16/09/2014

Roy Harper & Jimmy Page


03/06/2009






With a working title of Rizla due to the album's cover art (an unravelled orange Rizla pack), Jugula, as this album is often called, was released on the Beggars Banquet label (BBL60) and reached the UK Top 20. The album contains a number of original songs written by Harper. It is recorded in a fresh and spontaneous manner, often with only the unique sound of Ovation guitars and vocals. Occasionally, the arrangements are filled with synthesizer and electric guitar. This album in particular brought Harper to a new and wider audience, mainly due to Harper and Jimmy Page's appearances at the Cambridge Folk Festival in 1984, an album tour and a 15-minute televised interview by Mark Ellen on the Old Grey Whistle Test (16 November 1984). The interview featured Harper and Page playing their acoustic guitars on the side of Side Pike in the English Lake District, a somewhat different and unusual interview for the time. Songs played included "Hangman" and part of "The Same Old Rock".


This album was the fifth that Harper and Page had worked on, but the first entire record they made together.[2] Page's guitar playing is quite evident throughout the album, and is a natural complement to Harper's unique guitar work. The first track, "Nineteen Forty-Eightish", a reference to George Orwell's Nineteen Eighty-Four, crescendos with lead guitar by Page. Other tracks include "Hangman", a song that expresses the feelings of an innocent man condemned to die and "Frozen Moment", a song played entirely in the chord of C#. The title for 'Jugula' came from playing Trivial Pursuit, in order to explain to everyone how they should go about answering the questions as straight and honestly as possible I'd say, "Go for the jugula". It was going to be 'Harper & Page' for a while, but that's like selling Jimmy's name, then it went to '1214' which is the year that the Magna Carta was signed... but that was a bit esoteric. So one day we were talking and "jugula" came up, so I phoned the artist and they'd designed up to the 'Whatever happened to...' bit so I said leave it there and put Jugula at the end.



The track "Hope" originated as a tune written by David Gilmour for his second solo album About Face.[4] He asked Pete Townshend to supply lyrics, but felt that he couldn't relate to them, so Townshend used the song instead, as "White City Fighting", with Gilmour playing guitar,[4] on his album White City: A Novel.[4] Gilmour sent the same tune to Harper, whose lyrics had the same effect on Gilmour.[4] Harper used the result, "Hope", which has a markedly slower tempo,[4] on this album, with his son Nick Harper (16 years old at the time), playing the lead guitar (not Gilmour as is often mistakenly stated). A cover version of "Hope", with "Bad Speech" as an introduction, can be found on the album Eternity by the Liverpudlian band Anathema, an album that Harper also appears on.

11/09/2014

Led Zeppelin


Grande Led Zeppelin... A maior banda de Hard Rock de todos os tempos. segue uma grande coletânea, com músicas selecionadas pelos próprios:



Mothership é uma coletânea da banda inglesa de rock Led Zeppelin, lançada pela Atlantic Records e pela Rhino Entertainment em 12 de novembro de 2007 no Reino Unido, e em 13 de Novembro de 2007 nos Estados Unidos. Foi lançada no mesmo dia em que o catálogo inteiro dos Led Zeppelin tornou-se disponível para download pelas lojas digitais, incluindo a iTunes Store. A capa foi criada pelo artista Shepard Fairey. As canções incluídas foram escolhidas pelos membros sobreviventes dos Led Zeppelin, Robert Plant, Jimmy Page e John Paul Jones, e representam todos os oito álbuns de estúdio da banda. Além de um conjunto de dois discos, o álbum também está disponível em edições "deluxe" e "colecionador", com um DVD ao vivo com conteúdo diferente dos lançados anteriormente Led Zeppelin (DVD). Um edição em vinil com 4 LPs foi lançada em 26 de agosto de 2008. Em 8 de novembro de 2007, uma estação de rádio XM temporária, a XM LED, foi feita a fim de divulgar o álbum. Ela foi concebida para durar apenas seis meses, e cessou as suas operações em 5 de maio de 2008. O canal foi realmente retirado da programação XM em 7 de março de 2008.


05/09/2014

The Beatles.............................................


Este post está engraçado...

18/05/2009


Não gosto, não gosto e não gosto.....


