic showcase of adventurous compositions and phenomenal technique.

Falling between Nuevo Flamenco, World and Classical idioms, Bernd Steidl has the technique of a master and thus the attention of the guitar community. Highlights of the album are ""Paganiniana" 1" and ""Paganiniana" 2", in which Steidl offers his own interpretations of the great 19th century Italian artist. "It's difficult to play Paganini on acoustic guitar because you have to play his music with real precision," says Steidl.

"If you play sloppy, everything is just gone." Steidl is anything but sloppy, as he delivers his machine-gun solos with a passion and technical mastery that would no doubt have pleased Paganini himself.
The Artists

Bernd Steidl - Guitar, Keyboards, Piano, Arrangement, Production

Helmut Rainer - Additional Keys, Production, Mixing, Digital Editing, Mastering

Philippa Armstrong - Additional Vocals

Mike Varney - Executive Production

Sigi Hengstenberg - Photography, Concept

Christiane Froschl-Freitag - Photography, ConceptTracklist

1. Hrx [00:25]
2. Made in Germany [03:05]
3. Apocalypse [04:50]
4. Paganiniana 1 [02:01]
5. Paganiniana 2 [03:07]
6. Albinoni Adagio [04:19]
7. Dreams [03:11]
8. Scriabin [03:04]
9. Infinity [04:04]
10. White Nights [03:11]
11. Cyberworld [03:33]
12. European Heaven [02:55]

Total time 00:37:45

Enjoy!!!!!!!!!!!!!! or Enjoy too!!!!!!!

30 de ago de 2010

Bernd Steidl - "Psycho Acoustic Overture"

Imagine-se numa viagem ao passado, mais precisamente à idade média, e nesta viagem vc poderia ver coisas e conhecer coisas que só ouvira falar, leu em livros ou assistiu em filmes!!!!
Seria bem interessante não?

A famosa máquina do tempo, sem presente, passado ou futuro; só a vontade e o desejo de conhecer, descobrir, revelar e estar onde as coisas aconteciam, acontecem ou ainda irão acontecer.

A música tem este poder e fascínio creio eu pra muitas pessoas, mas pra cada um seria um tipo de música, ou alguns estilos específicos e pra outros completamente o oposto, mas acho que no fim quem gosta mesmo de música consegue viajar "careta" prq até se usar algo vc acaba perdendo alguma coisa e aí a viagem não se completa.

Bernd Steidl seria ou é pra muitos um ilustre desconhecido, mas é uma alemão de um talento "ensurdecedor" que consegue tirar de suas guitarras sonoridades que só ouvimos mesmo, dos considerados "gênios" e olha que falo de um disco de 1991 e neste período todo continuo sem ver ou ouvir o cara por aí e porque será?

Como postei abaixo, este tb faz parte das aquisições que fiz depois que consegui juntar uns trocados pra comprar fora do país álbuns completos com capas e contracapas e músicas completas e detalhes técnicos e aqui está mais um dos lançamentos de Mike Varney e sua Shrapnel; que cara talentoso esse Mike e cada dia que passa o admiro mais prq o que nos chega hoje foi trabalho de caras como ele que apostaram em músicos como Bernd e por isso está aqui.

Garanto que aqueles que gostam de música e até tocam algum instrumento, ficarão encantados como eu fiquei com a sonoridade desse cara e não adianta dizer que isso não é novidade, prq era sim, hj já não é mais, mas a diferença está no talento; espero possamos compartilhar do mesmo gosto, assim posso trazer mais desses trabalhos que tenho.The great irony with this release is that it was perhaps the most innovative and interesting on the Shrapnel label, yet received little attention until years later.

Yngwie Malmsteen's influence on young guitarists produced an endless supply of technically competent, but largely uninspired, effigies.
Mark Varney signed the German guitarist/composer Bernd Steidl, who had been studying at the Guitar Institute of Technology (GIT) in California, after hearing a demo tape. Released without much press or fanfare, the recording was only mildly successful within the guitar-shred community.

Perhaps the reason for this was that the core American audience, primarily young, heavy metal-influenced guitar students, were not ready for the level of sophistication presented in this acoustic format.
In fact, the music on this recording bears little to no resemblance to the guitar shredders that Steidl was unfairly being compared to (i.e.Tony Macalpine, Vinnie Moore, Greg Howe).

Formally trained on classical music in Germany, but also influenced by the likes of Al Di Meola and Django Reinhardt, Steidl amassed a prodigious combination of guitar technique and compositional skills.
The listener is thus treated not only to staggering displays of guitar gymnastics, but also to distinctive, diverse, and memorable compositions that add up to a cohesive musical listening experience.

As the years went by and the spread of MP3s became the dominant form of music acquisition, word quickly spread about this recording, and a cult classic was firmly established.
There are a number of standout tracks here, with the jaw-dropping "Irrlichter" and haunting "Cobra Negra" being the most memorable.

The supporting musicians are careful not to overplay and make a valuable contribution, especially the eerie choral vocals of Dioni Michelle Collins.
With Psycho Acoustic Overture, Bernd Steidl managed to outplay and outclass his contemporaries, and although it took nearly a decade, the musical community finally realized this player's special talent.

Robert Taylor
The Artists
Bernd Steidl - Acoustic Guitars, Keyboards, Production
Atma Anur - Drums, Important Keyboard Recording Assistance
Brad Russell - Electric, Fretless and Upright Basses
Mark Robertson - Grand Piano
Petra Steidl - Grand Piano on "La Campanella", Transcription
Konstanze Licht - Harp on "Jeux D`Eau"
Dioni Michelle Collins - Background and Choral Vocals on "The Death Of Ludwig II" and "Walburgis Night"
Mike Varney - Executive Production
James Owens - Macintosh Programming, Sound Design
Andy Fuchs - Mastering, Digital Editing
Peter Luske - Engineering, Mixing
Friedrich Valetta - Engineering
Mooka Rennick - Engineering
Joe Marquez - Engineering
Benedykt Grodon - Mixing
Jill Kruge - Artwork, Layout
Veronika Kruge - Handwriting
Clive Butteig - Handwriting
Pat Johnson - PhotographyThe Music

1.Irlichter
2.Cobra Negra
3.Death of Ludwig II, The
4.Walburgis Night
5.Campanella, La
6.In Venice
7.Metamorphoses
8.Jeux d'Eau
9.Eine Kleine Bassmusik
10.Papillon
11.Will-o-the-Wisp

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!