4 de ago de 2010

King Crimson - In the Court of the Crimson King (40th Anniversary Edition)

O Crimson lançou 03 packs simplesmente fantásticos em 2009, sendo um do disco acima, do "Lizard" e tb do "Red", todos pra comemorar os 40 anos de aniversário desta banda revolucionária, louca, cheia de altos e baixos, considerada por muitos a melhor e seu mentor e criador Robert Fripp um verdadeiro gênio enquanto por outros é tida como um fracasso retumbante e ele uma farsa.

Como adoro polêmicas e já fiz isso com especialistas nos caras, afinal tenho aqui postado um dos primeiros bootlegs deles (de 69) que é meu o disco original e que não consta nem na bio de boots (rs) uma versão italiana e menor do que essa compilação, básicamente minha iniciação e que mostra o qto tento acompanhar a carreira do "Rei e sua corte";passando por umas dezenas de trabalhos e ainda ganhando de presente um dvd duplo japonês o "Eyes Wide Open" com shows de 2000 e 2003 (remasterizado a pouco tempo).

No meu simples entender a melhor fase deles está aqui documentada, e com o Lake foi o auge de todo esse movimento original progressivo, provado na sequência de sua saída para o ELP; e que mesmo com a vinda de outro mestre (Wetton) o padrão começa a cair não ficando ruím mas longe do pico do início.

Falar mais é chover no molhado, e aqui só tenho a agradecer ao amigo "Guevara" do belo site Mussiqa Best Music from the Web que gentilmente cedeu seus links do rapidshare o que facilita em muito para os quase 01gb de material em 05 discos e artes inclusas; e pra quem é fã creio que o melhor do "Lagarto" será encontrado por lá.
Aqui sua resposta ao meu pedido:

"Thank you for such a comment use any link you like my friend
keep visiting Mussiqa"


Guevara thanks my dear friend.

Os releases abaixo foram tirados do site oficial da banda e claro que dá pra ver assinado pelo próprio Fripp; e o que me chama a atenção é que apesar de eternos, nós lobos somos saudosistas e me lembro como se fosse hoje quando ouvi pela primeira vez "In the court" e Epitaph".

Se tornaram de imediato minhas preferidas, afinal sou sim baladeiro e prefiro as mais tensas e românticas às loucas e desconexas e lá se vão 40 anos do seu lançamento........e acho melhor quem quiser baixar logo aqui prq..........!!!!!!!King Crimson Re-Issues in 5.1 Surround Sound
In 2009 DGM launches the King Crimson 40th Anniversary Editions. Each album features a new 5.1 surround sound mix by Porcupine Tree's Steven Wilson, additional bonus material, comprehensive sleevenotes and in some cases, a new stereo mix.

The first releases in October 2009 are In The Court of the Crimson King, Red, and Lizard. The series will continue throughout 2010.

Over the course of the next twelve months this website will celebrate all the releases, providing features on each of these classic albums that will include track listings, background details, excerpts from sleevenotes, exclusive video, interview and bonus materials.

© 2009 Robert Fripp http://www.king-crimson.com/ It’s astonishing to think that when this record was released in 1969 King Crimson had been together for less than nine months.

Aside from the impeccable musicianship, the record’s impact was helped enormously by Barry Godber’s cover painting. Commissioned by Crimson lyricist, Pete Sinfield, rarely has an album sleeve so accurately conveyed the shock-and-awe reaction which this extraordinary music produced in its listeners. Even the jewel-case format has done little to dilute its iconic power.

Going into the album charts upon its release on both sides of the Atlantic, the first incarnation of Crimson imploded whilst on tour in America in December 1969. Though short-lived, the music produced by this line-up continues to resonate 40 years later.

In light of this, Pete Townshend’s declaration that the album was “an uncanny masterpiece” seems something of an understatement.
In addition to the revelatory 5.1 surround sound mix, the 40th Anniversary editions of In The Court of the Crimson King also come with a brand new stereo mix by Robert Fripp and Steven Wilson, as well as numerous previously unreleased extras including alternate takes of I Talk To The Wind, the backing track for Epitaph (including a previously unheard guitar solo), and a powerful instrumental version of the first take of 21st Century Schizoid Man.