Calma, muita calma neste momento......
Existem alguns ícones no mundo da música que são intocáveis e aí de você se colocar em posição contrária.
É o meu caso com os carinhas aí, rs



Qdo criança éramos bombardeados com filmes, desenhos, músicas, bonequinhos, moda, cabelo e etc e etc, como se o mundo só fosse isso e só existisse por causa disso.
Aquilo me irritava de uma tal maneira, que mesmo pirralho eu queria escolher, gostar ou não e eu não gostava.
Achava um som irritante, repetitivo e massacrante porque todo mundo tinha e todos tocavam e todos, absolutamente todos se encantavam com a "febre maníaca dos Beatles"


Eu já a época ouvia "The Hollies" e não entendia porque eles não tinham nem um espacinho em lugar algum aqui em terras brazucas, era só ......bem e ouvia outros sons, inclusive Stones que pra mim eram muito melhores pra ficar menos extensa esta conversa; fora outras bandas que vinham na cola da fase que nem vou enumerar agora mas tenho muita coisa, muito material pra confrontar o que digo.


Bem, eu não seria louco de dizer que os caras não sabiam o que faziam, mas o Ringo nem bateria sabia tocar direito qdo começou!!!!!!!!!!!!!!!
Era uma puta de uma máquina de marketing absurda e sufocante e aquilo não me fazia bem mesmo; depois qdo mais velho fui revisitando os trabalhos e ouvindo melhor e confesso gostar da fase final deles,(apesar de ter aprendido gostar de algumas coisas antigas também, mas nem todas) já com uma série de conflitos existenciais e aquilo tudo se refletindo na música e na relação, até o tão famoso "concerto no telhado!
Os caras estavam viscerais, estavam com raiva, estavam afim de superar uns aos outros; estavam se mordendo e aí sim mostraram pelo menos pra esse escriba um puta de um som e um qualidade que tinham, mas que as majors obrigavam a guardar pra eles próprios.


Mas devido à tudo isso que me fez inclusive fuçar mais pra buscar alternativas de posts dos caras, resolvi postar este trabalho; o qual acho sincero, honesto, ainda em começo de carreira; com atitudes juvenis, respostas as perguntas até inocentes e pequenos conflitos de estúdio resolvidos com uma naturalidade que o tempo tomou.
É como se fosse uma sessão de cinema antigo, de um filme gostoso de se assistir e vivenciar.
Já existe aos milhares pela net afora eu sei, mas esse foi uma amiga de minha filha que teve de ir pra o outro lado do mundo ganhar a vida, e antes de partir para o Japão, decidiu deixar comigo algumas relíquias de seu pai que já partiu pro outro lado.
Vc já imaginou isso?
Deixar algo tão importante com alguém, é uma demonstração de amor muito grande e ainda mais qdo tem um valor sentimental tão grande, por isso minha familia vai aumentando e filhas é o que mais ganho de presente e fico sempre muito feliz por isso.

Tá aí o original em mono "The Beatles Radio Sessions 62 - 65".
Obrigado Cristina e saudades querida filha............

Obs: Eu gostaria muito de poder postar minhas próprias imagens, mas por enquanto vou usando as que de melhor qualidade encontro; por exemplo meus discos são "made in Holland", mas as fotos são "made in Italy".
Ah!!! e aproveitem, se quiserem prq não acredito durar muito os links nos ar, mas eu reposto com certeza,rs...


Disco 01

Disco 02

01/09/2014

A Bronx Tale - Complete Session (Soundtrack)

Mais uma do fundo do Baú do Dead...

08/05/2009


A Bronx Tale - Complete Session

Estávamos outra noite dessas mano Cacá e eu divagando na varanda superior do Hospicio, aquela da ala nova, e alí entre uns petiscos e outros, papo vem e papo vai começamos a lembrar de filmes com musica e não só trilhas sonoras em filmes.

