26 de jul de 2010

David Bowie - Black Tie, White Noise

A Lucy qdo some faz falta mesmo, ela pensa que eu fico puxando saco mas é verdade; e nesses dias que ela tá meia afastada do pc, a gente não tem se falado muito apesar que não usamos só pc pra comunicação mas enfim; de repente ela me aparece do nada com um recado no mural e eu curioso que só vou atrás e olha só o que trago pra nós!!!!!

Ainda pra deixar bem claro, tá aí o vídeo de uma das músicas deste álbum meio que fatídico, fadado ao descaso no conjunto da obra de um dos maiores gênios da música moderna, chamado de "camaleão" por suas transformações o que eu discordo (novidade,rs) completamente prq o que ele é pode ser considerado a "efervecência" em pessoa; um ser múltiplo de capacidade muito acima do normal e sempre achei que endeusam demais o Brian Eno, enquanto pra mim "o cara" é o Bowie.

David Bowie, um dos meus primeiros mestres qdo ouvia seu Ziggy Stardust e outros sons, via suas coreografias e tinha na parede um poster que mal identificava aquele ser como homem, mulher ou sei lá o quê e isso marcou demais minha vida junto a outros sons também didáticos e iniciáticos (ré,ré,hoje tô meio que viajando no som e na sonoridade e nas palavras), mas David Bowie sempre ficou além de qqr codificação ou segmentação sendo sempre ele e só ele, prq até hoje não vi nada parecido em talento, bom gosto e qualidade.

Nas palavras do próprio Bowie, este álbum foi inspirado por seu próprio casamento, e inclui faixas como "The Wedding" e sua reprise no final do álbum, uma canção que reflete a ocasião.

Tentaram chegar próximo, mas quem tentou virou "fake".


Bowie resolve lançar em 1993 seu primeiro disco-solo desde Never Let Me Down, de 1987.

Recém-casado, Bowie gravou um de seus melhores e mais desconhecidos discos, Black Tie White Noise, cercado de velhos amigos, como o produtor e guitarrista Nile Rodgers o mesmo de Let's Dance e o velho comparsa dos anos 70, Mick Ronson, já gravemente enfermo.

O disco não teve sucesso, mas provou que Bowie ainda podia e sabia gravar ótimas canções e que sua inspiração estava de volta. Com Black Tie White Noise, David Bowie começou a resgatar o prestígio perdido e que hoje anda em alta.


Um belo disco para uma bela virada em sua vida.

Destaques:

Jump They Say( uma homenagem ao meio-irmão de Bowie, Terry, que cometeu suicídio depois de ser hospitalizado por esquizofrenia na década de 1980), Black Tie White Noise( inspirado no tumulto em Los Angeles, provocando o problema do racismo no sistema legal. Essa faixa inclui um dueto com o cantor Al B. Sure) e I Know It's Gonna Happen Someday
All Music Guide:

Black Tie White Noise was the beginning of David Bowie's return from the wilderness of post-Let's Dance, the first indication that he was regaining his creative spark. To say as much suggests that it's a bit of a lost classic, when it's rather a sporadically intriguing transitional album, finding Bowie balancing the commercial dance-rock of Let's Dance with artier inclinations from his Berlin period, all the while trying to draw on the past by working with former Spider from Mars guitarist Mick Ronson, collaborating with Let's Dance producer Nile Rodgers, and even covering inspiration Scott Walker's "Nite Flights."

On top of that, the record was inspired by his recent marriage to supermodel Iman — the record is bookended with "The Wedding" and "The Wedding Song" — and then tied up and presented as a sophisticated modern urban soul record, one that draws from uptown soul (including, rather bafflingly, a duet with Al B. Sure!) and state-of-the-art dance-club techno, while adding splashy touches like solos from avant jazz trumpeter Lester Bowie and a nod to modern alt-rock via a nifty cover of Morrissey's "I Know It's Gonna Happen Someday."
That's a lot of stuff for one record to handle, so it shouldn't come as a great surprise that the album doesn't always work, but its stylish restlessness comes as a great relief, particularly when compared to the hermetically sealed previous solo Bowie record, 1987's Never Let Me Down. Black Tie White Noise displays greater musical ambition than any record he'd made since Scary Monsters, and while much of the record feels like unrealized ideas, there are songs where it all gels, like on the paranoid jumble of "Jump They Say," the aforementioned covers, the impassioned "You've Been Around," and the self-consciously smooth title track.

Moments like these are the first in a long time to feel classically Bowie, and they point ahead toward the more interesting records he made in the second half of the '90s, but they are encased in a production that not only sounds dated years later, but sounded dated upon its release in the spring of 1993, two years into the thick of alternative rock. At that point, the club-centric, mainstream-courting Black Tie White Noise seemed as an anachronism during the guitar-heavy grunge-n-industrial glory days — something Bowie tacitly acknowledged with its 1995 successor, Outside, which was every bit as gloomy as a Nine Inch Nails record — but separated from the vagaries of fashion, it's an interesting first step in Bowie's creative revival.