Please go to the shop to check out the full tracklistings of all three 40th Anniversary Editions of Court.
“brooding Wagnerian angst and whizz-bang virtuosity...daringly executed, lovingly updated in high-res, lossless sound” John Bungey, The Times

“music rich in ambition and atmosphere...the frenzied jazz-rock of 21st Century Schizoid Man...wouldn’t sound wildly out of place on a Queens of The Stone Age album” Paul McGee, The Word.

“King Crimson’s debut is still eclectic and original enough to lay claim to being the first major statment of the progressive rock epoch.” Mike Barnes, Mojo.

"The new version of In The Court of the Crimson King (is) restored from the best available studio master tapes...These DGM DC/DVDA editions are essential for longterm fans and newbies alike” Tommy Udo, Classic Rock presents Prog
The 2009 Remix

This, the Wilson-Fripp 2009 Definitive Edition Remix, was an unexpected yet inevitable outcome of Steven’s interest & initiative in moving the Crimson catalogue into 5.1.

The original Wessex recording was on 8-track. This necessitated several sub-mixes; such as drums, bass guitar, piano & acoustic guitar on one stereo pair and all the mellotrons on another. These stereo sub-mixes were then mixed down to the original stereo master; the final master took another generation, to allow for cross-fades; and production masters went another generation.

The original stereo master was lost for decades, found by Simon Heyworth in a pile of KC tapes from the Virgin tape store, and until recently was the best master available.
On this release, Steven was able to transfer all the original analogue multi-tracks to digital, enabling us to work from the first generation tracks prior to sub-mixing.

We have taken the original mix as our template. The only significant change to the original release is our edit of the improv following Moonchild. This was discussed at the time, has been discussed since, and is now done.

Robert Fripp
June 27th. 2009;
Worcestershire, England.
The legacy of In The Court of the Crimson King.

A life-long King Crimson fan, 40th Anniversary Editions producer, Porcupine Tree's Steven Wilson offers his thoughts on the debut album.

“For me this is the birth of progressive rock. Yes there were other albums before that. You could say Sgt. Peppers or Moody Blues Days Of Future Passed have a claim to laying down a blueprint of progressive rock but ITCOTCK really is the first time you have such technical prowess allied to musical experiments, great songwriting, and a conceptual feeling all tied together in one record.
I think musicianship is the key here. Bands like The Beatles and the Moody Blues attempted very ambitious psuedo-progressive albums before, but Crimson was the first time you had a band that were able to go that one step further in terms of their musicianship. They were young guys full of ideas and ambition and I really think you have to say that this is the true point at which progressive rock is born, and some would say never bettered.

Some people snigger at the idea of progressive rock but for me when progressive rock was at its peak in the 69 - 74 period it was the most experimental, most credible, most ambitious music that has ever been made. The guys were reaching for the stars and very often got there."
Robert Fripp Guitar

Michael Giles Drums, Percussion, Backing Vocals

Greg Lake Bass Guitar, Vocals

Ian McDonald Saxophone, Flute, Clarinet, Vibes, Keyboards, Mellotron, Backing Vocals

Peter Sinfield Lyrics Illumination...© 2009 Robert Fripp.
Personel:
Robert Fripp Guitar
Michael Giles Drums, Percussion, Backing Vocals
Greg Lake Bass Guitar, Vocals
Ian McDonald Saxophone, Flute, Clarinet, Vibes, Keyboards, Mellotron, Backing Vocals
Peter Sinfield Lyrics, Illumination
Tracklist:
21st Century Schizoid Man
including Mirrors
I Talk to the Wind
Epitaph

including March for No Reason and Tomorrow and Tomorrow
Moonchild

including The Dream and The Illusion
The Court of the Crimson King

including The Return of the Fire Witch and The Dance of the Puppets.


CD1
1."21st Century Schizoid Man"
2."I Talk to the Wind"
3."Epitaph"
4."Moonchild"
5."The Court of the Crimson King"
6."Moonchild" [full version]
7."I Talk to the Wind" [Fripp and McDonald duo version]
8."I Talk to the Wind" [alternate take]
9."Epitaph" [backing track]
10."Wind session" [extracts from the session that produced the intro to "21st Century Schizoid Man"]
tracks 1-5: 2009 Robert Fripp & Steven Wilson re-mix from the original multi-track master tapes.
tracks 7-10: Alternative takes from the original studio session. Mixed & produced by Steven Wilson.

CD2
1."21st Century Schizoid Man"
2."I Talk to the Wind"
3."Epitaph"
4."Moonchild"
5."The Court of the Crimson King"
6."21st Century Schizoid Man" [early instrumental recording]
7."I Talk to the Wind" [BBC session, from bootleg source]
8."21st Century Schizoid Man" [BBC session, from a BBC transcription disc]
9."The Court of the Crimson King (Part 1)"
10."The Court of the Crimson King (Part 2)"
tracks 1-5: 2004 re-master, transferred of the original 1969 vinyl mix
tracks 7-8: BBC Radio 1 session
tracks 9-10: A-side and B-side from the original vinyl single

CD3
1."21st Century Schizoid Man" [trio version – instrumental]
2."I Talk to the Wind" [studio run-through]
3."Epitaph" [alternate version]
4."Moonchild" [take 1]
5."The Court of the Crimson King" [take 3]
6."21st Century Schizoid Man"
7."I Talk to the Wind"
8."Epitaph"
9."Moonchild"
10."The Court of the Crimson King"
tracks 1-5: Alternative takes from the original studio session. Mixed & produced by Steven Wilson.
tracks 6-10: De-clicked vinyl transfer of the first Island Records stereo UK pressing run.

CD4
1."21st Century Schizoid Man"
2."The Court of the Crimson King"
3."Get Thy Bearings"
4."Epitaph"
5."Mantra"
6."Travel Weary Capricorn"
7."Mars"
8."The Court of the Crimson King"
9."A Man A City"
10."Epitaph"
11."21st Century Schizoid Man"
tracks 1-7: restored bootleg, recorded live at Hyde Park, London, 5 July 1969
tracks 8-11: restored bootleg, recorded Live at Fillmore East, New York, November 1969

CD5
1."21st Century Schizoid Man"
2."I Talk to the Wind"
3."Epitaph"
4."Moonchild"
5."The Court of the Crimson King"
6."The Court of the Crimson King"
tracks 1-5: mono album mix used for radio promotion only in the USA
track 6: edited, mono single mix used for radio promotion only in the USA

+Artwork

http://mussiqa.net/to/ej Password : Mussiqa.Net

Obs: Sei que a maioria sabe se virar ou tem conta no rs, mas pra quem não quer apanhar que nem eu apanhei recomendo um programinha free que basta copiar, colar e dar início e ir cuidar da vida.
Alguns dizem que é lento e tal, mas ele dá a menor e a maior vel e tira a média e pra mim sempre trabalha no máximo e não precisa instalar, eu salvei e guardo prq me é muito útil.
Free Rapid Downloader até agora só não virou no mediafire apesar de constar como "ok"

Enjoy!!!!!!!!!!!!

12 comentários:

  1. Padrão foi caindo? Tudo bem, vc pode até falar que igual a este 1º, não fizeram outro, mas dizer que o padrão foi caindo, respeito sua opnião mas não concordo. Escute o Island, o que falar do Red, vc pode não gostar mas discipline é uma aula. Tudo bem, é que Fripp esta a frente de seu tempo, e é logico que ele não ia ficar repetindo formulas.
    Viva a polêmica, grande post!
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Luiz não se esqueça nunca que é só minha opinião ok? Polêmicas são ótimas sim e as adoro por isso me exponho e não to nem aí,rs
    É que acho como disse que a falta do Lake foi o fator divisor pra o Fripp, ele é sim um gênio, mas sempre ancorado em alguém e hj com Belew e Trey Gunn ele me parece uma cópia mal feita de si mesmo, e olha que os dois em trabalhos próprios sãomaravilhosos (ao meu ver ok?)Qdo o Lake sai, entra o Wetton mas o que o Fripp faz? Rouba o trabalho de Keith Tipped e diz a ele, que se quisesse participasse do disco, mas seria dele; isso aconteceu com o Lizard uma obra prima pra mim, mas de autoria do Tipped, que teve de abortar seu disco prq o Fripp ia lançar primeiro prq participando da montagem roubou a idéia e as partituras, é mole?
    Adoro o Red, tenho as 3 edições que citei dos 40 anos, amo de paixão o Tree a Perfect Pair, mas o Fripp tem umas histórias cabulosas que não me deixam admirá-lo tanto mas somos todos humanos e sujeitos a erros, eu que não vou julgá-lo. Mas que o ELP foi o que o Fripp queria, eu vejo que sim e graças a liga que o Lake fazia entre o Keith e o Palmer, e suas canções até hj tb tocam no mundo todo.
    Concordo com vc na qualidade sonora do Fripp and band, mas não consigo comparar com esse o Red, e o Lizard e cada um pra mim é inferior ao outro e daí em diante foi uma alternãncia tão grande que eu desisti de entender.
    Luiz por vc querer polemizar mas sendo inteligente pra mim é um prazer debater e expor um pouco mais do que acho, mas é só o que acho e mais nada, não muda a história e a marca que esses caras deixaram na música em nada nem os desmerece; só tento colocar cada coisa em seu devido lugar.
    Viva o Crimson e seu Rei Lagarto!
    Abs
    Enjoy!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Não sei se já te disse, mas sou membro efetivo, vitalício e plenipotenciário da AMMPRV - Associação Mundial Morte ao ProgRock Revival.

    Embora prog não seja minha preferência - loooonnnge disso - Rei Crimson é o que há de melhor.
    É verdade que muitas vezes mandei Fripp à merda´(por vários motivos que aqui não cabem, agora) mas todas discografia dele tem alto conceito comigo.

    Porém uma coisa sempre me deixa "com um pé atrás": Esse lance de disco comemorativo com um montão de bonus. E nesse caso um montão mesmo! Devemos sempre ter em mente que o material não fora aproveitado à época. Qdo inéditas, as vezes porque não cabia na bolacha. Qdo versões, as vezes pq não teria passado pelo ISO9007 do(s) artista(s).

    Bem, qdo o cara é fã isso não é motivo para não fazer o download.

    Valeu! E tô levando,

    ResponderExcluir
  4. Olha são praticamente 05 álbuns iguais, ou quase, mas quem gosta como vc mesmo se entrega,rs,vai querer ter pelo menos como lembrança, é raro conseguir um material nessa qualidade de um trabalho tão antigo e de matrizes confiáveis, veja aí que uma parte tava perdida e foi recuperada de tapes de colecionador e de gente que nem sabia que tinha. Acho que isso vale, por isso tenho este e os outros dois.

    Enjoy!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. whoa .... in the court of crimson king é meu disco preferido da primeira fase.

    congratulations, my dear.

    obrigado!

    ResponderExcluir
  6. Meu disco preferido da banda. Concordo com as suas preferências das faixas. A meu ver, a maior atração desse disco é Ian MacDonald.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Kra, é isso ai! O que quero dizer é que tem q ser observado as mudanças e o contexto de cada uma das fases. Acho que é uma evoluçao, isto é que faz do KC ser diferente das maiorias dos outros Progs. que mantiveram suas formulas e acabaram sucumbindo ao tempo. Penso que as fases são diferentes, mas o padrão sempre se manteve alto. Bem e quando penso em Fripp, lembro de gente como Miles Davis, Frank Zappa, e etc, que sempre trabalharam com gente de respeita e que se tornaram depois grandes talentos.
    Pôxa e eu esqueci do Lizard um dos meus preferidos, bem lembrado.
    Abços Dead, estarei por ai, sempre visitando seu otimo blog.

    ResponderExcluir
  8. Pues para mi, que aparentemente soy de otra generación y a pesar de que los primeros discos son muy valorados, lo que mas me atrae (y escucho regularmente) son la trilogía Discipline, Perfect Pair, Beat... así y todo hay muchos temas que simplemente no escucho, y de ahí la salvedad, de estos tres logro juntar suficientes temas para uno. Abierta la discusión, ahora a aguantar los comentarios. :P
    Saludos!

    ResponderExcluir
  9. Já disse mi amigo, eu sou baladeiro, então as mais sonoramente acessíveis me marcaram mais e mesmo no TAPP tem duas nesse estilo, o resto do KG acho barulho demais e pouca inspiração, acho mais uma confusão e a chamada dissincronia,rs
    Quem faz isso muito bem é o Hermeto mas é outra história, o Fripp não conseguiu, é só pegar com o Trey Gunn que vc vê o Hermeto por ali, mas qdo ele próprio conduz é uma maravilha (pra mim)e seus discos solo tb são ótimos como os do Levin.
    Agora que história é essa de geração? lobos são eternos mas nem por isso museus heim? ré,ré,ré
    Saludos!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Anônimo8:27 AM

    Hi, the password don't work....Please tell me what it is, I whant that so much

    Thanx

    ResponderExcluir
  11. http://mussiqa.net/king-crimson-court-crimson-king-40th-anniversary-edition/ it's ok!!!!

    ResponderExcluir