Me veio a cabeça o filme "Bronx Tale" que em nossas terras ficou conhecido como "Desafio no Bronx", e na hora o Cacá entre uma baforada e outra no narguilé que o mano Sara havia deixado lá se lembrou também e ainda disse: "Dead, aquilo sim é que foi filme heim?" e eu lembrei logo da trilha sonora e combinamos na hora em fazer uma presença aos internos, afinal eu também havia falado de musica negra com o mano Dio e precisava postar algo que agradasse paladares tão variados.
Como minha internet ainda é a lenha e a Véia some com tudo que é tição daqui, Cacá se disponibilizou subir áudio e vídeo, afinal presença que se preze tem que ser completa, e foi o que fizemos juntos; (ele ralou pacas com a net e eu só escrevi esse monte de coisas,rs).
Abaixo vcs encontram o filme original e lindíssimo na primeira direção de De Niro e com Chazz Palmiteri nos roteiros de uma história que considero um marco, pois o encaixe das músicas e as cenas são antológicas; o local da filmagem não poderia ter mais alma do que o Bronx e a mistura de raças e seus conflitos são de uma energia contagiante.
Bem, o que o Cacá não gosta de escrever eu já abuso da boa vontade, mas sei que muitos já viram, mas outros ainda não tiveram oportunidade, então aproveitem prq é um dos melhores filmes com uma das melhores trilhas sonoras que já vi.

(O filme fica para uma próxima oportunidade, mas a trilha sonora está mais abaixo)



1. Cool Chang - The Streets Of The Bronx
2. Dion And The Belmonts - I Wonder Why
3. The Cleftones - Little Girl Of Mine
4. Della Reese - Don't You Know
5. Jerry Butler - For Your Precious Love
6. Dean Martin - Ain't That A Kick In The Head
7. Cool Change - Father And Son
8. The Rascals - A Beautiful Morning
9. Aaron Nevile - Tell It Like It Is
10. Bobby Watson - Bustalk
11. The Gerry Niewood Quartet - I Only Have Eyes For You
12. Wilson Picket - Ninety Nine And A Half (Won't Do)
13. The Moonglows - Ten Commandments Of Love
14. The Flamingos And The Complexions - I Only Have Eyes For You
15. The Moody Blues - Nights In White Satin
16. The Four Tops - Baby I Need Your Lovin'
17. Butch Barbella - Regrets
18. The Jimmi Hendrix Experience - All Along The Watchtower
19. The Impressions - I'm So Proud
20. James Brown - It's A Man's Man's Man's World
21. Donald Byrd - Cristo Redentor
22. Bells And String Orchestra - Streets Of The Bronx
Valeu a parceria maninho Cacá!!!!!!!!!!!!!

26/08/2014

Tony Iommi & Glenn Hughes (2005)

Saindo do baú do Dead...

04/12/2008


É pra quebrar a banca!!!!!!!!!!!

Não sou dos mais chegados em rock pesado.
Não sou fanático pelo trabalho do Tony, apesar de sabê-lo ser um dos melhores de todos os tempos e estar na história do rock por toda a eternidade por tudo que fez e ainda faz.

A reunião que conheço melhor entre meu ídolo Glenn Hughes e Tony Iommi é o álbum "Seventh Star" e sua cria menor o "Eigth Star"; menor porque do bootleg oficial (rs) só foram impressas 500 cópias e o que roda por aí é cópia de cópia, porque nem eles tem o original(essa é de fuder mesmo!!!!) e poucos podem se dar ao luxo de dizer que possuem uma cópia original (ré,ré,ré).
Bem , sobre o trabalho acima muita besteira se falou e até nas mais famosas revistas de magazines disseram que eram somente três os componentes do trabalho porque Tony queria algo mais "clean"....é de fuder mesmo!!!!

Abaixo segue uma relação dos integrantes e dá pra notar um tal de "Bob Marlette", tocando teclados e claro "baixo" naquelas músicas em que Glenn só canta.....porra qqr um menos inteirado da carreira de Glenn Hughes sabe que ele costuma sim, só cantar em várias faixas de todos os álbuns solo que lançou ou que participa e pra evitar desmentidos é só olhar o video maravilhoso postado pelo maninho JHII dele aqui no L.P.
http://lagrimapsicodelica.blogspot.com/2008/12/glenn-hughes-why-dont-you-stay-good.html

Bem o que interessa é o som....e é uma porrada atrás da outra e pra quem curte Black Sabath ou Deep Purple ou a carreira dos caras vai sentir que a pegada deles juntos é pra arrebentar qualquer bandinha meia-boca que se diz rockeira, lá fora ou aqui mesmo no nosso pais varonil.
Pra passar o tempo que eles tinham disponível (ok, contratos também) Tony novamente chama seu amigo agora livre de drogas e cada vez melhor e dá nisso..............mas se vc tiver um tempinho pesquise sobre essa lista, e vai perceber que ela não foi colocada á toa e só tem fera fazendo o que sabe......e as revistinhas que ditam moda dizendo que o disquinho não é isso tudo ; que só eram 3 integrantes e que os caras em final de carreira lançaram mais um caça-níquel......à chega!!!! se estiver afim de ouvir quem sabe o que faz, fique à vontade.


Writing Credits
All songs by A. Iommi/G. Hughes/B. Marlette
Other Credits - Producers

Tony Iommi - Guitars
Glenn Hughes - Vocals, Bass
Kenny Aronoff - Drums
Bob Marlette - Keyboards, Bass
Produced, Engineered, & Mixed by by Bob Marlette
Additional production by Tony Iommi
Additional engineering by Mike Exeter
Programming by Mike Exeter & Sid Riggs
Mastered by Dick Beetham at 360 Mastering, London
Executive Producer - Ralph Baker
Artwork & Design by Hugh Gilmour
Logo by JMO Design


Download

NENHUM COMENTÁRIO:


POSTAR UM COMENTÁRIO



21/08/2014

Thunder - Thunder (1974)


Thunder was a duo, consisting of David Alley and Whitey Thomas. For this, their only release, they got a little help from some friends. Like Bloodrock's Randy Reeder, guitarist Bugs Henderson and, of course, John Nitzinger. John playing guitar, bass and writing about half the album. Well, it's a fun record for sure. Very 70's, Southern funky boogie rock. I love the keyboards, funny sounds and all, and some fierce guitar picking. The vocals at times have a chipmunk quality to them, but that's alright. And the songs work just nicely for me. There's a song called King's X on the album, written by Nitzinger. Was that where the band King's X got their name from? Anyway, enjoy. http://skydogselysium.blogspot.com.br/2009/01/thunder-thunder-1974.html ).




17/08/2014

Slide Guitar Men


A técnica de usar um slide em uma corda foi originalmente idealizada para instrumentos de cordas, com influência direta dos Africanos que usava um ¨arco de diddley". A técnica tornou-se popular por artistas de blues afro-americanos. O primeiro músico a ser gravado usando o estilo era Sylvester Weaver5 que gravou duas peças solo "Guitar Blues" e "Guitar Rag", em 1923. Alguns dos artistas de blues no sul dos Estados Unidos, que mais usaram o slide, incluem o cantor gospel Blind Willie Johnson, Blind Willie McTell, Son House, Robert Johnson (Rei do blues do delta) e Casey Bill Weldon.   Provavelmente os primeiros influentes do blues elétrico no slide guitar é Elmore James, cujo riff na canção " Dust My Broom " é influência direta de Robert Johnson.  A lenda do blues Muddy Waters, foi a maior influência no blues depois de Robert Johnson. Seu talento foi decisivo para o desenvolvimento do blues elétrico de Chicago.

Convido-os a dar uma ouvida nesta seleção de Slide Guitar:




13/08/2014

So Blue, So Funky




Uma tremenda obra de arte... Este discão estava no armário de meu cunhado, esquecido, jogado 'as traças. O que estes músicos fazem com o Hammond é simplesmente inacreditável. Para ouvir e dançar!!!!


Blue Note's So Blue, So Funky, Vol. 1 is a 12-track compilation that highlights the funkiest soul-jazz organists that recorded for the label, whether it was a leader or as a sideman. Although there's a handful of cuts from the early '60s, such as "Face to Face" by the terrific, underrated Baby Face Willette, the compilation leans toward the funky fusions of the late '60s, such as Big John Patton's "Fat Judy," Lou Donaldson's "Everything I Do Is Gon' Be Funky (From Now On)," Jack McDuff's "Butter for Yo' Popcorn" and Grant Green's "Ain't It Funky Now." The best thing about this comp is that even though it has familiar names, not all of the material is readily available on CD, which makes it of interest to casual groove fans and serious collectors alike.

