Mostrando postagens com marcador Buddy Guy. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Buddy Guy. Mostrar todas as postagens

4 de ago de 2015

Eric Clapton & Buddy Guy II


Mais um registro não oficial do encontro destes Mestres da Guitarra...







1 de ago de 2015

Eric Clapton & Buddy Guy


Continuando com os duetos de Mr. Clapton, agora com o Blues Man Buddy Guy.

6 OCTOBER 1987 - ERIC CLAPTON WITH BUDDY GUY

LOCATION: Ronnie Scott's London United Kingdom

BAND LINEUP: 
Eric Clapton – guitar / vocals
Buddy Guy – guitar / vocals
Chris Stainton – keyboards
Greg Rzab – bass 
Gerry Porter - drums

SET LIST: 
01. Sweet Home Chicago
02. Play The Blues
03. Key To The Highway
04. Stormy Monday 1
05. Real Mother For Ya
06. Stormy Monday 2
07. Jam
08. Worried Life Blues 1
09. Worried Life Blues 2 
10. Hurt So Bad
11. I Just Wanna Make Love To You

SHOW NOTES: 
Filmed for inclusion in the South Bank Show documentary about Eric Clapton that was then in production.

BOOTLEG RECORDING(S): 
Ronnie Scotts 6 Oct 1987 (The Gold Standard BG 321 RS368 – 2 CD)
Black Magic Woman (EC Is Here DJ Copy 73/74 – 2 CD plus VHS of Southbank Show)

" A stunning performance, highly recommended. Several sources refer to  this disc as a soundboard but it's actually an excellent quality  audience recording. Recorded in a small club, it does not have the  "boominess" associated with many audience recordings. Buddy Guy's guitar  is clearly audible, and at the same volume level in the mix as EC's -  this is not the case with the soundboard material recorded and broadcast  from the show, in which Guy's guitar is very low in the mix and almost  inaudible. A careful listen during quiet passages reveals that all  instruments have some room reverb, as opposed to the "close" sound  associated with being close-miked. In particular, listen carefully on  headphones during the (stunning) performance of "Wanna Make Love to You"  and the room echo on all instruments is easy to identify during quiet  passages. "Wanna Make Love" is one of the down-and-dirtiest, funky,  greasy blues numbers you will ever hear - this is one that will grow  hair on your chest." ( http://electric--blues.blogspot.com.br/2011/12/eric-clapton-buddy-guy-live-at-ronnie.html )...




8 de jun de 2010

Buddy Guy - Feels Like Rain - 1993

Buddy pra mim é um tipo "paizão de todos"; um monstro nas cordas, um doce de pessoa e um ser humano invejável.

Neste som, só vou chamar a atenção pra música que dá título ao trabalho, e como sempre fui mais baladeiro são as que me cativam e poucas são tão perfeitas como esta.
Gosto sim de escrever, discorrer sobre vários pontos e assuntos, mas este post vou deixar falar por si só, acredito ser um dos melhores dele apesar da centena de trabalhos e cada um ter sua própria história.

Hoje estou de poucos uivos,rs, mas dá só uma olhada no time que toca num disco de 10 faixas apenas!

Feels like rain......Buddy Guy (nascido George Guy, em 30 de julho de 1936 em Lettsworth, Louisiana) é um guitarrista e cantor norte-americano de blues e rock. Conhecido por servir de inspiração para Jimi Hendrix e outras lendas dos anos 60, Guy é considerado um importante expoente do chamado Chicago blues, tornado famoso por Muddy Waters e Howlin' Wolf.

Tinha cinco irmãos e seus pais eram Sam e Isabel Guy.
Cresceu sob os conflitos da segregação racial onde banheiros, restaurantes e assentos de ônibus eram separados para brancos e negros.
Com sete anos de idade Buddy fez a sua primeira “guitarra”, um pedaço de madeira com duas cordas amarradas com os grampos de cabelo de sua mãe.

Com ela passava o tempo nas plantações e desenvolvia as suas “técnicas” musicais. Depois ele ganhou a sua primeira guitarra de “verdade”, um violão acústico Harmony que hoje se encontra no Hall da Fama do Rock and Roll, em Cleveland, nos EUA.
Em 1955, com 19 anos, Buddy trabalhava na Universidade Estadual da Louisiana. Nunca havia saído do estado quando em 1957 um amigo seu que era cozinheiro em Chicago foi visitá-lo e disse que ele precisava ir para Chicago tocar sua guitarra de noite e trabalhar de dia.
Guy se interessou pela proposta financeira, pois poderia ganhar em torno de 70 dólares por semana e quem sabe sair de noite para ver os mestres Howlin’ Wolf, Muddy Waters, Little Walter e de “quebra”, ainda aprender alguma coisa para tocar sua guitarra em casa.

Em 25 de setembro de 1957 Buddy saiu de Lettsworth e chegou em Chicago. O choque foi grande, saindo do ambiente rural e chegando na metrópole totalmente urbana. Buddy arrumou um emprego e após alguns meses conseguiu uma audiência no 708 Club.
Naquela noite chegou ao clube, em um Chevrolet vermelho, nada menos que Muddy Waters.
Buddy foi servir sanduíche de salame para ele que perguntou se ele estava com fome.
Buddy respondeu que, se ele era Muddy Waters, não estava mais com fome, encontrá-lo o alimentou.

Guy começou a tocar em bares de Chicago e seu estilo foi bem aceito. Ele começou a chamar atenção. Gostava de tocar como B.B. King e atuar no palco como Magic Slim. Resolveu, então, enviar uma fita para a gravadora Chess Records, selo tradicional do blues que contava com artistas como Willie Dixon, Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Little Walter e Koko Taylor. Em 1960 começou a fazer as guitarras das gravações destes grandes mestres da Chess. Era sempre o primeiro guitarrista a ser chamado pela gravadora.

O resto é História.....
Enquanto a música de Buddy Guy é freqüentemente associada ao blues de Chicago, seu estilo é único e inconfundível. Sua música pode variar desde o mais tradicional e profundo blues, à mais criativa, imprevisível e radical agregação entre blues, rock moderno e jazz livre, que se juntam a cada performance ao vivo de maneira inédita.

Em 2004, Jon Pareles, crítico de música pop do New York Times, escreveu: "Mr. Guy, 68, mistura anarquia, virtuosismo, blues denso e suas vertentes de uma maneira única, prendendo a si todas as atenções da audiência (...) Guy adora extremos: mudanças repentinas entre sons pesados e leves, ou um doce solo de guitarra seguido por um surto de velocidade, ou peso, improvisando idas e vindas com a voz... Seja cantando com doçura ou raiva, seja trazendo novas entonações a uma nota de blues, ele é um mestre da tensão e do relaxamento, e sua concentração e dedicação são hiponotizantes."

Alguns fãs de blues e críticos musicais acreditam que a discografia de Guy no período de 1960 a 1967 agrupa a melhor parte de seu trabalho. Algumas das novidades apresentadas por Buddy durante suas primeiras apresentações ao vivo foram capturadas pelos álbuns do "American Folk Blues Festival". Eric Clapton, Jeff Beck e Jimmy Page admiravam o lado mais radical de suas músicas, no início dos anos 60.

Suas músicas foram regravadas por Led Zeppelin, Eric Clapton, Rolling Stones, Stevie Ray Vaughan, John Mayall, Jack Bruce, entre outros. Algumas de suas primeiras canções foram “roubadas” por Willie Dixon e pelas primeiras gravadoras por onde Guy passou. Além disso, Guy talvez seja mais conhecido por suas interpretações criativas sobre os trabalhos de outros músicos. Fãs de blues mais tradicionais parecem apreciar álbuns como: The Very Best of Buddy Guy, Blues Singer, Junior Wells' Hoodoo Man Blues, A Man & The Blues e I Was Walking Through the Woods.

Os fãs mais contemporâneos parecem preferir Slippin’ In, Sweet Tea, Stone Crazy, Buddy's Baddest: The Best of Buddy Guy, Damn Right, I’ve Got the Blues, e D.J. Play My Blues. Uma performance ao vivo pode ser assistida no vídeo Live! The Real Deal e ele ainda está presente nos seguintes DVDs: Lightning In a Bottle, Crossroads Guitar Festival, Eric Clapton: 24 Nights, Festival Express, e A Tribute to Stevie Ray Vaughan.
Personnel:
Buddy Guy (vocals, guitar);
Bonnie Raitt (vocals, slide guitar);
John Myall, John Mayall (vocals, piano);
Paul Rodgers, Travis Tritt (vocals);
Marty Grebb (tenor, tenor saxophone, baritone saxophone, piano, organ, background vocals);
Leslie, John Porter, Johnny Lee Schell (guitar);
Jimmy Powers (harp);
Joe Sublett (tenor saxophone);
Darrell Leonard (trumpet);
Ian McLagan (piano, Wurlitzer organ);
Bill Payne (piano);
John Philip Shenale (organ, synthesizer);
Mick Weaver (organ);
Rick Cortes (bass guitar);
Richard Hayward, Joe Yuele (drums);
Tony Braunagel (percussion); Mike Finnegan, Renee Geyer (background vocals).Tracklist:
1. She's a Superstar
2. I Go Crazy
3. Feels Like Rain
4. She's Nineteen Years Old
5. Some Kind of Wonderful
6. Sufferin' Mind
7. Change in the Weather
8. I Could Cry
9. Mary Ann
10.Trouble Man
11.Country Man

Obs: textos estraídos da net e da wikipédia só a título de ilustração e respeito.

Enjoy!!!!!!!!!!!!!