-Stephen Thomas Erlewine

Personnel:

David Bowie – Vocals, Guitar, Sax, Dog alto, production
Nile Rodgers – production
Jon Goldberger, Gary Tole, Andrew Grassi, Mike Greene, Louis Alfred III, Dale Schalow, Lee Anthony, Neal Perry, Andy Smith – engineering
Pugi Bell, Sterling Campbell – drums
Barry Campbell – bass
Nile Rodgers – guitar
Richard Hilton – keyboards
John Regan – bass
Michael Reisman – harp, tubular bells
Dave Richards, Philippe Saisse, Richard Tee – keyboards
Gerardo Velez – percussion
Fonzi Thorton, Tawatha Agee, Curtis King, Jr., Dennis Collins, Brenda White-King, Maryl Epps – background vocals
Al B. Sure! – vocal duet on "Black Tie White Noise"
Fonzi Thornton, Tawatha Agee, Curtis King, Jr., Dennis Collins, Brenda White-King, Maryl Epps, Frank Simms, George Simms, David Spinner, Lamya Al-Mughiery, Connie Petruk, David Bowie, Nile Rodgers – choir on "I Know It's Gonna Happen Someday"
Mick Ronson – Guitars on "I Feel Free"
Lester Bowie - Trumpet on "You've Been Around", "Jump They Say", "Pallas Athena", "Don't Let Me Down & Down", "Looking For Lester"
Wild T. Springer -- guitarTracks:

01 The Wedding
02 You've Been Around
03 I Feel Free
04 Black Tie White Noise
05 Jump They Say
06 Nite Flights
07 Pallas Athena
08 Miracle Goodnight
09 Don't Let Me Down
10 Looking For Lester
11 I Know It's Going To Happen Someday
12 The Wedding Song
13 Real Cool World
14 Lucy Can't Dance

Enjoy!!!!!!!!!!!!!!

10 comentários:

  1. Excelente, como o disco. :)

    Só vou acrescentar uma curiosidade sobre o nome. Black tie todo mundo sabe o que é, traje formal, o que geralmente se usa (também) em ocasiões solenes como funerais. White noise (barulho branco, literalmente, e um termo técnico pra designar certo tipo de onda sonora) se refere (também) à captação de mensagens (supostamente de pessoas que já se foram) através da estática de rádio e TV.

    Como esse disco é do começo dos anos 90, eu sempre fiquei muito intrigada com esse nome, por que Black Tie, White Noise, o que é que tem a ver uma coisa com a outra? Não conseguia ligar as coisas e queria descobrir se era uma expressão em inglês que eu não sabia, um trocadilho ou algo assim. Na época não tinha muito como eu saber.

    Só fui me tocar muito tempo depois de que era um jogo de palavras. No contexto das músicas e o que elas significam, tudo isso aí que o Dead já colocou na postagem, faz todo o sentido -- fora que também tem white noise em algumas faixas, estática de agulha de disco, essas coisas.

    Enfim, é um disco muito delicado de meio do caminho pro Bowie, com coisas muito boas e outras bem ruins acontecendo ao mesmo tempo pra ele, tanto na carreira, quanto na vida pessoal. (Funny enough, pra mim, o mesmo. Então ouvi muito esse disco.)

    A voz dele, eu acho, tá diferente e é um destaque. Como sempre ele interpreta horrores, muda de faixa a faixa, mas tá diferente -- can't put my finger on it, mas tá. Outro detalhe bem saboroso é ele no sax. Em nenhum outro disco (que eu já tenha escutado) se ouve tanto o Bowie no sax e é absurdamente fantástico.

    Bah, what else? Sei lá, escuta aí.

    Essa (que o Dead pôs o vídeo) é a única balada do disco. Tem também o cover de "I know it's gonna happen someday", provavelmente o melhor cover de uma música dos Smiths que alguém já fez. É Smiths ou Moz? Nem sei mais. Mas eu não chamaria de balada porque o Bowie mudou a música. Teve a sacada gênio de colocar um coral no meio e putz, virou uma mensagem de esperança (maior que o sofrimento), é de chorar de tão bonito que ficou.

    Então, enjoy, né? Espero. :)

    Ah e vão lá relembrar a estética do vídeo "Jump they say", cujo assunto o Dead já explicou.

    O Placebo (britânicos, admiradores, já trabalharam juntos e magnificamente, por sinal) tentou abordar o mesmo assunto, mas não chegou nem perto. Não adianta, Bowie só tem um. ;)

    http://www.youtube.com/watch?v=HFFk1m5UbLY

    Eles dizem: "Nossa, isso é realmente sério".
    Eles acham que o cara deve dar um tempo e tal
    Eu acho que ele deve ficar atento, isso sim
    Meu amigo, não dê ouvidos à multidão!
    Eles dizem: "Pule"!