Palhinha:



09/08/2014

Asia - Um Prog anos 80


Após o término do King Crimson em 1974, vários planos para a formação de um supergrupo envolvendo o baixista John Wetton foram cogitados, incluindo o projeto British Bulldog com Bill Bruford e Rick Wakeman em 1976. Em 1977, Bruford e Wetton reuniram-se no UK junto com o guitarrista Allan Holdsworth e o tecladista e violinista Eddie Jobson. Seu álbum homônimo de estréia foi lançado em 1978. Em 1980, após o fim do UK e a saída de Wetton do Wishbone Ash, um novo supergrupo foi sugerido envolvendo Wetton, Wakeman, Carl Palmer e Trevor Rabin, mas Wakeman desistiu pouco antes. No ano seguinte Wetton e o guitarrista Steve Howe começaram a trabalhar juntos, com Howe, recém saido do Yes, no início do mesmo ano. Howe e Wetton reuniram-se então com o tecladista do Yes e do The Buggles, Geoff Downes. Carl Palmer reuniu-se também postariormente. Trevor Rabin também foi considerado para a banda e chegou a gravar alguns materiais junto, mas desistiu para aceitar a oferta de Chris Squire e Alan White no qual tornou-se o novo Yes. As primeiras ofertas para a banda foram consideradas decepcionantes para os críticos1 e para os fãs do rock progressivo tradicional, que consideraram sua música muito mais próxima ao AOR. Entretanto a banda cativou fãs de bandas do começo da década de 1980 tais como Journey, Boston e Electric Light Orchestra.


Asia é uma banda de rock progressivo formada em 1981 como um supergrupo de ex-integrantes de Yes, King Crimson, Emerson, Lake & Palmer e The Buggles. Alguns sucessos da banda são Heat Of the Moment, Only Time Will Tell e Wildest Dreams, músicas do primeiro álbum da banda, lançado em 1982. Posteriormente, as formações foram mudando, sendo a mais significativa, a saída de John Wetton em 1991, e a subsequente entrada de John Payne, no baixo e vocal.

O primeiro álbum da banda, Asia, teve sucesso comercial considerável, permanecendo por nove semanas no primeiro lugar das paradas dos Estados Unidos, impulsionado pelos singles "Only Time Will Tell" e "Heat of the Moment", ambos banstante usados um eventos esportivos naquele país. A turnê por aquele país também foi bem sucedida, com lotação em todas as datas entre 1982 e 1983, enquanto que a MTV também mostrava bastante seus videoclipes. Foi considerado pela Billboard o álbum do ano. Downes a esta altura detinha o posto de tecladista com maior número de teclados em um palco. Usava cerca de dezessete instrumentos em turnê, marca que não foi superada até hoje. A banda tornou-se uma das pioneiras da segunda fase do rock progressivo ao evitar as longas composições da primeira fase da década de 1970, um formato mais atrativo para as rádios. Álbuns seguintes como 90125 (Yes) seguiram os passos do Asia.


Line-up / Musicians:
John Wetton - Baixo, Segunda voz, Teclado
Carl Palmer - Bateria, Percussão
Steve Howe - Guitarra, Violão, Vocal
Geoffrey Downes - Teclado, Vocal

Asia 1982



04/08/2014

Jimmy Page Soundtracks


Para fans de Jimmy Page... Dois de seus inúmeros trabalhos de trilha sonora.



Charles Bronson em busca de vingança novamente, porém ao som da guitarra de Jimmy Page.

Palhinha de Violence & Guitar



Lucifer Rising and Other Sound Tracks - Jimmy Page

Lucifer Rising and Other Sound Tracks is an album by Jimmy Page, released on vinyl record only exclusively through his web page on the Spring Equinox, in 2012. It contained music Page produced, but never used, for the Kenneth Anger film, Lucifer Rising.

Side A
"Lucifer Rising" - Main Track (20:29)

Side B
"Incubus" (1:43)
"Damask" (2:00)
"Unharmonics" (2:04)
"Damask - Ambient" (2:02)
"Lucifer Rising - Percussive Return"

30/07/2014

NODDY´S PUNCTURE with Keith Emerson


Uma grande banda, inspirada pelo ELP...

 "Oi Java,

       Esta é a maior Banda cover de Emerson, Lake & Palmer  [NODDY´S  PUNCTURE] e a importancia deste álbum (no link) é que 3 das 4 músicas (apenas isentando a primeira) contam com a participação do próprio Keith Emerson nessa apresentação.
       Imperdível!!!

C A R L O S"

Members 
Tom Szakaly : Keyboards 
Ed Blaney : Bass, Guitars, Vocals 
Steve Roberts : Percussion 







26/07/2014

K2 - Tales of Triumph and Tragedy [Don Airey - feat. Cozy Powell] (1988)


Álbum solo do grande tecladista Don Airey...

Don Airey (Sunderland, 21 de junho de 1948) é o tecladista da banda de rock Deep Purple desde 2002, quando substituiu o tecladista Jon Lord. Ele teve uma carreira longa e produtiva, trabalhando com artistas e bandas como Gary Moore, Ozzy Osbourne, Judas Priest, Black Sabbath, Jethro Tull, Whitesnake, Colosseum II, Sinner, Michael Schenker, Uli Jon Roth, Rainbow, Divlje jagode e Living Loud. Ele também trabalhou com Andrew Lloyd Webber.


Faixas:
1. K2 Overture 
2. Sea of Dreams, Pt. 1 
3. Sea of Dreams, Pt. 2 
4. Voice of the Mountain 
5. Song for Al [Instrumental] 
6. Balti Lament 
7. Ascent to Camp 4 
8. Can't Make Up Your Mind 
9. Summit Push 
10. Close to the Sky 
11. Blues for J.T. 
12. Julie (If You Leave Me) 
13. Death Zone/Whiteout 
14. Song for Al [Vocal Version] 
15. Take Me Home

Músicos:
- Don Airey / keyboards
- Gary Moore / guitars
- Keith Airey / guitars, backing vocals
- Laurence Cottle / bass
- Cozy Powell / drums
- Chris Thompson / vocals (1, 8, 14, 15)
- Colin Blunstone / vocals (12)
- Genki Hitomi / vocals (13)
- Mel Galley / vocals (3)
- Ian Harrison / backing vocals 
- J. J. Morland / backing vocals
- Gordon Honeycombe / narrations
- Michael Airey / glockenspiel (10)

ENJOY!!!

(CARLOS)

22/07/2014

Edge Of The World (2006) [Tipton, Entwistle & Powell]




Edge of the World is an album created by Judas Priest guitarist Glenn Tipton, The Who bassist John Entwistle, and renowned drummer Cozy Powell. Consisting of tracks that were not released on Baptizm of Fire, Tipton released the album on March 7, 2006 in memory of Entwistle and Powell. "I'm sure everyone will know," Tipton stated, "this album is a tribute to their unique styles and skills and a small part of the immense legacy they have left behind which will continue to inspire people all over the world for many years to come." Glenn presented the tracks to Rhino/Warners Entertainment and they agreed that this album had to be released. This album was released March 7th, 2006 and all proceeds from sales go to the Teenage Cancer Trust.



(Um presente de CARLOS)

18/07/2014

Emerson, Lake & Palmer - sem Palmer e sem Lake!???


1978 foi um ano de crise para o ELP. Eles estavam cansados e sua música não tinha mais aquela inspiração. Eles se separaram por cansaço e alguns conflitos pessoais... 

Em 1985, Emerson e Lake reformaram o Emerson, Lake & Palmer, e o chamaram de Emerson, Lake & Powell desta vez com o baterista de heavy metal Cozy Powell. Palmer não aceitou participar da reunião, preferindo se manter com o Asia. Rumores também ligavam Bill Bruford à nova formação, mas o ex-baterista do Yes estava com o King Crimson e seu novo grupo Earthworks. Emerson, Lake & Powell teve sucesso razoável, com o single Touch and Go gerando espaço nas rádios e na MTV. Apesar disso, a tensão já antiga entre Lake e Emerson resurgiu na turnê de 1986. Emerson e Palmer posteriormente se uniram a Robert Berry para formar a banda 3, que não obteve sucesso.

Seguem estes registros, que embora não sejam grandes obras, constam na história deste grande grupo, e devem constar na coleção de fãs do ELP...














E apenas para comparar, segue um Master Piece...




Emerson, Lake and Palmer é o álbum de estreia do trio de rock progressivo, Emerson, Lake & Palmer. Contém um dos maiores sucessos, a canção "Lucky Man". Foi lançado em 1970.

(Diretamente do baú do C A R L O S)