    ResponderExcluir
  2. Lucy (e Dead),
    Depois do texto do post e deste belo e educativo comentário sobre os significados de "Black Tie" e "White Noise", dentro do contexto pessoal vivido por Mr. Bowie à época, só aumentou a minha curiosidade em ouvir este trabalho.
    Abraços pra vocês dois.
    -- zm

    ResponderExcluir
  3. Se me ocurre que estar conversando acompañado de ustedes dos (Dead y Lucy) y un par de cervezas debe ser un gusto de toda la noche, y como yo soy ave nocturna, sería una noche muy corta, faltarían horas...
    A propósito, me diste una excelente idea, mi próximo post, en uno o dos d{ias, va a ser Ziggy Stardust...
    Saludos!

    ResponderExcluir
  4. Ei Aponcho, inclui aí o ZM, o Poucosiso, ihhh a mesa ia ser pequena que nem a noite,rs
    Boa idéia irmão, Ziggy é o máximo da psicodelia e um marco dos anos 70, apesar que tem energúmeno que chama o Bowie de gay e quem gosta dele de boiola é mole, mas já deleto o cara e pronto, como pode vir aqui pra fazer propaganda de amigos dele e seus blogs, cara se aqui é tão ruim como dizem os desafetos, prq vem não é?

    ré,´ré,ré a porra da inveja é foda,esses malas é que deleto mesmo com prazer; Aponcho vc é sempre bem vindo querido, Saludos a usted!!!!!!
    Enjoy!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo5:51 PM

    Porra ja deletaram o post eles querem nos tirar ate isso, ja que nao temos nada nesse lugar ,sim lugar por que pais e outra coisa la tem educacao saude leis e aqui so calypso latino nx zero ,politicos ,pagodeiros,mais merda mais merda mais merrrr Boa sorte neste seu calvario musical amigo Eduardo

    ResponderExcluir
  6. ZM, um prazer saber que alguém me lê! :) O Dead sabe mil coisas sobre mil bandas e pessoas, eu sei pouco sobre poucos -- então, aproveito quando tem uma oportunidade de compartilhar, né? (Mas o Dead é modesto e diz que não sabe nada sobre nada. rs)

    iAponcho, que amable tu comentario! Eres siempre bienvenido a compartir de nuestra cerveza virtual. Y, bueno, yo soy una ave nocturna también, pero el lobo se duerme temprano. Demasiado temprano, que te lo diga... ;p

    Espero que tenham tido tempo de baixar. Aqui na alcatéia tem que ficar esperto mesmo, SERVIU, BAIXOU, tem que sair do forno e ir direto pra caixa de som de vocês, ainda quente!

    Besotes... ;)

    ResponderExcluir
  7. Caramba, tem o Omar, o Gustavo, o MM, Roderick, JCarlos, Mauri,a Nirma, a Virginia,ai meu pai haja mesa e noite pra tanta gente e ainda tem mais que me perdoem por não citar senão ficaria o dia todo aqui falando,rs
    Enjoy!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. É, consegui baixar assim que postou, valeu, nunca tinha me ligado muito na música do DB mas sempre o admirei muito já tendo visto uns filmes com ele. Nunca é tarde para ser feliz né, rs, e Lucy, me sinto um privilegiado de poder ler o que vcs escrevem e Dead mais uma vez obrigado pela oportunidade. VIVA A ALCATÉIA.
    Abçs José Carlos

    ResponderExcluir
  9. Anônimo12:08 AM

    Não sou nenhum conhecedor profundo do trabalho do Bowie, confesso, e talvez essa seja a razão de desconhecer completamente a existência desse ótimo trabalho (ao ver a capa, cheguei a imaginar que fosse lançamento) que me surpreendeu imensamente e me deu uma baita vontade de fuçar com maior dedicação o imenso catálogo do eterno camaleão. Obrigado por essa jóia rara. Não sei se é permitido (se não for pode deletar esse comentário) mas rodando por aí, topei com um blog que me lembrou em muito o seu pela forma em que o autor também procura fugir do óbvio e apresentar um conteúdo bem variado - além, é claro, da também extensa e útil informação apresentada em cada post - que, acredito, poderá ser de seu interesse. Aqui está o link se quiser dar uma conferida: http://overdoseoffingalcocoa.blogspot.com/
    Não é propaganda, pois nem sei quem é o autor do mencionado blog que descobri apenas há 2 dias atrás e ainda não consegui digerir totalmente pela grande quantidade de material. Entenda como uma forma de agradecimento por tudo que seu blog me tem proporcionado em matéria de prazer musical.
    Abraços,
    Carlos

    ResponderExcluir
  10. Ng é conhecedor de tudo, só sei que nada sei e somos mais dividindo o conhecimento que temos.
    Se falo que a alcatéia é nossa, é permitido o que vc quiser, só não gosto de ofensas pessoais, baixaria, sacanagem, enfim canalhices de alguns desafetos e invejosos filhotes do outro, e como vc não é nada disso, vc pode indicar bons blogs, falar do trabalho deles e pronto, cada um que tiver curiosidade que tire suas conclusões.
    Eu que agradeço a consideração, mas sinta-se em casa, e se for algo que queira uma opinião pessoal aí vc me manda um email ok?
    rs!
    Enjoy!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir